EMEL: aumento da validade do dístico para 3 anos

logo-emel-rgb-300x128

Petição à Assembleia Municipal de Lisboa

O Movimento Cívico Vizinhos do Areeiro (Lisboa), apela à Assembleia Municipal de Lisboa que exerçam os seus melhores esforços no sentido de que a EMEL – Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, aumente a validade do dístico de residente dos actuais um ano (artigo 42º Regulamento Geral de Estacionamento) para – pelo menos – os 3 anos que constam do “regulamento geral das zonas de estacionamento de duração limitada” aprovado pela autarquia de Lisboa.

Além desta sugestão gostaríamos igualmente que a Assembleia Municipal se pronunciasse sobre:

– Uma redução do custo de emissão do cartão de residente (12 euros)
– A possibilidade de emissão de dísticos de residentes provisórios (superiores a trinta dias e inferiores a 12 meses)
– A obrigatoriedade do pagamento de taxa de estacionamento por parte dos veículos EMEL conforme ao artigo 8 do citado regulamento (que não os isenta de forma explícita)
– A imperativa necessidade do cumprimento do Código da Estrada no que se refere ao estacionamento “2ª fila” por parte de veículos EMEL quando instalam bloqueadores e existem lugares de estacionamento disponíveis
– A possibilidade de transferir o dístico para um outro veículo, definitiva ou temporariamente, sem custos, uma vez que durante aquele período já foi feito um pagamento. Nomeadamente em casos em que o veículo está em reparação e é necessário usar outro veículo que ainda não está registado mas tem que se efectuar novo pagamento. A transferência em caso de venda deve também ser simplificada e não acarretar qualquer tipo de custos acrescidos.

 

Concorda?
Assine em http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=EMELvalidadedistico

