“‘Casas-banco’: o novo fenómeno que faz disparar (ainda mais) o preço da habitação” [TSF)

Habitação Revista de Imprensa

Associação de moradores do Areeiro explica fenómeno, também denunciado pela associação de inquilinos e pela deputada Helena Roseta.

Foto: Hugo Coelho

Depois do alojamento local, dos vistos gold e dos estrangeiros que vêm viver para Portugal à procura do sol ou de menos impostos, há um novo fenómeno a ajudar a disparar os preços das casas nas grandes cidades.

Uns chamam-lhe “casas-banco”, outros “casas-depósito”. Na verdade, tanto faz e explica-se facilmente: numa altura em que o mercado imobiliário não para de estar em alta e os juros dos depósitos estão em baixa pelo Mundo, em vez de colocar dinheiro no banco muitos investidores nacionais e sobretudo internacionais compram e preferem deixar as casas vazias à espera que alguém lhes compre por um preço bem superior àquilo que pagaram inicialmente.

Em compras e vendas sucessivas, são casas que funcionam como mealheiro e que mais vale ficarem vazias sem qualquer inquilino que baixaria o valor do imóvel, como explica Rui Pedro Martins, dinamizador do movimento Vizinhos do Areeiro, que fala num fenómeno recente no bairro e em evidente crescimento.

Nos últimos tempos o grupo tem recebido vários relatos de vizinhos que detetam casas que são compradas e vendidas várias vezes, em espaços de meses, por investidores estrangeiros, com valorizações brutais (dezenas ou mesmo centenas de milhares de euros) sem ninguém a viver lá dentro.

“São prédios uns atrás dos outros, todos fechados”

O fenómeno descrito não é nada estranho a Helena Roseta, a deputada independente eleita pelo PS que apresentou a proposta de nova lei de bases da habitação que está a ser discutida no Parlamento, nem a quem arrenda casa.

Ambos garantem que as “casas-banco” existem um pouco por toda a cidade de Lisboa, mas também no Porto ou até em Coimbra.

Romão Lavadinho, presidente da Associação Lisbonense de Inquilinos, conta que ainda há dias lhe contaram um caso de um prédio em Lisboa, comprado por um investidor, que em poucos meses foi vendido primeiro por 1,7 milhões de euros, depois por 2,1 milhões e, finalmente, por 2,7 milhões. Tudo em menos de um ano.

Quem sofre, diz a associação de inquilinos, é quem quer morar nestas cidades: tanta casa vazia, fechada, faz disparar ainda mais os preços da compra e do arrendamento, numa análise simples em que menos oferta no mercado gera, naturalmente, um aumento dos preços, num fenómeno facilmente explicado pela teoria económica.

Helena Roseta também não estranha os casos relatados pelos vizinhos do Areeiro e diz que são comuns a outras zonas de Lisboa e do Porto.

A deputada sublinha que “muitos destes investidores nem querem viver em Portugal, é só um investimento que pode ser alterado carregando algures no mundo num botão”. “Estamos a assistir a isso em várias zonas”, constata Helena Roseta, acrescentando que ainda há dias passava na Rua Braancamp, quem vem do Rato para o Marquês de Pombal, e são prédios uns atrás dos outros, todos fechados. “E estamos a falar do centro da cidade…”.”

https://www.tsf.pt/economia/interior/casas-banco-o-novo-fenomeno-que-faz-disparar-mais-o-preco-da-habitacao-9567152.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *