Fissuras na Rua Sarmento Beires (junto à construção do novo Parque do Vale da Montanha) [Actualização]

Screen Shot 04-12-17 at 08.14 PM

“Nos últimos dias, o aterro sobre o qual está construída a Rua Sarmento Beires abriu algumas fendas no betuminoso.
Os movimentos de terra que, assim, se podem perceber, estão perto do talude das obras, mas não lhe são imediatamente adjacentes.
Pedimos que monitorizem a situação, com a urgência que puderem, dado que estas fendas podem indiciar que algo de novo e grave se está a começar a passar aqui nestes solos.
Este talude é muito alto, com mais de 15 metros, com uma inclinação que deverá rondar os 75 graus.”

Enviada ao Gabinete do Vereador Manuel Salgado a 12.04.2017

Actualização de 11.05.2017
Sobre estas fissuras para as quais os Vizinhos do Areeiro alertaram a CML (e que parecem ter-se agravado nos últimos dias) a Câmara Municipal de Lisboa já enviou um técnico inspeccionar o local que vai propor um conjunto de medidas à autarquia.

“Cancelado abate de 26 árvores no Areeiro, em Lisboa” (Jornal Público)

Screen Shot 04-11-17 at 09.59 PM

“A Câmara de Lisboa cancelou o abate de 26 árvores na Avenida Guerra Junqueiro e na Praça de Londres que estava previsto para os próximos dias. O vereador da Estrutura Verde reuniu-se esta terça-feira de manhã com os promotores de uma petição contra esses abates e garantiu que os mesmos não avançarão.
“Os serviços competentes da câmara vão fazer uma avaliação de risco e uma monitorização constante durante os próximos meses”, explica Rui Martins, dirigente do movimento “Vizinhos do Areeiro”, que lançou a petição on-line que reuniu perto de 1.200 assinaturas. “No Inverno vai fazer-se uma intervenção no arvoredo. É provável que muitas destas árvores sejam abatidas, mas isso depende da avaliação que será feita durante os próximos meses”, acrescenta.
Na segunda-feira, em declarações ao PÚBLICO, o vereador José Sá Fernandes já tinha dado a entender que o destino destas árvores poderia ser diferente do esperado. “Vai haver alguns abates, mas provavelmente não tantos como foram anunciados”, disse o responsável pela Estrutura Verde da capital.

As palavras de Sá Fernandes não passaram despercebidas a Cláudia Madeira, deputada de “Os Verdes” na Assembleia Municipal de Lisboa. “Esta história de marcar árvores para abate e depois o executivo decidir que afinal já não são todas para abater dá ideia de que a câmara não sabe o que anda a fazer”, disse.
Na resposta, o presidente da câmara assegurou que “não vai haver abates de árvores na Guerra Junqueiro” e pediu aos deputados que aprovem finalmente o Regulamento do Arvoredo, paralisado há quase ano e meio na assembleia municipal. Os presidentes de algumas juntas de freguesias estão contra este regulamento, uma vez que a gestão e manutenção dos espaços verdes é, desde 2013, competência de cada freguesia.
“Não será altura de devolver de vez a competência do arvoredo à câmara e acabar com estas questões e constantes atropelos ao arvoredo da cidade?”, questiona Rui Martins. O dirigente associativo diz que fez esta pergunta a Sá Fernandes. Recebeu como resposta o que o vereador já dissera ao PÚBLICO: “Espero que em breve haja notícias sobre isso”.”

Notas da reunião dos Vizinhos do Areeiro com o Vereador Sá Fernandes (Espaços Verdes)

Intervenção (por abate) de freixos na Praça de Londres e Avenida Guerra Junqueiro de Abril de 2017 (12)

Abate dos Freixos da Praça de Londres e Avenida Guerra Junqueiro:
1. O abate que estava previsto nos avisos afixados nas árvores (freixos) na passada sexta e removidos durante a noite de 11 JÁ NÃO VAI ACONTECER (como pedia a petição http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=abatefreixosguerraju)
2. Os Serviços competentes da CML vão fazer uma avaliação de risco e uma monitorização constante durante os próximos meses sobre a condição destas 26 árvores (Guerra Junqueiro e Praça de Londres)
3. A maior parte dos problemas que hoje se registam no arvoredo destas duas artérias do Areeiro resultam da intervenção de 2015, que fez crescer novas ramagens onde estas não deviam existir o que ameaçou a solidez estrutural de árvores que já tinham problemas
4. No Inverno vai fazer-se uma intervenção no arvoredo. É provavel que muitas destas árvores sejam abatidas (isso depende da avaliação que será feita durante os próximos meses)
5. Nenhuma das 26 árvores da Guerra Junqueiro ou da Praça de Londres apresentam um risco iminente de queda. Todas (com uma excepção na Praça de Londres) têm podridões diversas e ataque de besouros broca cinza-esmerald. As árvores de risco elevado de queda já foram abatidas em 2015.
6. A CML vai criar uma ficha online para cada uma destas 26 árvores que todos poderemos ir acompanhando. No Outono far-se-á outra avaliação.
7. Os freixos da Avenida de Paris também apresentam os mesmos problemas mas serão alvo de tratamento posterior.
8. Apresentámos as nossas reservas sobre a data da afixação (tarde de sexta e durante as férias da Páscoa).
9. Reiterámos que a altura de uma intervenção de poda não era adequada
10. As plantações de novas árvores (Ginko Biloba) vão prosseguir na Guerra Junqueiro, nomeadamente nas duas caldeiras vazias no começo da avenida. Esta plantação será feita muito em breve.
11. O cuidado (manutenção) deste arvoredo desta duas artérias será feito directamente pela CML (rega e podas) pelo menos durante esta fase de avaliação da intervenção.
Regulamento do Arvoredo:
1. Questionámos o vereador sobre a contradição: se a CML pode executar intervenções no arvoredo, mas as Juntas travaram o novo Regulamento do Arvoredo não será altura de devolver – de vez – a competência do arvoredo à CML e acabar com estas questões e constantes atropelos ao arvoredo da cidade? O vereador respondeu que em breve haveria novidades a respeito do regulamento.
Replantações no Areeiro:
1. Foram replantadas muitas árvores até março (compromisso assumido pela CML aos Vizinhos em Dezembro de 2016) mas não se terminou. O processo vai continuar durante os próximos meses, com várias espécies plantadas: Ginko Bilobas e Olaias, nomedamente.
Logradouro da EB Luis de Camões e Rua Vítor Hugo:
1. Estes são os dois locais com maior taxa de árvores mortas ou de caldeiras vazias. Confirmou que a CML já vistoriou a Vitor Hugo e que o Logradouro é competência da Junta, mas vai contactá-la no sentido de apurar em que pode ajudá-la nessa replantação.
Podas na freguesia:
1. Reiterámos o nosso protesto pela forma como têm sido feitas algumas podas na freguesia, nomeadamente na Brás Pacheco, no Autoparque Madrid e, claro, nos plátanos do INE (este último, contudo, não é competência da CML)
Parque do Vale da Montanha:
1. Foi dada resposta à nossa mensagem de 2016 informando que a obra estará pronta em finais (?) de Julho de 2017. A CML vai enviar o projecto. Esta obra foi atrasada por diversos obstáculos desde a existência de um plano de urbanização, à presença de um grande colector de esgotos (de traçado desconhecido e junto à linha da Refer). Terá uma escada de acesso à Sarmento Beires e ir-se-á trabalhando em vários caminhos neste parte que terá também uma praça.
Uso de árvores como apoio de decoração de Natal:
1. Em relação ao nosso protesto de Dezembro sobre o uso destes freixos (com mais de 60 anos) como apoios para decorações de Natal, informou o vereador que esta era uma competência da Junta mas que iria enviar uma recomendação à mesma para que se abstivesse deste tipo de uso nestas árvores (pelos riscos estruturais que apresenta).
Actualização
“Como irão funcionar as hortas urbanas no Parque Urbano da Quinta do Vale da Montanha e quando será inaugurado?”
Vizinho do Areeiro Jorge Oliveira
“Existe um Parque Casal Vistoso que parte da Rua Afonso Costa e que desce e que desce até outro parque que se chama Parque do Vale da Montanha: portanto: dois parques. O Parque do Vale da Montanha será inaugurado no próximo dia 21 de março, com plantação de árvores. (que abrange Areeiro e Marvila). Vai ter um parque infantil e um quiosque a funcionar.  O Parque Casal Vistoso que chega à ponte “Rock in Rio” (porque foi uma das contrapartidas) vai demorar mais tempo (…) 37:47. As hortas urbanas são atribuídas às pessoas que já lá estavam. Mas o Vale da Montanha, portanto o parque que está debaixo da ponte em que uma grande parte foi agora feito vai demorar mais tempo por causa do caminho e da iluminação pública (…) o Vale da Montanha é a segunda linha de água mais importante para a cidade (…) vem do aeroporto, passa pela Gago Coutinho e vira para o Vale da Montanha e vem até ao rio e portanto conseguimos salvar uma linha de água e não construir aqui. 38:30 Na próxima reunião de CML vamos levar a aquisição da parte que falta do Vale da Montanha e aí sim poderá haver uma parte com hortas (na parte já por baixo da linha do metro) e aí sim poderá haver talhões que se possam colocar a concurso público”
Vereador José Sá Fernandes

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

Contrato de Concessão da Piscina do Areeiro: Onde está e qual é o seu conteúdo? [Actualizado]

17759847_10155389563444050_3481305417012529704_n

Tendo em que a celebração de contratos de concessão pela autarquia depende da Assembleia Municipal e que esta detém “um importante papel de fiscalização do executivo municipal, podendo votar moções de censura, acompanhar e fiscalizar a actividade da câmara municipal e das empresas municipais” o Movimento de Cidadãos “Vizinhos do Areeiro” vem apelar à Exma. Sra. Presidente da AML que diligencie no sentido de que procure apurar: 1. Onde está o contrato de concessão da Piscina do Areeiro pela CML à empresa espanhola Sidecu?
Em 4 de Abril pedimos à CML acesso a este contrato que não consta em nenhum site da Câmara Municipal nem no Portal da Contratação Pública, nem nos sites da multinacional espanhola.
2. Tendo em conta que a concessão tem uma duração (extraordinária) de 35 anos e que a CML deve receber 3% dos lucros anuais a quanto ascenderam estas transferências desde que o contrato de PPP foi assinado em 10 de maio de 2012?
3. O contrato “garante a manutenção dos serviços de natureza pública que a CML presta à população” e contudo, e como referimos recentemente o concessionário de facto, em vez de “manutenção” criou uma grave “redução” dos serviços com situações frequente de “recusa” pura e simples ao impedir o acesso à piscina de forma discricionário, injustificada e sem que exista uma fiscalização adequada por parte da CML sobre a aplicação deste contrato (ver nossa publicação recente em https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1746137515699048/)
4. O Caderno de Encargos previa “a cedência de horas para o desenvolvimento de actividades relacionadas a programas desportivos municipais”. Não havendo dados públicos sobre esta utilização, nem no site do Supera nem na CML questionamos: esta cedência tem ocorrido? Com que frequência e recorrência? Porque não estão publicados estes dados e métricas?

Subscrevem:
Rui Martins
Antonieta Moëllon
João J Martins
Jorge Pedroso
Nuno Domingos
Raquel Leite
Duarte Amado
Manuela Melo
Maria Saraiva
Maria Julieta Mendes Martins
Belicha Geraldes
Isabel Tomas Rodrigo
Qju Nunes
Catarina Rebelo
Maria Da Graça Augusto
Maria Georgina Carreira Reis
Maria Concepcion
Leonilde Ferreira Viegas

 

Ofício da CML para o Supera de 11.05.2017:

Screen Shot 05-31-17 at 01.36 PM

Petição: “NÃO AO ABATE dos últimos freixos da Av. Guerra Junqueiro e Praça de Londres” [Respondido]

 

Assine e Partilhe! http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=abatefreixosguerraju

Fomos surpreendidos esta 6ª feira, dia 7 Abril de 2017, pela alarmante afixação nos troncos das árvores de avisos de “Intervenções no Arvoredo”, consistindo estes no abate de dezenas de freixos na Av. Guerra Junqueiro e na Praça de Londres, aqui plantados há cerca de 70 anos, recorde-se, em homenagem a Freixo-de-Espada-à-Cinta, terra natal de Guerra Junqueiro.

Trata-se de uma comunicação surpreendente, uma vez que as árvores agora marcadas para a morte se apresentam viçosas e pujantes de verde, como resultado de uma poda selvagem de que foram vítimas há 2 anos.

Face a esta surpreendente comunicação, os subscritores, moradores e comerciantes do Areeiro apresentam a seguinte petição:

1. A poda radical de 2015 deixou a Avenida Guerra Junqueiro completamente irreconhecível, tendo sido realizada numa altura errada do ano e o processo que conduziu a essa poda foi marcado pela falta de informação generalizada, pela ausência de discussão pública e por um comprovado despropósito (vejam-se as árvores agora exuberantes)

2. Volta, agora, a não existir qualquer audição, auscultação, apresentação ou explicação pública, técnica ou fitossanitária sobre a necessidade de novo abate

3. Mais uma vez volta a ser profundamente errada a época do ano escolhida para a operação

Pelo teor dos avisos afixados desconhece-se a proveniência da ordem de abate/poda, se da CML se da Junta pelo que os abaixo-assinados exigem que:
a. Esta operação de Poda/Abater seja imediatamente suspensa e arquivada
b. Que deixem estes freixos em PAZ

Se CONCORDA, assine e divulgue !
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=abatefreixosguerraju

Uma iniciativa:
Movimento Cívico “Vizinhos do Areeiro”
Associação de Comerciantes “Bairro em Movimento”

Fórum Cidadania Lx
Plataforma em Defesa das Árvores

 

Parcialmente resolvido a 11.04.2017:
https://vizinhosdoareeiro.wordpress.com/2017/04/11/notas-da-reuniao-dos-vizinhos-do-areeiro-com-o-vereador-sa-fernandes-espacos-verdes/

Actualização

“Sabemos que a maioria dos freixos da Guerra Junqueiro / Praça de Londres / Av de Paris estão atacados por um parasita pelo que o abate será, provavelmente, inevitável. A pergunta é: quando serão plantadas as árvores nestas caldeiras vazias? E qual o plano de substituição dos freixos doentes?”
Vizinho do Areeiro Jorge Oliveira 28:53
“As árvores da Guerra Junqueiro vão ser plantadas – ainda quero articular isto com o presidente da Junta de Freguesia – dia 17 de março às 09:30 (…) será colocado num dos sítios, provavelmente, um banco do Bordalo Pinheiro (que pode não ser já instalado)  e os cepos que ainda lá existem serão retirados quinta-feira. Havia algumas caldeiras perigosas na Rua do Arco do Cego e preferimos actuar aqui primeiro (as que não tinham lancis). Os freixos têm parasitas e vão ser abatidas não todas ao mesmo tempo mas de uma forma escalonada. Peço desculpa que o último abate não foi avisado com a antecedência que está prevista mas já articulei com o sr. Presidente da Junta que os dez dias serão estabelecidos”

Vereador José Sá Fernandes

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

 

Abate de Freixos na Avenida Guerra Junqueiro [Respondido]

(enviada à Junta de Freguesia do Areeiro):
Vai ser feito mais um arboricídio na Freguesia do Areeiro:
Como se pode ver em
A totalidade (?) dos 16 freixos com mais de 60 anos que sobreviveram ao grande massacre de meados de 2015:
vai ser agora abatida.
As razões não parecem plausíveis mas pedimos à Junta informações adicionais assim como a data prevista e a justificação para a razão pela qual se pede a dispensa dos prazos (que súbita urgência é esta?)
Por outro lado, qual é a participação da Junta de Freguesia do Areeiro neste processo que conduziu em 2015 dado que a manutenção do arvoredo é uma competência sua?

Várias Correcções no Bairro do Arco do Cego [Actualização]

No fim de semana de 8 de Abril decorreram várias obras no Bairro do Arco do Cego:
Estas intervenções respondem a vários pedidos feitos pelos Vizinhos do Areeiro e que passavam desde o excesso de pilaretes (agora a serem removidos da Fernando Pedroso e da Caetano Alberto, que vão desde
1) zonas de tomada e largadas de passageiros junto à escola:
2) remoção de parte desta absurda “floresta de pilaretes”:
3) reversão (parcial) dos sentidos de trânsito da Xavier Cordeiro:
4) e a falta de passadeiras e os pilaretes em curvas impossíveis:
Ao contrário do que pensam muitos (alguns deles eleitos na Câmara Municipal de Lisboa e na Junta de Freguesia do Areeiro) responder aos pedidos dos cidadãos, reconhecer que “não se acertou à primeira mas que se corrigiu” é sinal de maturidade política, política de proximidade e escuta activa e de Boa Governança.
Muito Bem: Câmara Municipal de Lisboa (sobretudo: já que estas obras são da sua iniciativa assim como estas correcções (ainda que saiba que a JFA tem aqui um papel pelo menos consultivo)
Actualização de 27.04.2017
A 17 de Abril de 2017 fizemos um pedido de sessão de esclarecimento sobre obras Arco do Cego e questionámos o que poderia a Junta fazer para que esta sessão se concretizasse
Resposta: “Informamos que foi solicitado por esta Junta de Freguesia uma reunião à CML para ouvir os moradores do Bairro do Arco Cego sobre as obras que lá decorrem. Julgo que esta reunião será efetivada na 1º quinzena de maio. E que daremos a devida publicação (por flyers e nos mupis da Junta)”
Em Assembleia de Freguesia de 27.04.2017 o Presidente da autarquia sublinhou o interesse da Junta nesta intervenção e a participação intensa que tem tido com a CML em todas as fases da obra. Acrescentou ainda que seriam instaladas em breve bocas de incêndio (que ainda não existem!) e que 7 ou 8 lugares de estacionamento serão removidos para garantir a passagem de veículos dos bombeiros. De igual forma garantiu que os lugares ocupados por floreiras serão repostos em breve (não é claro: se todos)”

Actualização de 16.01.2018
Informação da CML:
“A localização das floreiras no Bairro do Arco do Cego está a ser estudada em conjunto com a Junta de Freguesia e Regimento Sapadores Bombeiros.
Assim que este assunto se encontre resolvido enviaremos informação quanto à solução a implementar.”

O Supera (antiga Piscina do Areeiro) está a cumprir o contrato de concessão com a CML? [Em Resolução]

17759847_10155389563444050_3481305417012529704_n

Depois de décadas de serviço aos lisboetas, os subscritores desta mensagem à Câmara Municipal que a antiga “Piscina do Areeiro” hoje “Complexo Desportivo Supera” não esteja, mais, ao serviço dos cidadãos.
O empresa espanhola Supera explora a piscina em regime de concessão e entre as contrapartidas previstas por esse regime está a utilização da piscina pela população em geral.
O problema está em que o Supera não está a cumprir com o acordado. Há indícios e evidências diversas, reforçadas por vários cidadãos de que, sobretudo, aos domingos mas não só, a administração barra a entrada a não-sócios com a alegação de que estão com “excesso de utilizadores” ocorrendo isto em momentos onde, vários sócios no interior não confirmam a existência deste excesso de lotação.
Os subscritores desta mensagem apelam assim a que a CML exerça uma vigilância mais apertada sobre esta concessão e impeça a recorrência deste tipo de abusos, cancelando eventualmente o contrato de concessão ou multando a empresa espanhola pelos desvios aqui reportados.
Sem mais, e aguardando uma resposta dentro do prazo legal de 10 dias consagrado no Código do Processo Administrativo, 

 

Subscrevem:

Rui Martins
Luz Cano Pinto Santos
Belicha Geraldes
Leonilde Ferreira Viegas
Madalena Matambo Natividade
Anabela Nunes
Fernando Faria
Maria Saraiva
Elsa Felizardo
Catarina Rebelo
Luisa Pico Costa
Antonieta Moëllon
Luis Seguro
Joao Rodrigues
Marta Campos
Pedro Gomez
Mariana Tavares
José-António Rodrigues
Jacinto Manuel Apostolo
Isabel Freitas
Anibal Santos
Isabel Carmona
Cátia Mendes
Olga Lomba Correia Guedes
Tiago Santos
José Bação Leal
Maria Concepcion
Margarida Braz Pinto Coimbra
Andreia Graça
Nuno Dinis Cortiços
Ines Viegas
Zé Pedro Leitão
Clara Ribeiro
Miguel Peixoto
Paulo Torres
Patricia Curto de Sousa
Manuela Melo
Ana Bravo
Duarte Amado
Isabel Tomas Rodrigo
Dulce Rodrigues
Maria Graça
Erika Bayan
Celestina Costa
Teresa Maria Braga Abecasis
Elvina Maria Reis Rosa
Maria Georgina Carreira Reis
Jorge Pedroso
Rahyara De Sousa
Rodrigo Querido Miguel Lena
Susana Castelão
Isabel Athayde E Mello
John Burney
Sara Caetano Lopes Viegas
Jorge Martins
Catarina Gomes Teixeira
Alexandra Marina Mendes
Fernando Mora de Oliveira
Fanucha Almeida
Maria Anabela Melo Egídio
Cris Milagre
Margarida Amores Trindade
Andrea Guimarães
Andreia Enes Godinho
Mariahelena Caveiro
Ana Clarisse Ferreira
Pedro Hebil
Actualização de 30.12.2017:
Na falta de resposta enviada ao Presidente da CML
Actualização
“Piscinas da Supera: tem havido alguma confusão com o que oficialmente é dito a quem se desloca para fazer as utilizações livres aquela piscina e o que suspostamente devia acontecer. É dado um horário muito pequeno para entradas livres por motivos de “sobrelotação”. Em meu entender a análise da “sobrelotação” não deve ser feita rigidamente num horário definido mas num momento e dizer que se ela existe ou não”

Vizinho do Areeiro Rodolfo Franco
“Acho que tem toda a razão: uma coisa é a piscina identificar um preçário com um horário para uso ocasional e dizer “neste momento temos demasiadas pessoas e não pode utilizar”. Outra coisa é a formalização de um horário dentro do horário que existe para qualquer cidadão poder utilizar a piscina da forma pontual a piscina. Ainda hoje a directora municipal enviou a dizer que eles não estão autorizados a  fazer qualquer tipo de formalização de horários para além daquele que está na tabela de preços e que têm que cumprir integralmente. Se tiver informação do não cumprimento porque a taxa de ocupação não está preenchida e vedam-lhe a entrada por favor avise-nos que nós iremos todas as formas de penalização contratual que temos”

Duarte Cordeiro, Vice-Presidente da CML

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

A situação com a sinalização no Bairro do Arco do Cego ultrapassou o limite do aceitável

Screen Shot 04-03-17 at 09.47 PM

A situação com a sinalização no Bairro ultrapassou o limite do aceitável.

A súbita e precipitada retirada de sinalização vertical fez multiplicar os relatos de colisões quase frontais, situações de quase atropelamentos de moradores (por veículos que sobem o diminuto lancil do passeio) e de veículos que seguem em contra-mão e a velocidade muito superior aos 20 Km/h que se deviam aplicar a todo o Bairro.
Estas situações são provocadas pela falta de indicação de sentido de trânsito na Desidério Bessa, na Gomes Leal e, sobretudo, na Brás Pacheco.
Foi um erro terem realizado estas mudanças de sentido sem terem colocado, durante alguns dias, alguns polícias municipais no terreno (como pedimos).
Foi um erro ter removido sinalização vertical sem deixar nenhum sinal (sentido proibido ou permitido).
Foi um erro ter implementado estas alterações sem terem ouvido (CML e Junta) os moradores.
Foi um erro terem feito estas alterações sem aviso nem esclarecimentos aos moradores e frequentadores do Escola Secundária Filipa de Lencastre.
Foi um erro ter removido sinalização vertical sem deixarem nenhum sinal nos postes (de sentido proibido ou permitido):

https://vizinhosdoareeiro.wordpress.com/…/peticao-rua-xavi…/
https://vizinhosdoareeiro.wordpress.com/…/questoes-quanto-…/
https://vizinhosdoareeiro.wordpress.com/…/repavimentacao-e…/
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1743738585938941/?match=YnLDoXM%3D
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1739740436338756/?match=YnLDoXM%3D
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1727777390868394/?match=YnLDoXM%3D
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1718901178422682/?match=YnLDoXM%3D

Subscrevem:
Rui Martins
Sofia Pinheiro
Miguel Peixoto
José-António Rodrigues
Mira de Lacerda
Cristina Azambuja
Teresa Maria Braga Abecasis
Fernanda Cunha
Leonilde Ferreira Viegas
Susana Beirão
Pedro Gomez
Luis Seguro
Ines Viegas
Maria João Morgado
Laura Villaverde
Elisabete Carvalho
Margarida Braz Pinto Coimbra
Filipa Ramalho Rickens
Maria Georgina Carreira Reis
Elvina Maria Reis Rosa
Belicha Geraldes
Alexandre Ferreira Lima Bastos
Jorge Santos Silva
Anabela Nunes
Cátia Mendes
Ana Bravo
Renato Calado Rosa
Mafalda Costa Macedo
Andreia Enes Godinho
Sandra Luz
José Pedro S. Carvalho
Pedro Reis
Margarida Soares
Marta Campos
John Burney
Pedro Costa Pinto

(enviada à CML com conhecimento da Junta de Freguesia do Areeiro)

Resposta à Junta sobre plantação cidadã de árvores no Logradouro da EB Luís de Camões

A 10 de Março um grupo de voluntários dos “Vizinhos do Areeiro” disponibilizou-se para plantar algumas árvores no Logradouro que mais árvores mortas tem na freguesia: o Logradouro da EB Luís de Camões. A 31 de Março a Junta respondeu que “em relação ao assunto em epigrafe, encarrega-me o senhor Presidente da Junta de Freguesia do Areeiro de informar que essa zona não possui agua pelo que não parece viável esse tipo de actividades”. Foi assim, com alguma consternação que, a 28 de Março encontrámos na Página da Junta de Freguesia fotografias de uma plantação de árvores no mesmo local feita por escuteiros e com a presença e participação do próprio Presidente da autarquia (ver fotografias).
Começámos (antes de 28 de Março) por responder à recusa da autarquia com a contra-proposta: https://vizinhosdoareeiro.wordpress.com/2017/03/10/oferta-de-trabalho-voluntario-e-sugestao-para-logradouro-da-luis-de-camoes/ e, após terem sido publicadas as fotografias da plantação de árvores pelo Presidente de Junta neste mesmo local pedimos esclarecimentos sobre esta aparente contradição. A 31 de Março recebemos a seguinte resposta (que agradecemos):
“Em resposta ao seu email que mereceu a nossa devida atenção, por incumbência do Sr. Presidente da Junta Freguesia informamos que em principio damos o nosso acordo considerando o seguinte:
1º que no último ponto não existe rede publica no logradouro.
2º Que os interessados devem localizar em pormenor o espaço pretendido.”
Assim sendo, agradecemos a alteração em relação à primeira resposta inicial da Autarquia (uma flexibilidade que louvamos) e indicamos como “espaço pretendido” uma zona em triângulo, contígua à zona onde a Junta e os escuteiros realizaram as suas plantações e que constam das fotografias em anexo (já que aqui, aparentemente, existe água).
Subscrevem o pedido original:
Rui Martins
Belicha Geraldes
Clara Ribeiro
Isabel Simões
João J Martins
Jacinto Manuel Apostolo
Luis Seguro
Teresa Raposo
Anabela Nunes
Filipa Ramalho Rickens
Maria Georgina Carreira Reis
Cátia Mendes
Raquel Leite
Catarina Rebelo
Bea Maia
Luz Cano
Isabel Tomas Rodrigo
Pedro Pinto
Pedro Silva
Teresa Sarmento
José João Leiria-Ralha
Laura Villaverde
Filipe Palha
Clara Melo
John Burney
Elvina Maria Reis Rosa
Antonio Marta
Alexandre Ferreira Lima Bastos
Maria Anabela Melo Egídio
João Amores Trindade
Alexandre Montenegro