Oito intervenções na Assembleia de Freguesia do Areeiro a 15 de Dezembro de 2016

vizinhosareeiro“Oito intervenções (perguntas) na Assembleia de Freguesia do Areeiro a 15 de Dezembro de 2016
1
Na Assembleia de Freguesia do Areeiro de 15 de Dezembro, deixei, em nome de todos os “Vizinhos do Areeiro” e, em particular, daqueles que participaram e participaram no projecto do “Jardim Cidadão” da Estação CP Roma-Areeiro, um sentido agradecimento ao donativo de várias plantas (cerca de 80) para este jardim assim como a sua colaboração, através de um jardineiro da autarquia, na sua plantação em começos de dezembro.
Obrigado: Junta de Freguesia do Areeiro!
2
Um grupo de moradores do Bairro Portugal Novo fez-nos chegar relatos de um espaço ocupado – alegadamente – de forma ilegal onde, segundo um agente da PSP um grupo de indivíduos do bairro estaria “autorizado pela Junta a funcionar como colectividade até às duas da manhã”. Existindo esta informação e relatos de que o ruído era frequente bem para além deste limite questionado o Presidente da autarquia sobre esta “autorização” e sobre se poderia dar algum contributo na resolução da questão da ocupação e do ruído ao que foi respondido que não haveria tal autorização (nem seria, aliás, esta uma competência da Junta) nem que esta informação tivesse cedida à PSP. Quanto à ocupação, em si mesma, é um problema de fiscalização e de policiamento, não tendo aqui a Junta qualquer papel.
3
Sobre o pedido dos “Vizinhos do Areeiro” para que houvesse uma redistribuição de pilaretes na Rua Vítor Hugo que resolvesse as situações (crónicas) de abuso de estacionamento usando pilaretes sobre o passeio frente a garagens desactivadas respondeu o Presidente da Junta de Freguesia do Areeiro que legalmente, a Junta de Freguesia não pode decretar a extinção de garagens, mesmo quando estas foram transformadas em lojas (como sucedeu na Rua Vítor Hugo). Apesar disso, nos próximos dias, a Junta vai colocar pilaretes onde ainda é possível e limitar assim, ainda mais, os estacionamentos sobre o passeio nesse arruamento.
4
A reversão de vias no Bairro do Arco do Cego, assim como a retirada de estacionamentos, as curvas demasiado acentuadas ou de 90 graus, o espaço (exíguo) dos lugares de estacionamento (que forçam muitos carros a estarem ou na via ou sobre o passeio) criaram um elevado clima de descontentamento entre os moradores (não conhecemos nenhum que esteja completamente de acordo com estas obras, embora ninguém declare que uma intervenção no Bairro não era, de facto, necessária).
Em resposta, Fernando Braancamp, Presidente da Junta de Freguesia invocou que o processo das obras no Bairro “não estava ainda fechado” e que estas se encontravam “em aperfeiçoamento” com os projectistas e que a Junta estava a acompanhar estas alterações. Referiu ainda que recentemente o Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) tinha estado no Bairro e verificando os ângulos das curvas e a sua compatibilidade com o seu equipamento de combate a incêndios tendo sugerido várias alterações as quais, contudo, se irão traduzia numa nova redução dos lugares de estacionamento nas imediações dessas curvas (entre 10 a 14).
Mais acrescentou: antes das obras o Bairro teria 740 lugares de estacionamento tendo ficado, agora, com 690 (ou seja menos 48) sendo agora necessário subtrair estas novas 10 a 14 reduções. Mas no Bairro existem 435 fogos o que dá uma média de 1,5 veículos por fogo.
Fernando Braancamp adicionou ainda que o Bairro seria, brevemente, uma Zona Vermelha da EMEL, por forma a simplificar a vida aos moradores, especialmente em épocas de eventos no Campo Pequeno ou na Culturgest.
Quanto ao princípio que norteia estas obras este tem a ver com a prioridade dada ao peão e com a intenção de reduzir a velocidade de circulação, daí o estreitamento de vias e a inexistência de rectas com mais de 150 metros.
5
Desde começos de Outubro que os “Vizinhos do Areeiro” se têm desmultiplicado em contactos com a autarquia, polícia municipal e proprietários da “Casa de Pasto” Oh, Pereira devido ao lixo (copos de plástico e garrafas de cerveja) que deixam no jardim fronteiro (já na freguesia do Areeiro) até agora sem qualquer sucesso. Neste sentido, questionámos a Autarquia se poderia fazer algo para sensibilizar o proprietário sobre este problema ao que o Presidente nos respondeu que estando este restaurante fora da freguesia não haveria nada que pudesse ser feito, mas que existiam contactos regulares com a Freguesia das Avenidas Novas sobre esta questão e o eventual fecho deste estabelecimento às 21:00.
De notar que a fiscalização dos Lixos Urbanos vai passar para as Juntas em 2017 e este é um problema crónico e conhecido na freguesia.
6
Quanto ao pedido (e petição) feito a 1 de Novembro de 2016 para que a Junta isentasse de taxas os animais adoptados no canil municipal e em associações zoófilas legalizadas respondeu a autarquia do Areeiro que na prática, a Junta já aplicava a isenção de taxas de adopção de animais tendo havido, contudo, muitos poucos casos de registos (depois da agregação de freguesias ainda não se emitiu nenhuma licença).
Apesar disso a proposta de alteração ao regulamento será votada (formalizando assim essa isenção) na assembleia de freguesia a realizar em Abril de 2017.
7
Questionámos a Junta sobre se haveria novidades sobre a construção de um parque EMEL junto à Rua Padre Gregório Verdonk (segundo nossa mensagem de 12 de Outubro), e sobre a utilização actual desta zona da freguesia para o estacionamento massivo de táxis, com consequentes dejectos humanos que ocorrem nas redondezas, decorrentes problemas de saúde pública e o regresso de comunidades nómadas migrantes à Quinta das Ameias. Segundo o Presidente da Autarquia a intervenção da EMEL (que poderá, sem confirmação, consistir num parque de dois pisos) vai ocorrer durante o primeiro trimestre (na zona da rectaguarda de onde funcionava o cinema Alfa) ou, no máximo, no segundo trimestre de 2017.
8
Sobre as propostas que os “Vizinhos do Areeiro” fizeram em Setembro e Outubro de que a Assembleia de Freguesia levasse a votação votos de pesar pelos recentes óbitos de dois cidadãos ilustres e da mais alta relevância social e cultural: Maria Isabel Barreno e do Professor Alfredo Bruto da Costa, foram votados (por iniciativa do PSD) dois votos que foram aprovados por unanimidade (CDS, PSD, PCP, PS e BE)”

A partir de várias propostas, problemas e sugestões enviadas aos “Vizinhos do Areeiro”

Junta de Freguesia do Areeiro: Algumas respostas aos Vizinhos do Areeiro [Resolvido]

vizinhosareeiro
“A) Porta-a-Porta:
1. O uso do veículo afecto ao serviço Porta-a-Porta, através de uma carrinha de passageiros, tem uma variável constante e relacionada com o dia e hora de circulação e felizmente não tem como foi afirmado “pouco uso”, sinal disso mesmo são as várias solicitações que a Junta de Freguesia já recebeu para que o mesmo fosse alargado em número de lugares e/ou veículos, uma vez que em alguns horários já não tem capacidade de resposta à procura.
2. Não é possível aferir o custo unitário nem global do veículo, uma vez que a autarquia local não possui sistema de contabilidade analítica, sendo os custos divididos pelos restantes equipamentos de circulação da Freguesia em termos de seguro global e custos de equipamentos e consumíveis.
3. Uma vez que não se trata de um serviço tipo táxi, mas de natureza diferente, com um percurso circular, não sendo comparável a um serviço de táxi. O local de circulação está identificados em http://www.jf-areeiro.pt/pt/areeiro-porta-a-porta e não são locais de estacionamento mas de paragens, tal como definidos no código da estrada.
4. O veículo é apenas usado para o fim a que se destina, ou seja, é um transporte urbano flexível gratuito, de percurso fixo e paragens móveis/flexíveis, gerido pela sua Junta de Freguesia. Pelo que, durante o seu percurso fixo pode ser mandado parar para a entrada de passageiros sem se estes se tenham de deslocar até à próxima paragem, o que entendemos ser facilitador nomeadamente para pessoas com mobilidade reduzida.
B) Escultura Adulterada ao Remover Grafito:
1. Desconhecemos a alteração efectuada e reportada, pelo que, iremos contactar com a Câmara Municipal de Lisboa de modo a apurar o sucedido.
C) Proposta Para Um Orçamento Participativo de Freguesia para o Areeiro:
1. A Junta de Freguesia sempre entendeu a conveniência de um instrumento como o Orçamento Participativo da Freguesia, razão pela qual após sua proposta, foi aprovado pela Assembleia de Freguesia, em Abril de 2015 o Regulamento de Orçamento Participativo da Freguesia de Areeiro.
2. Aconteceu que o mesmo acabou por não ser executado, pois, no ano de 2015 e já neste ano transitaram do Município de Lisboa para a Freguesia diversas obras que poderiam comtemplar projectos a ser incluídos no Orçamento Participativo.
3. Por essa questão e por uma questão de racionalização de meios técnicos na preparação e acompanhamento das obras, optou-se por dar prioridade às obras que transitaram do Município.
4. Não obstante, a verba do Orçamento Participativo foi incluída no Orçamento deste ano e consta nas Opções do Plano, e encontra-se em análise a revisão do Regulamento Participativo, de modo a poder ser aperfeiçoado, uma vez que este acabou por ser um dos primeiros do género na actual reforma administrativa da cidade de Lisboa.
D) Sacos de Lixo em Vários Arruamentos da Freguesia do Areeiro:
1. É do conhecimento público que em diversos locais continuam ser depositados sacos de lixo fora dos contentores e locais apropriados, sendo que, tal questão já foi tratada conjuntamente com a Policia Municipal, para incremento da actividade fiscalizadora, contudo, ainda não se conseguiu, como é desejável erradicar essa prática nefasta.
2. É de salientar a este respeito, que os serviços de higiene urbana da Junta de Freguesia, sempre que executam uma ronda para limpeza das papeleiras procedem à retirada dos sacos do lixo da rua, apesar se tal competência ser dos serviços de recolha de resíduos da Câmara Municipal de Lisboa.
E) Contratos Celebrados em 2016 Pela Junta de Freguesia de Areeiro:
1. O orçamento prevê todos os custos, incluindo aqueles que cujos contratos ou contratação estão excluídos do Código dos Contratos Públicos (CCP), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 18/2008, de 29 de Janeiro, bem como os relativos aos procedimento contratuais em regime de ajuste directo simplificado, que estão dispensados de publicitação, nos termos previstos pelo CCP. Para além disso, estão cabimentas as despesas plurianuais cuja execução se iniciou anteriormente e se mantém no ano de 2016, em cumprimento das normas financeiras adstritas às autarquias locais e entidades públicas.
2. No tocante às situações anómalas, as vicissitudes na execução dos contratos encontra-se regulada na parte do regime substantivo dos contratos administrativos prevista no CCP, sendo aplicável quer se trate de co-contratantes singulares ou colectivos.
3. Os contratos celebrados através de procedimento pré-contratual no regime de ajuste directo cumprem os normativos legais e garantem todas as condições de qualidade. A opção por concursos públicos, quando não obrigatória, pressupõe a necessidade de mais tempo para o contrato (em regra alguns meses) e também o critério de adjudicação pelo preço mais baixo, que nem sempre é correlacionado com a qualidade e eficácia na execução do contrato. Para além disso, entende-se que os concursos públicos serão opção melhor posicionada para contratos com complexidade técnica, as quais obrigam à prévia contratação de um júri de concurso, com os conhecimentos específicos e com os inerentes custos associados.
4. Em execução da Lei da Reforma Administrativa de Lisboa, foi celebrado um Acordo de Execução com o Município de Lisboa, o qual, entre outros, possibilitou a cedência de pessoal para a Freguesia. Todavia, essa cedência executou-se apenas nos Assistentes Operacionais não transitando para a Freguesia outros trabalhadores em carreiras carenciadas como Assistentes Técnicos e Técnicos Superiores, pois, para se processar a transição do pessoal inscrito na “Bolsa de Voluntários” era necessário o acordo tripartido entre os envolvidos, o que nem sempre foi conseguido.
Deste modo, existindo uma carência de recursos humanos, já reconhecida pela Assembleia de Freguesia, foi por esta autorizada a alteração do mapa de pessoal e a abertura de diversos procedimentos concursais para o recrutamento de trabalhadores.
Os procedimentos foram publicitados no início do ano e encontram-se a decorrer os trâmites normais, sendo que, a experiência constatada em outras entidades pública demonstra que este tipo de procedimentos demora vários meses e em algumas situações até anos.
F) Floresta de Pilaretes no Bairro do Arco do Cego:
1. A situação reportada já era do conhecimento da Junta de Freguesia, tendo diversos problemas sido anteriormente comunicados à Junta de Freguesia por diversos moradores.
2. Após várias solicitações da Junta de Freguesia, no dia 28 de Outubro de 2016, houve uma visita ao local que contou com a Presença do Presidente da Junta de Freguesia, o Vereador do Pelouro da Câmara Municipal de Lisboa, entidade a quem compete a matéria em apreço, e o regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa.
3. No seguimento da visita ao local e constatados os diversos problemas, tais como a passagem de veículos de socorro, ficou acordado a resolução destes pelo Município, continuando a Junta de Freguesia a avaliar as alterações a executar e prover pela sua boa execução.
G) Árvores no Areeiro: Estudo e Levantamento:
1. Acusamos a recepção do estudo e levantamento das árvores na Freguesia e informamos que a Junta de Freguesia já possui um levantamento de arvoredo, pelo que, iremos analisar o vosso para averiguar se detém informação que possa ser aditada a actualmente existente.
2. Acresce informar que alguns problemas identificados no arvoredo e a colocação de novas árvores, bem como a remoção de cotos são competência da Câmara Municipal de Lisboa, estando a solução destes a ser acompanhada pelos serviços da Junta de Freguesia.
H) Isenção de Taxa de Registo e Licenciamento de Cães Adoptados em Canis e Associações Zoófilas:
1. O pagamento da taxa de registo e licenciamento de canídeos está actualmente subjacente ao cumprimento do Regulamento e Tabela de Taxas e Preços da Freguesia de Areeiro e demais legislação aplicável, nomeadamente, o Artigo 7º, n.ºs 1 e 2 da Portaria n.º 421/2004, de 24 de Abril, o qual sob a epígrafe «Isenção de Taxa», diz o seguinte:
«1-A licença de cães-guia e de guarda de estabelecimentos do Estado, corpos administrativos, organismos de beneficência e de utilidade pública, bem como os recolhidos em instalações pertencentes a sociedades zoófilas legalmente constituídas e sem fins lucrativos, e nos canis municipais é gratuita.
2-A cedência, a qualquer título, dos cães referidos no número anterior para outros detentores que os utilizem para fins diversos dos ali mencionados dará lugar ao pagamento de licença.»
2. De acordo com a legislação acima citada, apenas os animais que se encontrem recolhidos nos canis municipais estão isentos do pagamento de taxas de registo e ou licenciamento, sendo que, no caso de os animais terem sido cedidos (a título provisório ou definitivo) para detentor particular, como é o caso, afasta o benefício da isenção de taxas.
3. O actual Regulamento de Taxas da Freguesia, o seu Artigo 3º, n.º 2, al. b) prevê que, a pedido dos interessados, a Junta de Freguesia pode isentar de taxas as pessoas em comprovada situação de carência económica, não podendo a isenção ser automática e generalizada.
4. Todavia, uma vez que a questão da existência de taxas e sua isenção é um poder-dever da autarquia local, tal questão já havia sido anteriormente suscitada por mais de um freguês e atendendo ao motivo e pertinência da situação com animais abandonados, informo que a inclusão de isenção para canídeos adoptados em canis municipais ou sociedades zoófilas legalmente constituídas e sem fins lucrativos deverá ser comtemplada na próxima alteração ao Regulamento de Taxas da Freguesia, a qual carece de aprovação pela Assembleia de Freguesia, que detém a competência exclusiva nos termos do Artigo 9º, n.º 1, al. d) do Regime Jurídico das Autarquias Locais, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro.
Com os melhores cumprimentos.
O PRESIDENTE,
Fernando Braamcamp”

20 Perguntas sem resposta da Câmara Municipal de Lisboa

Aguardamos resposta dentro do prazo legal determinado pela Lei n.º 42/2014, de 11 de julho que aprova o novo Código do Procedimento Administrativo a estas 20 perguntas:
31 de Agosto de 2016
REPAVIMENTAÇÃO E DESENHO DAS VIAS DO BAIRRO DO ARCO DO CEGO
7 de Setembro de 2016
PEDIDO DE REFORÇO DE POLICIAMENTO NA FREGUESIA DO AREEIRO (LISBOA) À 5ª DIVISÃO DA PSP DE LISBOA
9 de Setembro de 2016
PETIÇÃO POR UM REGULAMENTO MUNICIPAL DO GRAFITO – ASSINE E DIVULGUE, POR FAVOR!
17 de Setembro de 2016
SUBSTITUIÇÃO DE MONUMENTO A FRANCISCO SÁ CARNEIRO NA PRAÇA DE MESMO NOME
23 de Setembro de 2016
ONDE ESTÃO OS PINÁCULOS COM O ESCUDO DE LISBOA DAS DUAS TORRES DA PRAÇA DO AREEIRO?
28 de Setembro de 2016

QUESTÕES QUANTO AO ESTACIONAMENTO E CIRCULAÇÃO PEDONAL E DE VEÍCULOS NO BAIRRO DO ARCO DO CEGO

3 de Outubro de 2016

PEDIDO DE EXTENSÃO DE FECHO PARA ESTABELECIMENTO “OH PEREIRA” (R. ARCO DO CEGO): LIXO, RUÍDO E FALTA DE CIVISMO (ENVIADO À CML COM CC DA PM E DA JFA)

20 de Outubro de 2016

ESCULTURA ADULTERADA AO REMOVER GRAFITO

24 de Outubro de 2016

SACOS DE LIXO EM VÁRIOS ARRUAMENTOS DA FREGUESIA DO AREEIRO: PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO À POLÍCIA MUNICIPAL

26 de Outubro de 2016

FLORESTA DE PILARETES NO BAIRRO DO ARCO DO CEGO

4 de Novembro de 2016

FREIXOS NA PRAÇA DE LONDRES USADOS COMO APOIOS A DECORAÇÕES DE NATAL

4 de Novembro de 2016

EXISTE UM PLANO DE REPLANTAÇÃO DE ÁRVORES PARA O AREEIRO?

12 de Novembro de 2016

PARQUE DO VALE DA MONTANHA (QUESTÕES AO VEREADOR JOSÉ SÁ FERNANDES)

28 de Novembro de 2016

PEDIDO DE RECUPERAÇÃO DE ESTACIONAMENTOS NO BAIRRO DO ARCO DO CEGO

8 de Dezembro de 2016

PROPOSTA À CML DE REVISÃO DOS CONTRATOS COM A EMPARK

15 de Dezembro de 2016

SUGESTÃO À CML PARA SISTEMA DE RECOLHA DE RESÍDUOS URBANOS

23 de Dezembro de 2016

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO NO CRUZAMENTO ENTRE A PRAÇA DE LONDRES E A AVENIDA DE PARIS

28 de Dezembro de 2016

SUGESTÃO DE CAMPANHA DE DIVULGAÇÃO DO “RECOLHA A PEDIDO” DE RESÍDUOS “VOLUMOSOS” EM LOCAIS ESPECÍFICOS ONDE OCORREM SITUAÇÕES RECORRENTES DE “SACOS DE LIXO” EM CANDEEIROS, PORTAS E CALDEIRAS DE ÁRVORES

4 de Janeiro de 2017

LISBOA LIVRE DE BEATAS: SUGESTÕES

12 de Janeiro de 2017

TRANSFERÊNCIA DO TERMINAL DE VEÍCULOS PESADOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS SITUADO NA AVENIDA PADRE MANUEL DA NÓBREGA

 vizinhosareeiro

18 perguntas sem resposta da Junta de Freguesia do Areeiro

Aguardamos resposta dentro do prazo legal determinado pela Lei n.º 42/2014, de 11 de julho que aprova o novo Código do Procedimento Administrativo a estas 18 perguntas:vizinhosareeiro


8 de dezembro de 2016:

1. “Desde há algum tempo que a Praça Pasteur se tornou um foco infeccioso de lixo, copos de plástico e garrafas de cerveja: a fonte são as lojas “Late Night Shop” das redondezas, o destino a falta de civismo de alguns jovens e a solução pode passar pelo abate daquela sebe, frente à Av. de Paris que cria um recinto propício a estas actividades”
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1689416024704531/

12 de dezembro de 2016:

2. Poderiam remover os restos de bancos no Jardim da Praça de Londres: https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1691509974495136/

3. Parece que a CML tem um “projecto” de redisposição dos pilaretes na Vitor Hugo que atende ao nosso pedido https://vizinhosdoareeiro.wordpress.com/2016/12/05/reservas-de-estacionamento-na-rua-vitor-hugo-de-novo/

13 de dezembro de 2016:

4. Poderão responder a este pedido de um morador: https://www.facebook.com/groups/avenidaderoma/permalink/10154504092201130/ referente a um buraco na calçada que apareceu, perto da AML, há 2 dias?

21 de dezembro de 2016:

5. No vosso site listam a “Rua Alberto” como estando na freguesia. Ela está mesmo (Portugal Novo) mas a grafia correcta é Al-Berto.

22 de dezembro de 2016:

6. Por favor tomem em consideração este pedido (repintura da passadeira junto à Igreja São João de Deus): https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1696197634026370/

24 de dezembro de 2016:

7. Praça Afrânio Peixoto:
renovada recentemente pela Junta de Freguesia do Areeiro numa obra de grande qualidade encontramos aqui, contudo, (como na Pasteur) um bebedouro desactivado há longos meses… Para a da Pasteur há planos para a sua reactivação daqui a uns meses e para a Afrânio Peixoto? https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1696851860627614/

26 de dezembro de 2016:

8. Por favor, tomem em consideração este relato de uma moradora:
“Maria Cortez Caetano Mas há ruas que não varridas há duas semanas. A rua Cervantes e o logradouro, é uma delas….”
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1697504377229029/

27 de dezembro de 2016:

9. pedido de reposição de calçada junto à praça de táxis da Monteiro Torres:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1698303637149103/
(embora não tenha havido resposta da JFA, esta reposição foi feita em janeiro de 2017)

2 de janeiro de 2017:

10. pilarete derrubado na Monteiro Torres:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1700714453574688/

11. motocicletas em lugar de estacionamento na Domino’s Pizza da Afonso Costa:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1700546786924788/

3 de janeiro de 2017:

12. Esta situação (abatimento de piso em passadeira na Av de Paris) está – novamente – merecedora da vossa melhor atenção:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1701216623524471/
em particular a repintura da passadeira (que penso ser vossa competência)

5 de janeiro de 2017:

13. Jardim Fernando Pessa: bica (novamente) sem água…
(enviada à Junta de Freguesia do Areeiro) https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1701609130151887/
(sem resposta, mas reparado na segunda semana de janeiro)

14. Calçada com danos na Praça de Londres:
à vossa melhor atenção:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1702101510102649/

6 de janeiro de 2017:

15. (reservas de estacionamento junto ao Pavilhão do Casal Vistoso)
penso que seria importante responderem a esta moradora:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1702253773420756/
nada deixa mais frustrado um cidadão que a ausência de qualquer resposta por parte de uma entidade pública.

16. Rua Brito Aranha: https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1702266686752798/ pergunta-se “Era boa ideia perguntar à junta de quem foi a iniciativa, quais os objectivos e quais os planos a longo prazo para estas árvores.”
Poderão responder?

7 de janeiro de 2017:

17. Rua Desidério Beça (Bairro do Arco do Cego):
um segmento de calçada que está carente dos bons ofícios dos serviços da Junta de Freguesia do Areeiro…
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1703094120003388/

11 de janeiro de 2017:

18. As obras no Bairro do Arco do Cego terão sacrificado cerca de 50 lugares de estacionamento.
As exigências (justas) do Regimento de Sapadores Bombeiros deverão sacrificar – em breve – mais uma dúzia.
E a somar sobre isso tudo eis que as floreiras que estavam junto ao Filipa foram colocadas em lugares de estacionamento na Rua Cândido Guerreiro acabando com mais 6 lugares.
A Junta de Freguesia do Areeiro está a par desta alteração e aprovou a mesma?
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1704891143157019/

Transferência do terminal de veículos pesados de transporte de passageiros situado na Avenida Padre Manuel da Nóbrega [Actualizado]

screen-shot-01-12-17-at-01-16-pm
Os subscritores desta mensagem apelam à Câmara Municipal de Lisboa que equacione a transferência do terminal de veículos pesados de transporte de passageiros situado na Avenida Padre Manuel da Nóbrega.
Não faz sentido a existência de uma tal estrutura dentro de uma zona residencial, com rotas que atravessam ruas interiores (como a Vítor Hugo), tendo em conta o ruído que provocam, a degradação do piso e a poluição que trazem a esta comunidade.
Já existem em Lisboa três grande terminais de autocarros (Praça de Espanha, Campo Grande e Gare do Oriente). Tendo em conta que a maioria destas carreiras seguem pela Av. Calouste Gulbenkian, através de um percurso urbano denso (mais típico de uma Carris) até à Pc. Espanha/Sete Rios, zonas essas já servidas por metro e comboio respectivamente sugerimos a transferência para os terminais da Pc Espanha e Sete Rios. Contudo, as carreiras que seguem para norte, poderiam beneficiar de uma transferência para a Estação do Oriente

Sem mais e apelando à melhor compreensão da autarquia:

Subcrevem:
Rui Martins
Mira de Lacerda
Luisa Pico Costa
Ines Domingos
Cátia Mendes
Luis Seguro
José Vieira Mesquita
Qju Nunes
Vasco Ribeiro
Fernando Borges
Claudia Arriegas
Maria Lourdes Alves Gouveia
Rita Costa
Joao Paulo Trindade
Filipa Ramalho Rickens
Jorge Oliveira
Teresa Raposo
Manuela Melo
Maria Cortez Caetano
André Figueiredo
Almeida Serra
Filipa Antunes
Isabel Barreto
André Carvalho
Isabel O. Sousa
Laura Maia E Silva
Margarida Paiva
Fernando Mora de Oliveira
Ana Monteiro
Isabel Athayde E Mello
John Burney
José Pedro S. Carvalho
Anabela Lança
1 amigo em comum
Rahyara De Sousa
Rosa Branca Graça
Susana Beirão
Pedro Correia
Nuno Fox
Fernando Simoes
Maria Susana Beirão
Alexandre Cardoso
Maria Nicolau de Almeida
Marta Campos
Isabel Primoroso
Filipa Fernandes Figueiredo
Mary Millicent

Actualização de 15.02.2017:
“Encarrega-me o Senhor Vereador, Arq. Manuel Salgado de acusar a recepção do e-mail mencionado em epígrafe e informar que o assunto foi encaminhado para Direcção Municipal de Mobilidade e Transportes”

Actualização de 24.04.2017:
“Exmo. Senhores
Vizinhos dos Areeiros,
Na sequência do V. e-mail, sobre o assunto acima mencionado, informo que a Direção Municipal de Mobilidade e Transportes está a estudar a estratégia da rede de interfaces de Lisboa, no âmbito da reestruturação da rede de carreiras suburbanas da Área Metropolitana de Lisboa – AML, de acordo com a Lei nº 52/2015 de 9 de junho.
No âmbito destes estudos, que carecem de articulação entre a AML e os operadores, está a ser equacionada a possibilidade de desativação do terminal de Roma/Areeiro com a concentração destes terminais noutros interfaces de transportes públicos da cidade. Porém de momento, ainda não é possível uma decisão definitiva.
Agradecemos a exposição dos moradores sobre este assunto, que será tida em consideração e ponderada no decorrer do desenvolvimento deste trabalho.
Sem outro assunto de momento, apresento os meus melhores cumprimentos,
Manuel Salgado
Vereador”

Areeiro sem beatas: Sugestões à Junta de Freguesia do Areeiro

screen-shot-01-04-17-at-12-47-pm

Os subscritores desta sugestão à Junta de Freguesia e aos Comerciantes da freguesia do Areeiro propõem que:
1) Na medida do possível os espaços comerciais, empresas e entidades públicas com instalações na freguesia do Areeiro coloquem cinzeiros à porta das suas instalações e que
2) sensibilizem os seus frequentadores e colaboradores para os usarem e não deitarem beatas para o chão (o que, aliás, leva a multas em algumas autarquias, como Funchal e Oeiras)
3) Que a Junta distribua cinzeiros portáteis (seguindo o exemplo de Oeiras) numa campanha de sensibilização que alerte os fumadores para a necessidade de se habituarem a deitar as suas beatas para o lixo. Que a Junta siga o exemplo de Arroios e instale cinzeiros (mobiliário urbano) de grande capacidade nos jardins (espaços de encontro e convívio) da freguesia.
4) No termo desta campanha, a autarquia procure reforçar a fiscalização junto das autoridades competentes (CML e Polícia Municipal)

As ruas, espaços verdes e jardins do Areeiro não podem continuar a ser autênticos “cinzeiros urbanos”. O material do qual são compostos os filtros – à base de fibras de acetato de celulose – é considerado tóxico e um risco para o meio ambiente quando descartado e representa um pesado encargos para os serviços de limpeza.

Os subscritores requerem também à Câmara Municipal de Lisboa que trabalhe no sentido de desenvolver um dos vários sistemas de processamento e reciclagem destes filtros: http://ionline.sapo.pt/277492