Pedido de Correcção de Passadeira na Av Gago Coutinho (junto à Pç Francisco Sá Carneiro (38.7426690, -9.1329230)


Screen Shot 12-03-17 at 11.47 AM

Enviada à CML:
“Quanto a esta situação (reportada por moradores):
Poderiam corrigir  face ao exposto no Plano de Acessibilidade da Cidade de Lisboa, vol 2, pág. 172?
A guia orienta os invisuais para fora da passadeira do outro lado do atravessamento.
Obrigado”

Abaixo-assinado de moradores sobre “Jardim dos Cavaleiros” (Anfiteatro Exterior da sede da CGD) [Em Resolução]

A entregar a:

Assembleia Municipal de Lisboa
Polícia Municipal de Lisboa
Oh Pereira e Bomba da Galp
IST e Filipa de Lencastre (Conselhos Directivos)
Administração da CGD

Os abaixo-assinados pedem:

  1. aos estabelecimentos “Oh Pereira” e “Bomba da Galp” da Rua do Arco do Cego que:
    1. mantenham no seu exterior, durante o horário de funcionamento, contentores que ao fecho, recolhem novamente, devendo zelar pela limpeza exterior também durante o período normal de laboração
    2. colaborem na recolha de copos de plástico (Oh Pereira) e de garrafas de cerveja (Galp) no Jardim em frente
    3. coloquem junto ao balcão e à saída/entrada apelos a comportamentos cívicos por parte dos seus clientes
    4. que, por cada 10 copos de plástico devolvidos ao balcão, com um cartão de cliente (ou similar) emitam um carimbo que, ao fim de dez carimbos, valha por uma cerveja gratuita
  2. à Câmara Municipal / Assembleia Municipal que avalie a proibição da venda de álcool para o exterior a partir de determinada hora nestes dois estabelecimentos (à semelhança do que se fez junto ao Jardim do Arco do Cego) e que avalie a instalação, neste local, de videovigilância. Assim como que reavalie o espaço frente ao Oh Pereira por forma a não convidar à concentração de pessoas em consumo de álcool neste local (instalando, eventualmente, um espaço verde)
  3. à Polícia Municipal e à PSP que realize rondas frequentes nesta zona por forma a dissuadir e impedir as concentrações/corridas e exibições de acrobacias de moto que se realizam aqui regularmente.
  4. à Administração da CGD que limpe, frequentemente, a urina putrefacta que se acumula nas escadarias do Anfiteatro, que realize com a sua segurança rondas neste local que impeçam estes comportamentos e atitudes e eventualmente avaliando outras medidas mais estruturais de impedimento de acesso a determinadas zonas do Jardim e/ou anfiteatro e escadas
  5. à Junta de Freguesia do Areeiro que coloque apelos ao respeito pelo ambiente e pela comunidade na zona que circunda o “Jardim dos Cavaleiros” e que proceda à limpeza regular na zona do jardim e no Bairro do Arco do Cego da acumulação de urina e outros dejectos humanos.

 

Nome Completo BI ou CC Assinatura

 Uma petição dos Vizinhos das Avenidas Novas e dos Vizinhos do Areeiro
 vizinhos.das.avenidas.novas@gmail.com https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.das.Avenidas.Novas/
 vizinhos.do.areeiro@movv.org https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/
Resposta da CGD de 22.12.2017:
“No seguimento do seu contacto, sobre o tema em assunto, ao qual dedicámos a nossa melhor atenção, somos a prestar os esclarecimentos que se seguem.
Começamos por apresentar as nossas desculpas pela demora verificada; a situação reportada impôs a consulta de outras áreas da Caixa, no sentido de ser clarificado o exposto.
É nosso propósito que o espaço em causa mantenha o princípio da sua génese, tal como inscrição ali colocada, em 1995: “Este jardim com auditório de ar livre, construído em terreno propriedade da Caixa Geral de Depósitos e inicialmente destinado a uma ala do seu Edifício – Sede, é colocado ao serviço da cidade para aqui se abrir mais um espaço de cultura e lazer”.
Damos nota de que, não obstante as circunstâncias de que nos dá nota, a Caixa está atenta à situação e a zelar pela manutenção daquele espaço, intervindo nas instalações eletromecânicas, na limpeza e na manutenção do jardim.
Lamentando o sucedido quando ali deslocou, informamos que a Caixa continuará a desencadear as iniciativas que lhe cabem e estejam ao seu alcance, com vista a assegurar a qualificação do espaço em apreço.
Apresentamos os nossos melhores cumprimentos,
Direção de Organização e Qualidade
 Ana Águas
(Diretora Adjunta)

Actualização de 28.12.2017
1. A CGD está a limpar com maior frequência o jardim
2. o Oh Pereira vai fechar às 23:00
3. o abaixo-assinado baixou a uma comissão da Assembleia Municipal de Lisboa:
http://www.am-lisboa.pt/401500/1/008489,000383/index.htm

Nota:
Esta foi uma iniciativa conjunta dos
https://www.facebook.com/groups/vizinhos.das.avenidas.novas/
e dos
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/

Sugestões sobre Obras na Avenida Padre Manuel da Nóbrega [Parcialmente Respondido]

screen-shot-01-12-17-at-01-16-pm

Enviada à CML:
“Após recolhermos informações de vários moradores eis os pendentes que reúnem maior consenso das Obras na Av Padre Manuel da Nóbrega:
1. Lomba levantada com reforço e marcadores luminosos na passadeira da escola
2. Estacionamentos de grandes camionetas nos lugares de passagem (devia ser apenas local de paragem): Já reportado à CML em 2016. Estes estacionamentos ocorrem, muitas vezes quando existe a faixa adjacente e à direita da faixa BUS, que lhes está destinada, vazia.
3. Reforço de iluminação (candeeiros) junto à passadeira que serve a escola Luís de Camões
4. Reposição da Praça de Táxis no lugar original por forma a facilitar o acesso aos utentes com dificuldades de mobilidade”
Já pedido:
1. Arranjo superior junto à Praça: Já agendada para dezembro via Metropolitano
2. Base de cimento do quiosque que estava junto da Pastelaria Cinderela: Já agendada para dezembro via Metropolitano
3. Limpeza dos cais do Metro: Já pedida à Junta (e ao Metro, via CML)
4. A passadeira de entrada na Manuel da Nóbrega também precisa de ser pintada: Já agendada para dezembro via Metropolitano
Resposta da CML de 15.11.2017
“O 1 e 2 estão já em análise na DMMT, a quem dou CC.
Assim que definida a solução de 1, a UITC poderá executar.
A 4 só deverá ser revista após conclusão obras do metro.
A 3, encaminho, pelo presente, à Sra Chefe Divisão de Iluminação pública, Arqta Paula Mâncio, solicitando a devida análise, pedindo ao Eng Rui Simão o competente apoio e acompanhamento.”

Petição Pela MUNICIPALIZAÇÃO do Bairro Portugal Novo [Entregue à Assembleia Municipal de Lisboa]

87356_1

No Programa de Governação para a Cidade do actual mandato da Câmara Municipal consta a medida: “Intervir, no que toca à reabilitação sistemática, em áreas específicas da cidade que, por razões sociais, de degeneração do edificado, de isolamento, da falta de infraestruturas, ou ambientais, constituam zonas urbanas isoladas ou segregadas, à margem do resto da cidade, nomeadamente: (…) o Bairro Portugal Novo na freguesia do Areeiro”.

Assim sendo os subscritores desta Petição apelam

à Assembleia Municipal que recomende à Câmara Municipal que:
1. pressione o Governo por forma a que este encontre uma solução definitiva para a situação patrimonial do Bairro Portugal Novo, nomeadamente pela transferência da propriedade para o município
2. faça um cadastro por forma a saber quem são os habitantes de cada fracção do Bairro
3. Que inste a CML a começar, tão cedo quanto o possível, obras de recuperação do Bairro

à Assembleia da República que:
1. recomende ao Governo que atenda ao pedido da Câmara Municipal com a maior rapidez possível por forma a pôr termo às ocupações
2. através do Ministério da Administração Interna recomende à PSP que dote a sua esquadra das Olaias dos meios para que seja possível acabar com as ocupações de fracções
3. crie as condições para que outros bairros nas mesmas condições do Bairro Portugal Novo (antigas cooperativas de habitação que falidas (ex-SAAL)) sejam também municipalizados

Contexto:
Construído na década de 70 por uma cooperativa de habitação (ex-SAAL ou “Serviço Ambulatório de Apoio Local”), entretanto falida, este bairro situa-se perto da Rotunda das Olaias e está hoje numa situação confusa no que respeita à propriedade das habitações apresentando hoje um elevado grau de degradação e abandono. Ocupações de casas, arrombamentos seguidos de ocupação de casas de idosos recentemente falecidos, vendas e alugueres ilegais e até empréstimos com agiotagem são hoje comuns. Urge regularizar e municipalizar o Bairro por forma a terminar com estas situações e estabilizar e dar qualidade de vida a todos os moradores.
Os peticionários pedem, assim ao Governo (Secretaria de Estado da Habitação e ao IHRU – Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana), a rápida municipalização do Bairro por forma a que se clarifiquem todas estas situações.

Assine e Partilhe:
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PortugalNovo

Actualização de 20.12.2017:
Entregue à Assembleia Municipal de Lisboa

Actualização de 29.12.2017:
A petição “Pela Municipalização do Bairro Portugal Novo”
Foi aceite pela Assembleia Municipal de Lisboa e remetida à 5ª Comissão Permanente – Comissão de Habitação, Bairros Municipais e Desenvolvimento Local” para apreciação e elaboração de relatório.

Obrigado a todos os assinaram e divulgaram esta petição!
(uma iniciativa que resultou de vários pedidos de moradores deste bairro do #Areeiro)

Actualização

“em que estado está a municipalização do Bairro Portugal Novo? 52:16. É um problema muito complexo e que se arrasta já há muito tempo. Juridicamente é, basicamente, um pântano. A nossa iniciativa foi desencadeada por notícias recentes de ocupações de casas (…) ocupações de casas já ocorrem naquele bairro desde a década de 80. Recordo também que o tiroteio de 2009 resultou de uma ocupação. Recordo ainda que a dívida que existia ao INH em 2005 era de 6 milhões e hoje em dia será de 26 milhões. Se não se resolver isto a dívida nunca parará de aumentar. Sendo do interesse de todos que isto se resolva rapidamente. As pessoas também ficaram desiludidas com o facto de aquilo que se tentou fazer em 2005 não ter funcionado. Sei que agora isto está na agenda da CML e que faz parte do programa de Governo para a cidade. Seria interessante se finalmente se resolvesse um problema que já tantos e tantos anos e que afecta tanta gente morando ali alguns milhares de pessoas. Os números são incertos porque não sequer um reconhecimento de quem mora e onde.

Vizinho do Areeiro Rui Martins
“O Portugal Novo começaria por clarificar que o Bairro um proceso SAAL de finais dos anos tem 70 tem um rosto e uma responsabilidade do ponto de vista da gestão, quer da dívida contraída pela cooperativa ao longo dos anos que é a administração central (…) bem como o estado de “não intervenção” tem esse rosto: governos sucessivos bem como outras entidades que têm responsabilidades nesta matéria (…) a CML está preocupada com a situação de degradação e degradante em que aquela população está sejam os cooperantes, sejam as pessoas que ao longo dos anos vieram a habitar o bairro e está totalmente disponível para, com a administração central, uma solução para as condições de habitabilidade daquele bairro (…) a CML encetou já conversações com a actual Secretaria de Estado da Habitação no sentido de encontrar em conjunto uma solução para aquela população com a assunção da responsabilidade, que há, da Administração Central neste processo ao longo destes, quase, 40 anos.”

Vereadora Paula Marques
Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

Os Vizinhos do Areeiro e a Revisão da Carta Educativa de Lisboa

85538_1

Os Vizinhos do Areeiro, juntamente com os Vizinhos das Avenidas Novas, os Vizinhos do Bairro de São Miguel e os Vizinhos de Arroios estiveram numa reunião com académicos do ISCTE e técnicos da CML sobre a revisão da Carta Educativa de Lisboa.
Está a mexer… e isto acontece, muito, por causa da pressão dos moradores e da petição que, há meses, aqui lançámos:
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=FilipaParaTODOS
(de novo, se comprova a teoria: quando insistimos e persistimos, com tino e medida: conseguimos)
(a Carta não era revista há mais de 10 anos!)

Resumo da Joana Taborda Amores (primeira peticionária)

Boa noite, vizinhos! Dando continuidade ao post do Rui, venho então dar-vos a conhecer alguns dos tópicos abordados hoje pelos Vizinhos do Areeiro, em conjunto com os Vizinhos das Avenidas Novas, os Vizinhos do Bairro de São Miguel e os Vizinhos de Arroios, numa reunião com académicos do ISCTE e técnicos da CML no âmbito da revisão da Carta Educativa de Lisboa. Foi-nos perguntado quais eram os problemas com que nos deparávamos e quais eram as nossas propostas de solução. Tendo em conta as questões por nós expostas e tendo como objectivo final devolver as escolas da nossa zona à população residente, a revisão da carta vai estudar novo critério para cálculo da proximidade à escola (foram ouvidas várias sugestões) e ainda sugerir que os encarregados de educação sejam verificados pelas moradas fiscais dos alunos (para combater a fraude). Isto para que ajudemos a minorar os problemas que nos afectam: acesso equitativo à educação; equipamentos desadequados à população; constrangimentos na mobilidade e uma consequente desagregação do sentido comunitário, que tão bem tentamos preservar neste bairro.

A petição O Filipa é de Todos, que nasceu aqui, nos Vizinhos do Areeiro, e da qual sou a primeira peticionária, bateu-se, desde o primeiro instante, pela revisão da Carta Educativa, que tinha roubado equipamentos à nossa freguesia, não nos dando alternativas que não o ensino privado.

Por uma cidade melhor, por uma cidade com mais futuro, para podermos formar lisboetas conscientes, que aqui queiram criar raízes, vamos continuar a lutar, à nossa maneira, com cidadania, participação cívica e com correcção. Obrigada pelo apoio dado até agora. Vamos ter mais reuniões e, portanto, teremos mais notícias.”

Pedido de intervenção no sector superior da Fonte Luminosa (Alameda Afonso Henriques) [Em Resolução]

Screen Shot 10-23-17 at 08.10 PM

A situação a que chegou o sector superior (junto à Fonte Luminosa) da Alameda Afonso Henriques exige das autoridades públicas (município e juntas) uma acção rápida e decisiva.
É preciso renovar o lago (coberto de grafitos, com partes em falta e sem água há muitos anos), limpar sistematicamente e regularmente toda a zona de grafitos e tags, replantar as árvores em falta e reforçar o patrulhamento nocturno que dissuada os comportamentos desviantes que aqui, frequentemente, são observados e recuperar todas as estruturas (muro) que estão danificadas há muitos meses.
Convidamos igualmente as autarquias a avaliarem a instalação de um pequeno quiosque ou zona de restauração e comércio que, sem desvirtuar o espaço, traga alguma vida e animação ao local e facilite a sua redinamização (ver os bons exemplos do Bananacafé e da esplanada do Fernando Pessa).
É muito importante, também, que existam aqui mais papeleiras e específicos para recolha de dejectos de animais.
Convidamos também as autarquias locais a realizarem aqui, também, alguns eventos públicos (sem os habituais excessos de ruído) que reavivem este espaço.
Os subscritores desta mensagem apela assim à CML e à Junta de Freguesia do Areeiro (que tem a responsabilidade pela manutenção dos espaços verdes da Alameda) para encetem rapidamente um processo de recuperação deste património que está abandonado há demasiados anos.

Subscrevem
67 moradores
Actualização de Dezembro de 2017:
Em breve será reaberto um concurso público para a concessão de um quiosque. Esta concessão será parte de uma solução mais abrangente para esta zona da Alameda.Actualização de 16.01.2018:

A 23 de Outubro enviámos este pedido à CML
http://vizinhosdoareeiro.org/?p=2150
sendo esta, provavelmente, a situação mais flagrante de degradação do espaço público no Areeiro (bem conservado, com as excepções do Bairro Portugal Novo e da GNR mas para os quais temos já acções em curso) poderia ver em que estado está este pedido na CML?
Resposta da CML:
“Estamos a trabalhar na reabilitação do lago, conforme programação em anexo, prevendo-se a sua conclusão até Outubro do presente ano”

Actualização

“A parte superior da Fonte Luminosa está abandonada há muitos anos. Há tags, muros partidos, o lago está degradado. (…) há problemas de segurança durante a noite e a PSP passa por lá frequentemente. Como estão os planos sobre a recuperação da parte superior da fonte?”

Vizinho do Areeiro Rui Martins
Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

“O jardim da Alameda está atribuído à Junta de Freguesia. Acho que merecia algum melhoramento e estamos a tentar trabalhar num projecto de recuperação mas a manutenção é da Junta de Freguesia: estou a dizer o jardim por cima da Alameda Afonso Henriques (…) falámos com a Junta sobre isso para tentar recuperar o tanque e a pérola que existe por cima da Alameda”

Vereador José Sá Fernandes

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

Sugestões de Melhoria para o Site da Junta de Freguesia do Areeiro [respondido]

Screen Shot 10-23-17 at 12.33 PM.PNG

Texto Colaborativo feito e validado por vários “Vizinhos do Areeiro”:

