Aplicação Areeiro Mais: primeira avaliação

screen-shot-01-31-17-at-10-17-pm

  1. acesso web (https://areeiromais.jf-areeiro.pt/geomarkers/map.php): muito bem! (podia ser apenas telemóvel https://play.google.com/store/apps/details?id=com.areeiromais.jfa&hl=pt_PT)
  2. no écran de registo aparece ainda o form para introdução de registo: é desnecessário: o utilizador acabou de se registar
  3. na inputbox de “descrição” não é fácil fazer aparecer o botão de submit (no Android)
  4. por cada ocorrência recebe-se uma mensagem de registo, mas as ocorrências não estão numeradas… Seria muito importante terem uma numeração. Quem submete mais do que uma como saberá a qual encerramento se refere? Esta é a maior lacuna da aplicação.
  5. falta um campo para “urgência” na introdução de ocorrências
  6. no mapa da aplicação aparecem referências a empresas. Pode ser confundida com uma forma de publicidade
  7. devia ser possível introduzir ocorrência além de por mapa, escrevendo a rua e o nº de porta, sem uso exclusivo do mapa (que não tem detalhe suficiente, aliás). Além do nº de ocorrência esta é também uma lacuna importante (mas menos)
  8. nem todas as competências da junta aparecem tipificadas, apenas algumas (espaço público, zonas verdes, higiene urbana, outros)
  9. para abrir ocorrências há que clicar no mapa duas vezes: devia ser possível com o botão direito do rato
  10. quando se submetem ocorrências com duas fotos a aplicação parece bloquear nas duas rodas dentadas e há que voltar atrás e submeter apenas com uma foto (ocorreu duas vezes seguidas)
  11. Não é claro em que ciclo ocorre a limpeza das ocorrências já resolvidas (ao fim de quantos dias?)
No geral, a aplicação é rápida (via browser), funcional, útil e permite uma visualização rápida e fácil de todos os pendentes já submetidos em que fase estão (com agregação) e qual a sua concentração na freguesia: Muito Bem Junta de Freguesia do Areeiro.

Velocidades excessivas nas vias da freguesia do Areeiro: Propostas à CML

screen-shot-01-31-17-at-01-26-pm

As velocidades dos automóveis nas vias estruturantes do Areeiro (João XXI, Roma, Almirante Gago Coutinho e Afonso Costa) ultrapassam, frequentemente, os 50 Km/h.
Esta falta de respeito para com os limites de velocidade leva a um aumento da poluição sonora e ambiental e a um risco de sinistralidade que pode ser combatida por várias vias:
1) aumento da fiscalização por parte da Polícia Municipal (agora com competências neste sector)
2) instalação de radares fixos de controlo de velocidade
3) instalação de lombas nas rectas de maior extensão, junto a passadeiras de peões e pela colocação de semáforos onde estes não existem (Av. de Roma, Av. Almirante Gago Coutinho. Av. México e Manuel da Maia junto a INE e Av. João XXI)
4) instalar um sistema de testes de “Geração de Energia Elétrica nos Pavimentos Rodoviários ” como o testado pela Waynergy Vehicles na Covilhã numa destas vias do Areeiro o qual, além de gerar energia serve também como redutor de velocidade:
http://www.crp.pt/docs/A48S167-8_CRP_T7_137.pdf

(enviada ao Plano Pedonal de Lisboa (CML))

Subscrevem:
Rui Martins
João J Martins
Margarida Braz Pinto Coimbra
Cristina Azambuja
Luis Seguro
José Vieira Mesquita
Maria Cortez Caetano
Jacinto Manuel Apostolo
Isabel Tomas Rodrigo
Clara Ribeiro
Zé Pedro Leitão
Célia Cardoso Franco
Vasco Ribeiro
Teresa Raposo
Ines Domingos
José João Leiria-Ralha
Manuela Melo
Joao Filipe Rodrigues
Cátia Mendes
Filipe Ruivo
Joao Miranda
Sue M Pinto
Alexandre Montenegro
Fátima Mayor
Joao Rodrigues
Pedro Machado
Carlos Conceicao
Isabel Primoroso
John Burney
Pedro Costa Pinto
Pilates Pascal
Marta Campos

Repavimentação da Rua Abade Faria (junto a PT) [Resolvido]

screen-shot-01-30-17-at-01-25-pm

A 4 de Janeiro enviámos à CML o seguinte pedido de vários moradores:
“Neste prolongamento da Rua Abade Faria (traseiras do edifício da Portugal Telecom da Afonso Costa) temos o pior piso de arruamento de toda a freguesia.
(Pedido aberto na Câmara Municipal de Lisboa com o nº OCO/545/2017)”

A 30 de Janeiro recebemos a resposta da “Unidade de Intervenção Territorial Centro” da CML:
“Exmos Senhores
Vizinhos do Areeiro,
Na sequencia da vossa exposição sobre o mau estado do pavimento num troço da Rua Abade Faria, que mereceu a nossa melhor atenção, vimos informar V. Exas que estamos a proceder à repavimentação do troço identificado, sendo expectável que a intervenção fique concluída hoje.
Em anexo, remeto fotografias dos trabalhos em curso.”

 

Engarrafamentos constantes na zona da Av. de Roma: Propostas à CML [Actualização e Resolução anunciada]

screen-shot-01-30-17-at-01-01-pm
Fotografia de Jorge Oliveira

Os problemas de falta de fluidez do trânsito entre o semáforo da Av. João XXI, e a Av. Óscar Monteiro Torres, com engarrafamentos nos dois sentidos da Av. João XXI para entrar na Oliveira Martins têm-se agravado nos últimos meses.
O problema parece resultar do efeito conjugado do semáforo na entrada para a Av. Roma e do estrangulamento do final da Av. Óscar M. Torres uma vez que só é possível circular por uma das vias, estando de um lado os táxis parqueados na respectiva praça e do outro (onde antes não era permitido estacionar) ocupado com carros parqueados. Em consequência destes quatro ou cinco lugares de estacionamento ficamos com o trânsito bloqueado em horas de ponta, com maiores níveis de poluição do ar na vizinhança e com uma imensa perda de tempo e consumo de combustível para quem mora na zona.
Os subscritores sugerem assim à CML que limite o estacionamento naquela zona tão crítica que aproveita a tão poucos e prejudica a tantos, que repinte as faixas no asfalto e faça impor as regras de estacionamento aos veículos comerciais de estabelecimentos situados neste local.

(enviada à CML)

Subscrevem:
Rui Martins
Cristina Azambuja
Tó Cintra
Isabel Carmona
Luis Seguro
Mariana Tavares
Pedro Gomez
Isabel Gameiro
Jacinto Manuel Apostolo
Belicha Geraldes
Teresa Raposo
Ines Domingos
André Figueiredo
José João Leiria-Ralha
Ana Monteiro
Cátia Mendes
Vasco Ribeiro
João J Martins
Jorge Oliveira
Paulo Lopes Marcelo
Carlos Conceicao
John Burney
Rogério Martins
Maria Anabela Melo Egídio
Frederico Amores
Luisa Galvão
Pedro Mendes Pinto
Pedro Costa Pinto
Lucilia Guimaraes
Clara Melo
Ana M Paes Vasconcellos
Teresa Silva

Actualização de 08.02.2017:
As nossas sugestões tiveram como resposta a 8 de fevereiro: “Encarrega-me o Senhor Vereador de acusar a recepção do e-mail e informar que o assunto foi encaminhado para a Direcção Municipal de Mobilidade e Transportes, a fim de, com a maior brevidade possível, ser dada resposta ao solicitado.”

Resolução anunciada de 20.02.2017 (EMEL):
“Acusamos a recepção da exposição que nos dirigiu, a qual agradecemos. Informamos que a mesma constitui um contributo para que a situação apresentada seja analisada e informamos que a Câmara Municipal de Lisboa está a elaborar o projecto de requalificação desta área, será incluído na área de exploração da EMEL logo que reunidas as condições.”

Fim das varandas ilegais no Areeiro: Proposta à CML

screen-shot-01-27-17-at-12-50-pm
(fotografia de André Figueiredo)

No Areeiro – como em todas as freguesias de Lisboa – pode observar-se o fecho de varandas, criando marquises inestéticas e que violam o projecto (geralmente de grande qualidade) dos edifícios modernistas do nosso bairro.
Os subscritores desta mensagem convidam a CML a iniciar um projecto piloto na freguesia do Areeiro que resolva este problema através de uma abordagem multifacetada:
1) levantamento de todas as marquises e varandas fechadas que colidam com o projecto autorizado
2) contacto com os proprietários destas marquises no sentido de:
os sensibilizar para este problema
disponibilizar alternativas para os seus problemas de isolamento térmico e sonoro
3) criar, com os proprietários, um plano de remoção de marquises
Sugerimos ainda que a Autarquia – após décadas de inércia – contribua para este problema não de uma forma punitiva (coimas) mas através da criação de mecanismos de remoção voluntária de marquises para os residentes que comprovem não terem condições económicas para financiarem essa remoção designadamente através da:
1) disponibilização, a custos de aquisição, de soluções de isolamento térmico e sonoro de janelas adquiridas em grande quantidades (com economia de escala) pela CML e revendidas, a preço de custo, a este munícipes
2) realizar, sem custos, a desmontagem destas instalações
3) em casos extremos, de manifesta insuficiência económica, financiar na íntegra essa remoção e a instalação de um isolamento térmico e sonoro nas janelas que ficam expostas com a remoção dessa marquise.

Subscrevem:
Rui Martins
João P Martins
João Banazol
Clara Ribeiro
Fernando Duarte
Catarina Rebelo
Maria Cortez Caetano
Jacinto Manuel Apostolo
Mira de Lacerda
Nitucha Jacques
Fernando Seabra
Rita Costa
Vasco Ribeiro
António Augusto Ventura
André Figueiredo
Paula Amoroso
Manuela Melo
Helena Julião
Zé Pedro Leitão
Carla Duarte
Ines Domingos
Jorge Oliveira
João Guerreiro Barreto
Margarida Vaz
Elisabete Henriques
Celestina Costa
Margarida Paiva
Marta Soares
Manuela Paixão
Bernardo Ferreira De Carvalho
Ana Fonseca Leonardo
John Rosas Baker
Gloria Morales Delos Rios
Isabel Primoroso
Sue M Pinto
Pedro Mendes Pinto
João Da Costa Tavares
Filipa Fernandes Figueiredo

Petição Rua Xavier Cordeiro [Resolvida]

A 23 de Janeiro de 2017 um grupo de moradores da Rua Xavier Cordeiro requereu aos deputados municipais uma reunião onde pudessem apresentar a

screen-shot-01-25-17-at-01-19-pm

As obras de requalificação do Bairro Arco do Cego trouxeram a novidade de uma ‘zona partilhada’ entre peões e automóveis, com limite de 20 km/h, de acordo com o espírito de uma zona residencial, o que constitui uma aposta corajosa da CML na priorização do peão sobre o automóvel, pelo que estão de parabéns.

No entanto por algum motivo a Rua Xavier Cordeiro ficou excluída da aplicação desta filosofia, tendo ficado pior após a intervenção. Antes das obras o seu troço inicial era de sentido único, o que limitava bastante o número de automóveis que aqui circulavam. Após as obras passou a ser a única rua do bairro que tem em toda a sua extensão dois sentidos, constituindo assim uma ‘via rápida’ de atravessamento alternativa à Av do México/Av António José de Almeida, principalmente nas horas de mais trânsito (8.00-10.00; 17.00-19.00), devido a vários factores:
– na Xavier Cordeiro não existem semáforos;
– na Xavier Cordeiro não confluem outras vias de tráfego intenso;
– o piso da Xavier Cordeiro é todo ele em betuminoso.

Se antes havia crianças a brincar na rua, agora assistimos a ‘corridas’ de automóveis, pois nenhum cumpre o limite de 20 km/h, chegando alguns a atingir velocidades próximas dos 50 km/h, o que além de ser incompatível com uma zona residencial, é perigoso e causa um nível de poluição sonora que era desconhecido neste bairro.

Propomos uma série de intervenções que poderão melhorar a situação actual.
– limitar os sentidos da Xavier Cordeiro à semelhança do que existia antes das obras e do que existe no restante bairro. Sendo esta a rua do bairro que tem maior largura, pode-se usar o espaço que fica disponível para novos lugares de estacionamento e/ou o alargamento do passeio; 
– em complemento ou alternativa, introduzir medidas eficazes de acalmia de tráfego, como bandas sonoras e/ou obstáculos físicos fixos na via que obriguem os condutores a limitar a velocidade e desencorajem o uso da Xavier Cordeiro como alternativa à Av do México/Av António José de Almeida;
– sinalização horizontal recordando o limite de velocidade e a natureza da zona;
– sinalização vertical indicando tratar-se de zona partilhada nas entradas do bairro onde ainda não existe;
– esclarecimentos sobre o que é uma zona partilhada, uma vez que existe um grande desconhecimento sobre este assunto.

Confiantes de que brevemente atenderão o nosso pedido e farão o necessário para devolver à Xavier Cordeiro a sua tranquilidade e qualidade de vida, apresentamos os nossos melhores cumprimentos.

Subscrevem:
(vários moradores)

Actualização de 22.02.2017
Recomendação, apresentada pelo PEV, na reunião da AML de 21 de Fevereiro de 2017, referente à “Melhoria da mobilidade na Rua Xavier Cordeiro”, a qual foi aprovada por unanimidade:
http://www.am-lisboa.pt/documentos/1487351967L6rLS5bv0Bw72TQ9.pdf

Actualização de 03.05.2017
À questão dos Vizinhos do Areeiro sobre “Melhoria da mobilidade na Rua Xavier Cordeiro”
O Vereador Manuel Salgado esclareceu em 3 de Maio de 2017 que:
Pela Recomendação 10/133 — Pela melhoria da mobilidade na Rua Xavier Cordeiro”, aprovada pela Assembleia Municipal de Lisboa, sob proposta do Grupo Municipal do PEV, em 21 de fevereiro de 2017, foi recomendado à Câmara Municipal de Lisboa, o reordenamento dos acessos e limitação dos sentidos da Rua Xavier Cordeiro, assim como a introdução de medidas eficazes de acalmia de tráfego. Para o efeito e no sentido de impedir o bypass aos semáforos da Avenida do México, a ligação da Rua Brás Pacheco com a Avenida do México passa novamente a funcionar como ponto de saída, sendo a entrada na Rua Xavier Cordeiro feita pela Rua Bacelar e Silva. Desta forma, quem vem da Avenida do México, deixa de poder entrar diretamente na Rua Xavier Cordeiro.
Ainda, no sentido de restringir ao máximo os excessos de velocidade na Rua Xavier Cordeiro, para além da medida atrás apontada e da sinalização vertical existente nas entradas e saldas do bairro, serão acrescentadas marcas rodoviárias com indicação de velocidade máxima de circulação.”

Actualização de 09.06.2017
Recebida do grupo do Partido Ecológico os Verdes:
“O Grupo Municipal do Partido Ecologista “Os Verdes” informa que a Câmara Municipal de Lisboa (CML) respondeu à Recomendação nº10/133 – “Pela melhoria da mobilidade na rua Xavier Cordeiro”, apresentado pelo PEV, que remetemos no ficheiro em anexo”
Screen Shot 06-12-17 at 01.20 PM

TowIt: Apelo ao uso desta mobile app pela EMEL e Polícia Municipal de Lisboa

screen-shot-01-25-17-at-01-02-pm

Embora Portugal seja o maior utilizador global da aplicação móvel TowIt
https://play.google.com/store/apps/details?id=io.towit&hl=pt que reporta violações às leis de estacionamento e condução perigosa e que usa dados crowdsourced para resolver estes problemas nem a Câmara Municipal, nem a Polícia Municipal (agora com competências nesta área) nem sequer a EMEL usam os dados desta aplicação para o bom cumprimento das suas missões.

A aplicação funciona através de fotografias, tiradas no momento e da confirmação da placa de matrícula que são enviadas para a aplicação global. A partir daqui, e com georeferenciação, os dados são enviados automaticamente para as autoridades municipais registadas. De notar que os dados ficam apenas disponíveis a quem captou a fotografia e às autoridades por forma a respeitar a privacidade dos proprietários dos veículos em estacionamento ilegal. A aplicação foi desenvolvida por uma pequena equipa de cidadãos canadianos e está a ser avaliada actualmente pela polícia de Toronto para remover das vias automóveis em situação de estacionamento especialmente graves (que bloqueiam vias – 2ª fila – ou sobre passeios públicos).

O movimento de cidadãos “Vizinhos do Areeiro” apela à CML, Polícia Municipal e EMEL que passem a participar da rede global da TowIt por forma a terem uma acção mais rápida e eficaz no combate ao estacionamento ilegal e, sobretudo, ao estacionamento em 2ª fila e ao estacionamento em passeio público.

Subscrevem:
Maria Lourdes Alves Gouveia
Vasco Ribeiro
Jorge Oliveira
Qju Nunes
Margarida Braz Pinto Coimbra
João J Martins
Rui M. Sousa
John Burney
Joana Duarte
Teresa Silva
Rahyara De Sousa
Pedro Dias

Reenviada a 05.10.2017

Parque de estacionamento da Alameda (explorado pela Empark): Abusos dos lugares de estacionamento reservados para cidadãos com mobilidade reduzida [Parcialmente resolvida]

screen-shot-01-24-17-at-01-14-pm

Enviada a 2 de Novembro à Empark “No parque de estacionamento da Alameda (explorado pela Empark) os abusos dos lugares de estacionamento reservados para cidadãos com mobilidade reduzida são constantes.
A Empark Aparcamientos y Servicios S.A. tem conhecimento destes abusos? Conta proceder a alguma iniciativa por forma a impedir os mesmos?”

Resposta de 23 de Janeiro de 2017:
Acusamos a receção da exposição apresentada por V. Exas. no mail de 02 de Novembro, apresentando desde já as nossas desculpas pela demora na resposta.
Relativamente ao assunto abordado na prezada exposição, vimos transmitir o seguinte:
Decorrentes do DL 81/2006 de 20 de Abril, os lugares anteriormente reservados exclusivamente a pessoas de mobilidade condicionada, foram alargados à utilização por parte de grávidas e acompanhantes de crianças de colo, sendo que nestes dois últimos casos não é necessário o uso de dístico.
Esta realidade tem contribuído amiúde para que estes lugares se encontrem quase sempre ocupados.
Há, no entanto, situações que extravasam a nossa capacidade de atuação e que nem sempre é fácil de contestar face à falta de razoabilidade e civismo de alguns cidadãos, tornando-se assim difícil de controlar a ocupação legítima destes lugares. Quando assim acontece os funcionários têm instruções para apelarem  ao bom senso dos clientes e alertarem para a situação de estacionamento abusivo.
Não é, contudo, o exemplo do parque da Alameda, já que temos verificado que a maioria das pessoas que aí estacionam as suas viaturas são pessoas com mobilidade reduzida efetivamente, ainda que se enquadrem no grupo que não carece do uso de dístico na viatura.
Neste parque, por exemplo, já por várias vezes os funcionários chegaram à conversa com condutores que utilizaram esses lugares, aparentemente indevidamente, mas que afinal se verificou terem direito por lei.
Não obstante o exposto, a direção do parque teve em conta a observação feita por V. Exas. e por isso deu instruções ao pessoal do parque para serem ainda mais diligentes neste controlo. O resultado até então tem sido positivo, na medida em que a ocupação destes lugares tem sido feita por pessoas com mobilidade condicionada/reduzida”

Estacionamento Selvagem no Logradouro da Escola Luís de Camões [Parcialmente Resolvido]

screen-shot-01-24-17-at-12-36-pm

Resposta do RSB à nossa mensagem confirmando a “impossibilidade da passagem de viaturas de emergência” e instando a Polícia Municipal a agir:
Mensagem de de 4 de Novembro dos Vizinhos do Areeiro:
“Tendo em conta as situações documentadas pelas fotografias em anexo, a situação de impunidade de estacionamento (EMEL e PM) e, sobretudo, os riscos que estes estacionamentos irregulares representam para a passagem e circulação de veículos de emergência do RSB alguns moradores e residentes das ruas adjacentes gostariam de pedir a estas entidades que procurassem o que pode ser feito por forma a impedir esta situação, recorrente há vários anos e que pode ser comprovada – in loco – praticamente todos os dias”
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1701712673474866/
(Logradouro da Escola Luís de Camões (Areeiro)

Semáforos em situação ilegal na Freguesia do Areeiro [Actualização]

screen-shot-01-23-17-at-01-19-pm

Tendo em conta que o ponto 1.6.4.2 do Anexo ao Decreto-Lei nº 163/2006 prescreve que, em todos os semáforos, o sinal verde para peões deve estar aberto o tempo suficiente para permitir o atravessamento a uma velocidade de 0,4 metros por segundo e que várias vias da freguesia do Areeiro não respeitam esta regra os moradores apelam à Junta de Freguesia do Areeiro que identifique junto da Câmara Municipal de Lisboa todos os semáforos que estão ilegais e que proceda por forma a garantir uma resposta eficaz e em tempo útil por parte desta autarquia.

Em particular, identificamos nesta situação:
Avenida de Roma junto à Av São João de Deus
Avenida de Roma junto a Rua João Villaret
Primeiro semáforo da Av. de Roma quem vem da Praça de Londres, junto ao Ministério da Solidariedade Social
Rua Augusto Gil para a Av. João XXI
Avenida João XXI junto ao cruzamento com a Avenida de Roma
Avenida Manuel da Maia junto à Alameda Afonso Henriques
Avenida Almirante Reis junto à Avenida de Paris
Avenida Afonso Costa junto à DGA
Avenida Almirante Gago Coutinho junto à BP

Numa faixa de rodagem com 10 metros de largura a luz verde para peões tem que estar aberta pelo menos durante 25 segundos. Ora, a regra, nestes locais de atravessamento (e sem contar com as ilhas nos separadores centrais!) é de 15 segundos, ou seja 10 segundos a menos que – num atropelamento – podem fazer a diferença entre a vida e a morte!

Subscrevem:
Rui Martins
Luis Seguro
Maria Cortez Caetano
Carmosinda Veloso
Luz Cano Pinto Santos
Mónica Janelas
Fernanda Cunha
Gabriel Osório de Barros
Pedro Gomez
Filipa Ramalho Rickens
Maria Julieta Mendes Martins
Pedro Pinto
Raquel Leite
Clara Ribeiro
Elisabete Carvalho
Anabela Nunes
Vasco Ribeiro
Hugo Fiuza
José João Leiria-Ralha
José Vieira Mesquita
Teresa Raposo
Qju Nunes
Joao Miranda
Cátia Mendes
Nitucha Jacques
Rui M. Sousa
Isabel Tomas Rodrigo
Jacinto Manuel Apostolo
Manuela Melo
Belicha Geraldes
Dina Correia
Maria Georgina Carreira Reis
Margarida Braz Pinto Coimbra
Carlos Augusto
Maria João Morgado
Renata Chaleira
Clara Melo
Mafalda Antunes
Maria Palma
Teresa Silva
André Carvalho
Rosa Branca Graça
Susana De Brito Dias
Pedro André
Rahyara De Sousa
John Burney
Isabel Barreto
Nelson Guimarães
Lucilia Guimaraes
Margarida Paiva
Dina Lopes

 

Actualização de 27.04.2017:

A 23 de janeiro 2017 questionámos a Junta de Freguesia do Areeiro se poderia pressionar a CML sobre os semáforos com temporizações aparentemente ilegais na Av. de Roma
A 27 de abril a Junta respondeu que “foi avisada na altura a CML. Atualmente apresentámos uma reclamação sobre os semáforos da praça Francisco Sá Carneiro”