  • Ínicio:
    1. Há perda de espaço pela reserva de perto de metade do écran com a passagem, em carrossel, de fotografias do Areeiro (algumas, como a da Alameda, consomem metade da área com Arroios…)
    2. Em especial destaque deviam estar, logo, os editais informando da próxima Assembleia de Freguesia e as reuniões abertas do Executivo
    3. Um mapa da freguesia devia aparecer, em destaque, nesta página
    4. Além da Lista de Farmácias de Serviço também devia constar a lista, com contactos, das esquadras que servem a freguesia, com indicação da área respectiva
    5. A Lista de Farmácias de Serviço devia incluir, apenas, as que estão nas imediações da freguesia não a de toda a Lisboa (como sucede)
  • Areeiro:
    1. O sistema de menus e submenus é ineficiente. Se o rato se desviar ao navegar até uma opção do submenu este muda imediatamente tornando a navegação muito difícil
    2. História:
      1. Não faz sentido a divisão de texto com descrições históricas entre as duas freguesias. A freguesia agora é única e esta divisão (que surge em mais locais do site) não contribui para criar um espírito, único, de comunidade.
      2. Falta aqui, claramente, material: Sugere-se um projecto de investigação histórica das raízes da freguesia que seja, eventualmente, publicado em livro e que alimente, nesta página, estes conteúdos.
    3. População:
      1. Erro em “A Freguesia acompanha a tendência nacional e apresenta um Índice de Envelhecimento de 208,1 por cento” From <http://www.jf-areeiro.pt/pt/populacao>
      2. Os dados de população são também muito escassos. Falta profundidade e análise.
    4. Equipamentos:
      1. Postos Clínicos: faltam opções de marcações por email e com indicação prévia da especialidade a marcar
      2. Casa da Cultura e Juventude: Erro “A Casa da Cultura e da Juventude é espaço multiúsos” From <http://www.jf-areeiro.pt/pt/casa-da-cultura-e-da-juventude> Sendo que a lista de actividades, formas de inscrição e custos está aqui omissa ou desorganizada. Não é, também, clara, qual é a actividade do “Núcleo da Proteção Civil da Freguesia do Areeiro” que, alegadamente, aqui funciona.
      3. Centro Intergeracional do Areeiro: A lista de actividades com horários devia ser apresentada, para maior legibilidade, directamente na página principal e não no fundo da mesma. Não é claro se a “biblioteca” está aberta ao público nem qual é o seu acervo. Não existe, aqui, opção para inscrição por mail.
      4. Centro de Dia: A lista de serviços é muito lacónica nem se existe um captação proactiva de interessados
      5. Universidade Sénior: Havendo lugar ao pagamento de propinas e funcionando em instalações da Junta não é claro o que financiam estas propinas. Não existe a opção de inscrição por mail nem qual é a carga horária de cada freguesia.
      6. Postos de Limpeza: aparece apenas “Conteúdo a colocar…”: Isto nunca se faz (quando não há conteúdo simplesmente não há página) e se faz nunca por tanto (o site tem já mais de 3 anos)
      7. Parque de Estacionamento: Não se indica claramente o local da rua onde está o parque (a zona: Bairro dos Actores), se ainda tem lugares disponíveis (e quantos) nem se apresentam fotos do local
    5. Transportes
      1. Não se indicam os locais das estações do Metro, nem o Areeiro Porta a Porta (nem como funciona e onde passa), nem os locais das paragens das carreiras da Carris
    6. Arruamentos
      1. As ruas estão divididas, quatro anos depois da junção, pelas freguesias do Alto do Pina e de São João de Deus
      2. Faltam as ruas do Bairro do Arco do Cego (!)
      3. Este era o local ideal para estar um mapa do Areeiro: não está
    7. Galeria de Imagens
      1. Poderia ter mais fotografias (existem muitas mais no Arquivo de Lisboa) e fotografias enviadas por moradores
      2. Ainda se fala do “Antigo Alto do Pina” e não há fotografias da outra antiga freguesia agregada. De novo, aqui, observa-se a separação das freguesias que agora são uma só.
  • Junta de Freguesia:
    1. Mensagem do Presidente
      1. O texto é datado, aparentemente de 2014
    2. Executivo
      1. Não existem os contactos directos dos eleitos (como sucede noutras juntas de Lisboa) nem os currículos, experiência e competências dos mesmos (nem em que lista foram eleitos)
    3. Competências
      1. Aparece aqui um rol descritivo e jurídico das competências quando o texto devia ser mais legível e acessível
    4. Assembleia
      1. Composição
        1. Não existem os contactos directos dos diversos eleitos das diversas forças políticas da AF
      2. Competências
        1. Não está aqui o regulamento de funcionamento da AF
      3. Atas
        1. As atas aqui publicadas têm – geralmente – uma grande deslocação de tempo e não há registos audio ou video
    5. Editais
      1. Sendo esta a informação mais importante do site da JFA não se compreende como aparece num submenu secundário
      2. Não se compreende porque não estão aqui publicados, em texto, os conteúdos dos editais que estão apenas linkados para ficheiros PDF o que dificulta o seu acesso
      3. Os editais de 2015 não têm já qualquer utilidade e limitam-se a desfocar do material mais importante
    6. Preçário
      1. Transparência: poderia estar aqui quanto ganha a Junta, por ano, com estas taxas e os regulamentos que se lhes aplicam
      2. A informação das licenças de canídeos não está adequada (as adopções em canis municipais a 0 euros não estão em destaque e mal se percebe que existem)
      3. O uso de cor azul clara com letras brancas torna e legibilidade das tabelas muito má
    7. Procedimentos Concursais
      1. Não é claro se há algum aberto
    8. Documentos
      1. Regulamentos
        1. Existem aqui, apenas, links para documentos externos. Deveria estar aqui, também os conteúdos dos mesmos (legibilidade)
      2. Guia de Recursos da Freguesia
        1. A lista de entidades deveria aparecer aqui em vez de estar embebida num site externo
        2. As lista de apoios e o seu valor deveria estar aqui assim como a justificação e realização dos encargos das entidades apoiadas
      3. Protocolos
        1. Não se encontra a lista de Protocolos (apenas aparece o do Logradouro da Pç Pasteur) neste link (só existe UM?…)
      4. Relatórios
        1. Embora sejam de suprema importância para a transparência da administração autárquica e para o bom e correcto acompanhamento pelos cidadãos das actividades do Executivo a Conta de Gerência, o Relatório de Gestão, O Plano e Orçamento, as suas Opções estão imersas num submenu e em links externos.
        2. Deveria ser disponibilizado um relatório trimestral de execução do Orçamento anual, com todos os contratos (e seu regime: contratação pública ou ajustes directos) assinados e execução das diversas alíneas do orçamento YTD.
        3. A informação técnica não tem um glossário que facilite a sua leitura a leigos e não-especialistas (transparência) e alguns dos documentos não estão indexados por texto para facilitarem as buscas no seu interior.
        4. Há aqui, informação obsoleta (2015) que poderia estar em sublinks históricos
  • Atividades
    1. Comunicação
      1. App AreeiroMais: sendo o veículo e ferramenta mais importante da autarquia aparece num link muito secundário e sem explicação directa do seu uso nem com relatórios agregados de pedidos executados. Erro “vai disponibilizar” (já disponibilizou há muitos meses!). Não aparece aqui um guia de uso nem as vantagens de uso da mesma nem do “Espaço Residente”
    2. Apoia Areeiro
      1. Olá Bom Dia: os contactos não aparecem, directamente, aqui, nem a quantidade total de utentes assim apoiados (estatística): transparência
      2. Atendimento Social: Os contactos directos das duas assistentes (mails) não são disponibilizados, nem o regulamento (noutro link) nem relatórios de actividade, nem o tipo de serviços prestados
      3. Centro de Desenvolvimento Comunitário: Não é indicado o contacto direto. Surgem fotografias de crianças (ver recomendação da CNPD sobre o seu uso). Não se publica o mapa do local onde funciona o Areeiro Por Ti nem o seu horário de funcionamento (e em que dias funciona)
      4. Ferro de Soldar: não é claro quem e em que condições se acede a este programa da autarquia nem qual é, hoje, a sua amplitude e alcance (quantidade de fregueses cobertos)
      5. Apoio Alimentar: Não se indica como se acede a este apoio (regulamento) nem a evolução de oferta do mesmo
      6. Cartão de Medicamentos: Um dos serviços mais importantes está imerso num submenu (como aliás todos os outros serviços sociais) e não se detalha as regras de acesso. Menciona-se um protocolo mas este não surge no link de “Protocolos” (logo: há mesmo mais do que um). Não se indica qual é o limite de rendimentos a partir do qual existe o acesso a este cartão.
      7. Atividades Séniores: Faltam os regulamentos de acesso. Quantos utentes usufrem, qual a sua recorrência (se são sempre os mesmos), quem os selecciona ou como são rateados (especialmente quanto aos passeios) e se os Eleitos também beneficiam destes programas
      8. Areeiro em Férias: Não estão aqui os regulamentos de acesso nem quantas crianças e jovens beneficiam dos mesmos e com que recorrência e que critérios de selecção
      9. Consultas Jurídicas: Não surge o horário (apenas  “quinzenalmente”) nem como se fazem as marcações. O regulamento de acesso é lacónico (falta o link) e o texto do protocolo com a OA também não aparece em “Protocolos”
      10. Gabinete de Inserção Profissional: As fontes usadas (como no resto do site) não são as mais legíveis. As regras de acesso aparecem apenas em links externos e não surgem relatórios de utilização (transparência)
      11. Areeiro Porta a Porta: Embora apareça um mapa não é indicado o percurso seguido pelo veículo. Faltam as métricas de utilização nem quantos veículos existem (dois?) nem as regras de acesso e utilização
    3. Saúde
      1. Posto Clínico Óscar Monteiro Torres: Falta o contacto por mail
      2. Posto Clínico Rua Abade Faria: idem
      3. Medicinas Alternativas: dado que não têm base clínica e científica é duvidoso que se devam consumir recursos públicos nas mesmas e publicitá-las (credibilizando-as) no site da Autarquia.
      4. Acordos: há aqui, manifestamente, vários protocolos com entidades que não estão, também, no link de Protocolos nem neste link (transparência)
    4. Educareeiro
      1. Universidade Sénior: ver acima
      2. Aulas de Pintura: Falta link de inscrição e condições de acesso
      3. Aulas de Cerâmica: idem
      4. Aulas de Informática: idem
    5. Espaço Público
      1. Não está aqui uma ligação directa para o site o AreeiroMais nem quantidades ou métricas destes serviços (anuais)
      2. O link para as competências da Junta devia estar, também, aqui
    6. Higiene Urbana
      1. Não é um contacto de mail ou para a aplicação AreeiroMais
    7. MovimentarAreeiro
      1. Escolinha de Futebol: não está aqui o regulamento de acesso nem as métricas agregadas de utilização, nem os custos ou a quantidade de monitores associados ao mesmo
      2. Clubes: nem todos têm email. Nenhum tem site. Nenhum tem a lista de acordos ou protocolos estabelecidos com a JFA, verbas recebidas e relatórios de execução das mesmas.
      3. Hidroginástica: apenas um flyer. Sem contactos e detalhes do programa
      4. Ginástica Sénior: O texto é muito lacónico não detalhando os serviços prestados
    8. Cultura
      1. Não se detalham custos nem acesso, nem métricas, nem os custos (para a autarquia e aderentes) dos programas nem da selecção dos aderentes.
  • Centro Intergeracional do Areeiro
    1. Ver acima
  • Contactos
    1. Ver acima

Actualização de 12.03.2018

23 de outubro
“Sugestões De Melhoria Para O Site Da Junta De Freguesia Do Areeiro (Enviado À Autarquia)

Texto Colaborativo feito e validado por vários “Vizinhos do Areeiro”:

    • Início:
      1. Há perda de espaço pela reserva de perto de metade do écran com a passagem, em carrossel, de fotografias do Areeiro (algumas, como a da Alameda, consomem metade da área com Arroios…)

«Neste momento, o Núcleo de Comunicação e Imagem encontra-se a planear mudar o layout do site de forma a torna-lo mais apelativo e de utilização mais intuitiva» – Núcleo de Comunicação e Imagem

      1. Em especial destaque deviam estar, logo, os editais informando da próxima Assembleia de Freguesia e as reuniões abertas do Executivo
      2. Um mapa da freguesia devia aparecer, em destaque, nesta página

«Recentemente foi introduzido um mapa da freguesia na sub-secção de Arruamentos que pode ser ampliado através da opção de download do documento em questão.» – Núcleo de Comunicação e Imagem

«O erro encontra-se corrigido desde novembro de 2017.» – Núcleo de Comunicação e Imagem

  1. Postos Clínicos: faltam opções de marcações por email e com indicação prévia da especialidade a marcar

«Já tínhamos pensado nesta possibilidade, mas como a maioria dos nossos fregueses não utiliza este meio de comunicação, não avançámos. De qualquer forma iremos preparar a nossa aplicação para permitir essa possibilidade». – Núcleo de Saúde

      1. Centro Intergeracional do Areeiro: A lista de actividades com horários devia ser apresentada, para maior legibilidade, directamente na página principal e não no fundo da mesma. Não é claro se a “biblioteca” está aberta ao público nem qual é o seu acervo. Não existe, aqui, opção para inscrição por mail.

«O horário das atividades e das consultas do Centro Intergeracional do Areeiro foi recentemente atualizado, estando neste momento disponível no site, na secção referente a este espaço cultural.» – Núcleo de Comunicação e Imagem

Postos de Limpeza: aparece apenas “Conteúdo a colocar…”: Isto nunca se faz (quando não há conteúdo simplesmente não há página) e se faz nunca por tanto (o site tem já mais de 3 anos)

«Não encontramos este conteúdo, apenas a informação sobre a Higiene Urbana. Possivelmente esta sub-secção já foi alterada entretanto.» – Núcleo de Comunicação e Imagem

    • Arruamentos
  1. As ruas estão divididas, quatro anos depois da junção, pelas freguesias do Alto do Pina e de São João de Deus
  2. Faltam as ruas do Bairro do Arco do Cego (!)
  3. Este era o local ideal para estar um mapa do Areeiro: não está

«Neste momento, os arruamentos já estão completos e sem qualquer tipo de divisão por ex-freguesias. Para além disso, é neste local que se encontra o mapa e respetivo documento para download» – Núcleo de Comunicação e Imagem

    • Galeria de Imagens
  1. Poderia ter mais fotografias (existem muitas mais no Arquivo de Lisboa) e fotografias enviadas por moradores

«Obrigada pela sugestão, esperamos tratar do reforço do acervo de fotografias em breve» – Núcleo de Comunicação

Junta de Freguesia:

  1. Mensagem do Presidente
  2. O texto é datado, aparentemente de 2014

«A mensagem do Presidente que encontra neste momento no site é datada de outubro de 2017» – Núcleo de Comunicação

      1. Comunicação
        1. App AreeiroMais: sendo o veículo e ferramenta mais importante da autarquia aparece num link muito secundário e sem explicação directa do seu uso nem com relatórios agregados de pedidos executados. Erro “vai disponibilizar” (já disponibilizou há muitos meses!). Não aparece aqui um guia de uso nem as vantagens de uso da mesma nem do “Espaço Residente”

«A sub-secção da APP Areeiro Mais já se encontra com conteúdo informativo sobre o funcionamento da mesma» – Núcleo de Comunicação e Imagem

      1. Medicinas Alternativas: dado que não têm base clínica e científica é duvidoso que se devam consumir recursos públicos nas mesmas e publicitá-las (credibilizando-as) no site da Autarquia.

«As medicinas alternativas são terapias complementares que não excluem a medicina tradicional. A Direção Geral de Saúde já regulamentou sete, entre elas, medicina tradicional chinesa, osteopatia e fisioterapia. Devido ao estilo de vida moderno, ao stress diário e às constantes preocupações, as pessoas procuram cada vez mais cuidados centrados na prevenção da doença. A Junta de Freguesia pauta-se pela proximidade dos seus Fregueses, deste modo, foi criado no Centro Intergeracional, um gabinete dedicado às medicinas alternativas, no sentido de separar fisicamente as medicinas alternativas das medicinas convencionais.» – Núcleo de Saúde

Apelo à intervenção da CML, PSP e Polícia Municipal no Jardim da CGD (Rua do Arco do Cego) – Oh Pereira e Bomba Galp [Actualização]

Screen Shot 10-11-17 at 01.23 PM

Multiplicam-se os fenómenos de baixo civismo na Rua do Arco do Cego, perto do Jardim da CGD: Todas as noites e, especialmente ao fim-de-semana, centenas de clientes da “Casa de Pasto” Oh Pereira” e da Bomba da Galp deixam copos de plástico, garrafas de cerveja e latas de alumínio às centenas nos espaços verdes em frente (já na Freguesia do Areeiro). Assim sendo e porque a situação se arrasta há meses sem qualquer sinal de melhoria apesar de repetidos contactos com a CML, Polícia Municipal e proprietários os Subscritores desta mensagem à CML pedem a esta que:
1. Instale no Jardim da CGD duas das novas papeleiras de 120 L no lugar das de menor capacidade
2. Que os proprietários da Bomba da Galp e do Oh Pereira sejam convidados pela CML a participarem, de manhã e ao abrirem as portas na remoção do lixo proveniente da sua actividade no jardim em frente
3. Que a CML avalie a instalação, neste jardim, de protecções aos muros, como aquelas que foram instaladas no Jardim do Arco do Cego
4. Que a CML reveja a capacidade para venda de álcool da Bomba da Galp
5. Que a Polícia Municipal reforce a sua actividade de fiscalização neste local [alterado]
6. Que a PSP e Polícia Municipal estejam atentas às situações de excesso de ruído e de manobras anómalas (especialmente com motas e motociclos) nas ruas perto deste local) [novo]
Que a autarquia avalie uma alteração (em último recurso) dos horários de fecho da Oh Pereira (24:00) e do sector de retalho da Bomba da Galp (23:45)

Subscrevem:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1832238590422273/

Actualização de 13.10.2017
Primeira resposta da CGD:
Quanto à sujidade no Jardim da CGD (onde estão os 12 Cavaleiros): “A Caixa Geral de Depósitos e a Culturgest neste caso somos também lesados. Já notificámos o nosso Gabinete de Segurança para avaliar a situação.”

Actualização de 05.01.2017
Quanto à possibilidade da instalação de contentores especializados de recolha de plástico responde a CML:
“As pessoas usavam as tampas das papeleiras como mesas e quando retiramos as tampas, passaram a mandar os copos para o chão na mesma, ficando as papeleiras vazias ou com outro tipo de resíduos”

Actualização de 16.01.2018

Enviada à CML:
“Rua do Arco do Cego, frente ao jardim dos cavaleiros na sede da CGD: todas as noites de sextas, sábado e domingo, centenas de jovens estão aqui com copos de cerveja comprados no Oh Pereira e garrafas compradas na bomba da Galp fazendo barulho, acrobacias de moto, consumindo álcool no jardim, deixando centenas de copos e garrafas no chão e no jardim e urinando no monumento (o cheiro a urina podre é aqui constante).”

Resposta da CML:
“Com referência ao assunto no ponto 10, cumpre informar que para o estabelecimento comercial denominado “Oh Pereira”, sita na Rua do Arco do Cego, n.º 59, corre termos nesta divisão um processo de restrição definitiva de horário de funcionamento.
O processo encontra-se na fase de elaboração de relatório final e respetiva proposta de decisão,  encontrando-se a ser ponderada a seguinte restrição de horário de funcionamento: De domingo a quinta-feira – encerramento às 23:00h;  Sextas-feiras, Sábados e vésperas de feriados às 24:00h.
Prevê-se a elaboração do relatório final ainda durante a 1ª quinzena de janeiro.”

Actualização 07.03.2018

“Fizemos também um Abaixo Assinado contra a situação decorrente da actividade da casa de pasto Oh Pereira, até mais sobre a Bomba da Galp. Tinha a ver com o consumo de álcool na via pública e que é um problema que não é só do Areeiro mas de toda a cidade. É algo que provoca ruído nocturno, dejectos, resíduos urbanos, copos de plástico. A CML não tem poderes para intervir a 100% nesta área mas algo tem que ser feito. As queixas sobre o que passa ali são numerosas e é algo chocante ver que aquele estabelecimento se orientou para a rua: tudo o que eles têm é para a rua, para os clientes que consomem na rua. Neste momento há uma colonização privada do espaço público”

Vizinho do Areeiro Rui Martins

“Em relação ao Oh Pereira: nós estivemos atentos, reduzimos o horário. A única coisa que temos eventualmente a possibilidade de fazer é a limitação da venda para fora (…) não podemos limitar o consumo do alcool na via pública e há ali uma mistura de factores (…) podemos ir mais além. Há um conjunto de medidas de restrição que podemos agravar foi um pouco o que aconteceu no Arco do Cego (…) devemos defender a limitação e eliminação dos copos descartáveis. É uma matéria que nós, CML, devemos avançar para o Legislador. Só aí teríamos um enorme contributo para aquilo que é a sujidade criada por este tipo de estabelecimentos” 1:00:50

Vice-Presidente Duarte Cordeiro
Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

Actualização 20.03.2018
"Agendada: 20 de Março de 2018
Debatida e votada:
Resultado da Votação:
Passou a Deliberação:
Publicação em BM:
Esta Recomendação tem origem no Relatório da 8ª Comissão Permanente sobre a Petição 18/2017 - Jardim dos Cavaleiros (Anfiteatro Exterior da sede da CGD)

Recomendação

O Relatório aprovado pela 8ª Comissão Permanente sobre a Petição 18/2017 - Jardim dos Cavaleiros (Anfiteatro Exterior da sede da Caixa Geral de Depósitos) apurou as seguintes conclusões:

São manifestos os problemas de insalubridade, ruído e conflitualidade na apropriação do espaço público, causados pela enorme presença de pessoas a consumir álcool na zona em questão, Rua do Arco do Cego, “Jardim dos Cavaleiros” e Anfiteatro adjacente;
Estes problemas parecem ter-se agravado na sequência das obras realizadas no espaço público na Rua do Arco do Cego que aumentaram a zona pedonal adjacente aos estabelecimentos em causa e das medidas implementadas de limitação de horário relativamente aos estabelecimentos adjacentes ao Jardim do Arco do Cego, onde o problema era semelhante;
O Programa de Governo da Cidade 2017-2021, estabelece como objectivos tornar a cidade de Lisboa cada vez mais atractiva para viver, melhorando a qualidade de vida e o ambiente urbano, pelo que deverão ser encontradas soluções que permitam mitigar os focos de conflitualidade, assegurando a compatibilização do direito ao descanso dos residentes e a qualidade do ambiente urbano, com as actividades económicas e de lazer.
Assim, a 8ª Comissão propõe ao plenário da Assembleia Municipal que aprove recomendar à Câmara que:

1 – Analise a possibilidade de introduzir limitações horárias aos estabelecimentos em causa, compatibilizando as necessárias actividades económicas com o direito ao descanso dos residentes em área residencial, tendo em conta medidas semelhantes já implementadas em estabelecimentos próximos;

2 – Interceda junto da CGD de forma a garantir a limpeza adequada, regular e suficiente do espaço privado de utilização pública, anfiteatro e jardim, por forma a manter o mesmo em condições de ser fruído pela população em geral e com reconhecimento pela sua importância histórica;

3 – Em conjunto com a CGD, estude e implemente medidas de mitigação da insalubridade registada ao nível das escadas de ligação entre o anfiteatro e o estacionamento superior, decorrentes da acumulação de urina e outros dejectos, medidas que poderão passar por melhorar a iluminação pública do local ou pela implementação de medidas físicas de encerramento das escadas no período nocturno;

4 – Através da Polícia Municipal e no âmbito das suas competências, promova a adequada fiscalização e controle de horário dos estabelecimentos que vendem bebidas alcoólicas na área em questão;

6 – Interceda junto da PSP para que de uma forma regular e visível promova o reforço das acções de fiscalização e vigilância no âmbito das suas competências na manutenção da ordem pública, actuando também no que se refere ao consumo de álcool por menores;

7 – Procure sensibilizar os proprietários dos estabelecimentos em causa para que tomem medidas, no âmbito da sua actividade, para diminuírem os respectivos impactos negativos referidos nesta petição.

8 - Informe periodicamente esta Assembleia sobre a evolução da implementação das soluções encontradas de modo a realizar um conveniente acompanhamento.

A 8ª Comissão propõe ainda ao plenário da Assembleia que promova diligências junto das Juntas de Freguesia das Avenidas Novas e do Areeiro, no respeito pela sua autonomia, no sentido de ser providenciado um especial cuidado ao nível da higiene urbana dos espaços em questão, Rua do Arco do Cego e zonas adjacentes, bem como na manutenção dos diversos equipamentos de mobiliário urbano, existentes no espaço público.

Lisboa, 15 de março de 2018

O Presidente da 8ª Comissão

António Proa

O Deputado Municipal Relator

João Valente Pires"

http://www.am-lisboa.pt/302000/1/009300,000424/index.htm


Atualização de 10.04.2014:
Representante da Petição 18/2017 – Jardim dos Cavaleiros (Anfiteatro Exterior da sede da CGD)
Encarrega-me a Srª Presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Arqª Helena Roseta de informar V. Exas. que a apreciação da Recomendação 015/03 (8ª CP), resultante do Parecer da 8.ª Comissão Permanente sobre a petição 18/2017 – Jardim dos Cavaleiros (Anfiteatro Exterior da sede da CGD), está agendada para a sessão de  3ª feira, dia 20 de Março, que se iniciará pelas 15h e terá lugar no Fórum Lisboa, na Av. de Roma 14P.
Junto enviamos o relatório da Comissão Permanente e Recomendação que será apresentada e debatida na referida sessão.
 Anexo1_OficioCGD Anexo1_OficioGALP Anexo1_OficioPSP Anexo1_Oh Pereira Folha de Rosto relatório da 8ª CP relativo à petição 18-2017 Anexo1_Oficio CML”

Bairro da GNR: A maior concentração de devolutos (do Estado!) da Freguesia do Areeiro – Pedido de Intervenção ao Governo e CML [Em Resolução]

Screen Shot 10-05-17 at 09.25 PM

Enviada a 05.10.2017:

“O dito “Bairro da GNR” (com vários prédios da década de 1940 entre a Barão de Sabrosa e a Afonso Costa) apresenta a maior concentração de habitações e prédios devolutos de toda a freguesia do Areeiro. De facto, existe aqui, até uma rua inteira, a Domingos Reis Quita com 6 prédios, de vários andares, totalmente devolutos.
Todo este Bairro pertence, segundo foi possível apurar, ao Ministério da Administração Interna (MAI) e alberga antigos militantes desta força de segurança e seus familiares directos.
Resulta chocante que numa freguesia muito pressionada pelo aumento brutal dos preços da habitação o Estado central vote ao abandono tantas possíveis habitações, deixe degradar os edifícios para além do admissível e não promova a recuperação e reabitação das fracções devolutas.
Os Subscritores apelam assim ao MAI no sentido de recuperar estas habitações recolocando-as, a preços acessíveis, no mercado da habitação ou que, eventualmente e por protocolo a transformem num Bairro Municipal, or forma a assim contribuir para a contenção dos preços que, nesta freguesia, subiram mais de 20% no último ano”

Subscrevem:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1829934697319329/

Actualização de 18.12.2017
Resposta da Secretaria de Estado da Habitação:
A exposição foi encaminhada para averiguar a inclusão destes edifícios no Fundo Nacional de Recuperação do Edificado.

Enviada a 21.01.2018:
“Algum desenvolvimento quanto a esta questão?
Segundo confirmámos hoje mesmo com diversos moradores, a GNR está a enviar cartas actualizando as rendas (até 2020) em aumentos muito superiores à inflação (há relatos de aumentos de mais de 30%)
De salientar que, desde a década de 1970, que não se fazem aqui qualquer tipo de obras e que este bairro é – de longe – a maior concentração de devolutos da freguesia do Areeiro.”

Actualização

“o Bairro da GNR, no Areeiro, representa a maior concentração de devolutos da freguesia. Como está o processo de recuperação deste espaço? Pensamos que qualquer opção deverá passar pela recuperação e construção para a classe média”
Vizinho do Areeiro Jorge Oliveira
“O Bairro da GNR é pertença dos Serviços Sociais da GNR pelo que não é um bairro municipal (…) como está na sala o Coronel Pedroso, presidente dos Serviços Sociais da GNR que, melhor que ninguém, poderá explicar o que se pretende fazer neste bairro” 40:38

Vereador Manuel Salgado

“Gostaria de agradecer ao munícipe Jorge Oliveira a pergunta apresentada, afinal a razão imediata para a nossa presença neste fórum. Aproveito para dizer que os serviços sociais da Guarda são uma pessoa colectiva de direito público dotada de autonomia financeira com uma gestão completamente independente da Guarda sob tutela directa do Ministério da Administração Interna que nomeia o vice-presidente, neste caso, eu, por proposta do general comandante da Guarda que também é o presidente dos Serviços Sociais por inerência de funções. Os nossos beneficiários são militares e civis da Guarda obrigados ao pagamento da respectiva quota de 0,5% das suas remunerações. Uma vez na reforma o pagamento desta quota passa a ser voluntário. Somos cerca de 46 mil contribuintes num total de 120 mil beneficiários. O orçamento dos serviços sociais da Guarda não beneficia de qualquer tipo de receita do orçamento do Estado. Vivemos exclusivamente das quotas e contrapartidas pagas pelos serviços prestados aos nossos beneficiários. Este Bairro, propriedade dos serviços sociais da Guarda é composto por 217 fracções sendo 137 habitadas em regime de renda apoiada. Duas destinadas a alojamento temporário de emergência (…) 64 devolutas e 14 em obras de reabilitação. Temos um projecto de reabilitação para todo o bairro. Cujos prédios se repartem pela Azinhaga Fonte do Louro, Rua Barão de Sabrosa, Rua Domingos Reis Quita e Rua Veríssimo Sarmento. Uma das fases prioritárias é a reabilitação exterior incluindo as coberturas. Em paralelo estamos a proceder à recuperação interior das já referidas 14 fracções (…) um programa novo designado “arrendamento com projecto de reabilitação” em que os arrendatários, nossos beneficiários, ficam responsáveis pela reabilitação da sua fracção (…) e se necessário e possível com financiamento dos Serviços Sociais a quem depois se vai deduzindo a amortização do empréstimo no valor da renda. Esperamos, assim, impulsionar de forma decisiva a reabilitação total do Bairro.  O arranque do programa está previsto para  abril/maio deste ano e não apenas neste mas também noutros bairros da cidade e em todo o país (…) sendo nos dada autorizado gastar em 2018 o excedente orçamental de 2017, na ordem dos 4 milhões de euros teremos capacidade para realizar a reabilitação exterior do bairro e recuperar um conjunto de fracções destinadas a residências de estudantes algumas até para Erasmus com filhos de outras forças policiais de outros países da Europa, habitação social tradicional e alojamento partilhado, numa perspectiva de diversificação etária (…) a idade média dos habitantes é superior a 78 anos (…) também pretendemos reabilitar um edifício de 2 pisos com 500 m2 na Azinhaga Fonte do Louro conferindo condições para acolher multiplas funções de apoio: restauração, centro de dia, lavandaria, serviço de saúde, etc. Não afastamos a possibilidade deste novo equipamento poder servir, não apenas os beneficiários dos serviços sociais, mas também outros cidadãos do Bairro. Continuamos a contar com o apoio dos Vizinhos e da Câmara Municipal de Lisboa” 46:12

Coronel Pedroso, presidente dos Serviços Sociais da GNR

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018
https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

 

Metro do Areeiro: Porque não vão reabrir todos os acessos? [Em Resolução]

Screen Shot 08-08-17 at 01.01 PM

Segundo algumas informações, as obras da estação do Metropolitano do Areeiro já começaram e deverão terminar antes do termo deste mês de Agosto. Estas obras estiveram paradas durante 4 anos com um grande impacto na Praça mais emblemática da freguesia (lixo e degradação do espaço público). As obras que agora decorrem parecer ser apenas de limpeza já que está aberto um concurso público para a “remodelação do átrio norte da estação do Areeiro, com a instalação de elevadores, a renovação das paredes, tetos e pavimentos, a atualização dos sistemas técnicas e a reorganização dos espaços de apoio à exploração na área disponível do átrio” por 3,75 milhões de euros (Lusa), contudo, não parecem existir planos para reabrir ao público 2 dos 3 acessos encerrados desde as obras de 2013…
Isto significa que os dois acessos junto à Padre Manuel da Nóbrega continuarão a acumular lixo e detritos diversos com a decorrente condicionamento de acesso ao átrio norte por tempo indeterminado.
Os subscritores apresentam assim ao Metropolitano de Lisboa o seu protesto pelo arrastamento destes condicionamentos na praça central à sua freguesia do Areeiro e apelam à Câmara Municipal de Lisboa que use os seus melhores ofícios para que seja possível desbloquear esta situação.
Se, os dois ditos acessos permanecerem encerrados, apelamos a que sejam, pelo menos completamente fechados por forma a não continuarem a ser o depósito de lixos e detritos que, actualmente, são.

Subscrevem:
Rui Martins
João Martins
Clara Ribeiro
Jacinto Manuel Apostolo
Elisabete Carvalho
Fernando Borges
Ana Paula Araujo
José Vieira Mesquita
Jose Afonso Santos
Joana Barros Costa
Vitor Manuel Teixeira
João J Martins
Maria Helena Palhano
Elsa Felizardo
Luisa Pico Costa
Belicha Geraldes
Isabel Simões
José Pedro Leitão
Margarida Leal
Fátima Mayor
Maria Cortez Caetano
Margarida Amores Trindade
Virginia Pato
Maria João Morgado
Ana Costa
Suzete Reis
Teresa Raposo
Maria Teresa Rodrigues
Elvina Maria Reis Rosa
Isabel Casquilho
Filipe Ruivo
Maria Teresa Inglês Agostinho
João Silva
Nuno Dinis Cortiços
Dulce Amaral
Luis Seguro
Dina Correia
Jorge Oliveira
Carla Caló
Cláudia Casquilho
Emilio Santos Pinto
Leonilde Ferreira Viegas
Julia Aguiar
Teresa Villas
Manuela Cabeçadas
Cristina Braula Reis Penha Coutinho
Nelson Guimarães
Maria Paula Luis
Inês Gomes Beirão
Vice Nabais
Maria Conceição Silva
Fátima Cunha
Tomaz Alves Oliveira
Rita Martinez
Ana Paula Pimenta
Ana Oliveira
Vitor Ramalho
Anette Paulette
Sandra Jacob
Manuel Barata Simões
Maria Pissarra
Isabel Primoroso
Maria João Granate
Lezíria Couchinho
Isabel Costa
João Ribafeita
Ilda Cruz
Álvaro Rocha
Irene Coelho
Joana Mateus
Claudio Moraes Sarmento
Jose Miguel Rocha
Manuel Francisco
Luisa Teresa
Sofia Vale
Sara Martins Correia
Pedro Correia
Jose Silva
José Pedro S. Carvalho
Cristina Milagre
Rita Dias Costa
Isabel O. Sousa
Mariana Lamas Pimentel
Maria Anabela Melo Egídio
Carlos Matias
Clarinda Sousa
Cláudia Almeida
Bruno Beja Fonseca
Joana Duarte
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1806741762971956/

Actualização de 24.10.2017:
Informação recebida da CML (após pedido dos Vizinhos do Areeiro:
Retoma das obras do Metro do Areeiro
Tem inicio previsto para dia inicio de Dezembro e duração estimada de 8 meses.
Numa 1ª fase, os trabalhos do metro vão decorrer maioritariamente no subsolo e na construção de um elevador, obrigando a condicionamento da rotunda, do lado norte.
Numa 2ª fase, com inicio previsto para Maio de 2018 e duração prevista de 4 meses, começam os trabalhos de arranjos exteriores, estando o projeto de espaço píblico, que é da Câmara Municipal, em fase de acabamento.
A CML confirma que a limpeza das escadas é da responsabilidade do Metro, que informou que a efetua com alguma regularidade. A Câmara procurou sensibilizar o Metro para a necessidade de reforçar estas intervenções.
Soubemos também que os cais só voltarão a abrir em Agosto de 2018 e que o espaço verde pintado (pela Junta de Freguesia) está dentro da área do projeto, pelo que será seguramente requalificado.

Actualização de 07,03.18

“quando está prevista a abertura do acesso às plataformas do Metro no Areeiro que ficam na Praça Francisco Sá Carneiro?”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

“não é uma obra da responsabilidade do munícipio mas é uma obra, certamente, do interesse do município, é uma obra do metropolitano e que, como tantas outras, passou por uma fase de liítigo que condicionou o andamento da mesma. O Metro espera começar a obra tão depressa como o possível (…)  é uma obra que ainda se vai prolongar até 2019/2020 é a informação que tenho do Metro (…) o que a CML vai continuar a pedir é a maior rapidez e a maior diligência nessa obra”

Vereador Miguel Gaspar

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM