Incumprimento do Protocolo que estabeleceu a recente intervenção no Logradouro da Praça Pasteur (Lisboa) [Respondido]

Os Subscritores alertam as entidades responsáveis pelo Protocolo que estabeleceu a recente intervenção no Logradouro da Praça Pasteur que estão por cumprir:
1. EMEL: em falta na execução dos arranjos exteriores orçamentados, em especial nos canteiros e arvoredo;
2. IGF-SS: não obstante o limite estabelecido de 35 autorizações, neste momento, verifica-se a existência de 37 (mais os dois lugares sinalizados como exclusivos); e a
3. JFA: omissa em intervir na manutenção do espaço, mesmo após inúmeras solicitações.

Segundo o Regimento da Assembleia Freguesia do Areeiro “o prazo máximo para fornecimento de informação aos cidadãos recenseados na freguesia é de 10 dias, se outro prazo mais curto não for possível cumprir”

(iniciativa conjunta com Comissão de Moradores da Praça Pasteur, Areeiro, Lisboa)

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Nuno Dinis Cortiços
Elvina Maria Reis Rosa
Anabela Nunes
Nuno Miguel Cabeçadas
Luis Seguro
Ana Bravo
Patrícia Matos Palma
Carla Sofia Duarte
Cristina Azambuja
Francisco Lopes da Fonseca
Teresa Sarmento
Carla Caló
Thaisa Boleta
Maria Cristina Lacerda
Elisabete Carvalho
Maria Ana Capoula
Rui Costa
Manuel Mello e Castro
Teresa Nogueira Santos
Graciano Venâncio Morais
Ana Leite Pereira
João Ribafeita
Patricia S Bernardo
Maria Concepcion
Vitor Lopes
Inês Duarte Galvão Capicho
Pedro Ventura
Ines Pinto Da Costa
Ruy Redin
Ana Rita Vozone

 

Actualização

“No logradouro da Praça Pasteur foi criado uma concessão à EMEL e fez um conjunto de obras. Mas há um incumprimento por parte de todas as partes que assinaram o protocolo. O IGF tem 35 lugares mas neste momento já emitiu 37 reduzindo o nº de lugares aos logradouros. A EMEL incumpre no cuidado dos espaços verdes conforme o protocolo que tenho aqui e que posso ceder com arranjos exteriores que até agora não realizou. Ajunta apesar do texto não ser claro, tem a manutenção dos espaços cerdes e a manutenção pedonal, o que é estranho porque aquilo acaba por ser automóvel (…) no último pedido que fizemos a Junta esta passou à EMEL a reparação dos danos que têm entretanto ocorrido”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

1:22:12 “há uma grande preocupação com a falta de lugares na freguesia (…) os parques GIRA, as ciclovias e a não ocupação dos parques de estacionamento cobertos”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

“Estamos a falar com o parque do Casal Vistoso para que a EMEL lance uma tarifa mais baixa para residentes e espero que seja exemplo para que a consigamos levar a outros parques da freguesia e não só” 1:31:58

Vereador Miguel Gaspar

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

Actualização

“Os logradouros concessionados à EMEL durante a noite não têm fiscalização (…) Na Praça Pasteur com o Bingo ao lado e os seus clientes utilizam o estacionament. Os residentes que chegam mais tarde dos seus empregos não conseguem estacionar. E não há lei. A EMEL não funciona à noite. A Polícia Municipal não faz reboques naquele espaço”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

“temos informação que ainda havia um problema com as obras na Praça Pasteur e que estava a ser corrigido.Em relação aos espaços verdes não tinha essa informação mas vou confirmar. Os lugares são lugares de rotação (..) era um terreno privado do IGSS e que a EMEL fez obra e ficou disponivel para a população. Se há evidências de falta de fiscalização vou pedir um reforço” (…) “

Vereador Miguel Gaspar

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

 

 

 

A Petição “Abaixo-assinado NÃO FECHEM a ESQUADRA DA PSP ! (10ª de Lisboa Arroios-Areeiro)” foi entregue na Assembleia da República [Actualizada]

A Petição “Abaixo-assinado NÃO FECHEM a ESQUADRA DA PSP ! (10ª de Lisboa Arroios-Areeiro)” foi entregue na Assembleia da República.

Ainda a podem assinar (é possível reforçar assinaturas até 30 dias depois da audição dos peticionários) em

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=NaoFechemEsquadraPSP

Foram entregues 965 assinaturas em papel (!) e 231 assinaturas recolhidas online.

A maioria das recolhas foi feita em contexto familiar ou com o apoio dos comerciantes da Avenida Guerra Junqueiro e dos estudantes do IST: Muito Obrigado.

Agradeço ainda a todos aqueles que, nos Vizinhos de Arroios e nos Vizinhos do Areeiro, recolheram, entregaram, falaram com cidadãos na rua, amigos, familiares e colegas para que este EXPRESSIVO apelo de cidadania fosse feito.

Resta agora esperar pelo trâmite normal das petições:

MUITO OBRIGADO por este gesto de cidadania.
Será, também, pedida uma audição a todos os grupos parlamentares da Assembleia da República para os alertar para o esvaziamento de homens e meios da PSP em Lisboa assim como a outras entidades.

Actualização de 15.02.2018
No mesmo dia em que enviámos a petição “Não fechem a esquadra da PSP” pedimos uma reunião a todos os grupos parlamentares da Assembleia da República. O grupo do CDS/PP foi o primeiro a responder.
Fomos recebidos pelo deputado João Rebelo e pelo eleito em Arroios Frederico Sapage Ferreira que anotaram as preocupações dos moradores de Arroios e Areeiro no que concerne ao agravamento – sentido pelos vizinhos – da situação de segurança nestas freguesias e anotam várias questões que, em breve, irão apresentar ao Governo da República.
Aguardamos respostas dos restantes grupos parlamentares.
(assim como a audição dos peticionários)


A petição no site do Parlamento (18.04.2018):

http://app.parlamento.pt/webutils/docs/doc.pdf?path=6148523063446f764c324679626d56304c334e706447567a4c31684a53556c4d5a5763765647563464473947615735686246426c64476c6a6232567a4c3251354d6a41774d6a6b314c54566a4f444d744e444132596931684d32466c4c544d324d7a4d304e54517959574d314f4335775a47593d&fich=d9200295-5c83-406b-a3ae-36334542ac58.pdf&Inline=true
Aguardamos a marcação da audição em sede de comissão.

Carta aberta à Junta de Freguesia do Areeiro (lagartas do pinheiro no jardim superior da Alameda)

Os Vizinhos do Areeiro expressam a sua preocupação pelo ressurgimento repetido de lagartas do pinheiro no jardim superior da Alameda. Este jardim é frequentado por grande número de cães que pela sua curiosidade natural são as maiores vítimas desta praga, juntamente com crianças que possam estar a brincar no chão.

Os Vizinhos do Areeiro entendem que uma praga com estas características não será fácil eliminar mas também entendem que não será normal que apesar das múltiplas intervenções da Junta de Freguesia tal volte a suceder por três vezes em menos de 2 semanas num espaço tão pequeno.

Apelam por isso a uma intervenção verdadeiramente eficaz e que se façam inspecções periódicas ao arvoredo de toda a freguesia forma a evitar novas ocorrências e que se adoptem as medidas profiláticas necessárias para reduzir a ocorrência desta praga”.

(segundo o Regimento da Assembleia Freguesia do Areeiro “o prazo máximo para fornecimento de informação aos cidadãos recenseados na freguesia é de 10 dias, se outro prazo mais curto não for possível cumprir”)

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Elvina Maria Reis Rosa
Anabela Nunes
Rodolfo Franco
Nuno Miguel Cabeçadas
Teresa Raposo
Zélia Brito
Mariana Bettencourt
Francisco Lopes da Fonseca
Leonilde Ferreira Viegas
Miguel Madeira
Helena Ferreira
Emilio Santos Pinto
Alexandra Maia Mendonça
Pedro Gomez
Dulce Amaral
Carla Caló
Jacinto Manuel Apostolo
Margarida Magalhães
Manuela Viegas
Miguel Felner Paula
Dora Santos Silva
Fátima Mayor
Anabela Gouveia
Zélia Pereira
Leonardo Rosa
Ilda Cruz
Patrícia Garcia
Irene Coelho
Maria Ana Neves
Isabel Catarina Ferreira
André Calado Coroado
Ana Judite Peres
José Manuel FL
Zira Marcelino
Maria Martins da Silva
Susana De Brito Dias
Sofia Reis
Sara Teixeira
Joana Morgado
Isabel Neves
Filipe Oliveira
Elsa Santos Alípio
Maria Anabela Melo Egídio
Carolina Lemos E Sousa
Rita Martinez
Alina Silva
Francisco Braz Teixeira
Cristina Lemos Machado
Rui Martinho
Rute Pereira
Pedro Amaral
Rita Dias Costa
Mau Madureira
Anna Vergeat
Francisco Frazão
Marta Belling Castro
Ana Bacalhau
Carla Cardoso
Actualização de 24.02.2018
Processionárias (lagartas do pinheiro) e cães na Alameda Afonso Henrique Ribeiroes: Combinação perigosa com efeitos potencialmente letais: “A lagarta do Pinheiro, Processionária, é um insecto que ataca a maioria dos Pinheiros bem como alguns Cedros, provocando a sua Morte. Tem efeitos nocivos quando em contacto com os humanos e animais domésticos, provocando irritações de Pele, olhos e aparelho respiratório”
A 8 de Fevereiro denunciámos esta situação à Junta de Freguesia do Areeiro que AINDA NÃO DEU QUALQUER RESPOSTA:
http://vizinhosdoareeiro.org/carta-aberta-a-junta-de-fregu…/
(o que é uma violação flagrante do Código do Procedimento Administrativo e do próprio regimento que regula o funcionamento da Assembleia de Freguesia).
Em consequência acaba de seguir um pedido de pronunciamento sobre esta situação a todas as forças políticas com assento nesta Assembleia de Freguesia.

 

Consulta Pública organizada pelos Vizinhos do Areeiro sobre a eventual criação de uma Ciclovia na Av Guerra Junqueiro

Os moradores, consultados nos últimos dias, e depois de informações (não confirmadas ainda oficialmente pela CML) sobre a criação de uma ciclovia nesta avenida informam a CML sobre os resultados desta consulta:
(com escolha única por morador)

Não alterar nada e as bicicletas partilham a mesma via: 52 moradores
Ciclovia ascendente do lado esq. sobre passeio e uma ciclovia descendente do lado dir. Ambas com 1 m (esteticamente + agradável): 32 moradores
Ciclovia ascendente (1 m) e uma via partilhada (sentido único) descendente (é uma opção mais económica): 10 moradores
Reduzir lancil em 50 cm de cada lado, mantendo estacionamento e ciclovia ascendente segregada: 7 moradores
Passar o estacionamento de um dos lados para longitudinal, perdendo-se alguns lugares, mas ganhando-se espaço para a ciclovia: 6 moradores
A solução mais simples, mais económica, mais segura e menos inestética é reduzir estacionamento para ciclovia ascendente segregada: 6 moradores
Ciclovia: via partilhada no sentido do trânsito: 4 moradores
Passar a ciclovia para a Av. Manuel da Maia. É mais exequível pois não afecta o trânsito nem o estacionamento: 2 moradores

Pedimos ainda à CML que organize uma Sessão de Esclarecimento sobre a construção eventual de novas ciclovias na freguesia do Areeiro, nomeadamente:
• Avenida Manuel da Maia (bidireccional)
• Avenida de Paris (via contrafluxo e 30+bici)
• Avenida Guerra Junqueiro (via contrafluxo e 30+bici)
• Rua Presidente Wilson (via contrafluxo e 30+bici)
• Avenida Padre Manuel da Nóbrega (30+bici)
• Avenida São João de Deus (30+bici)
• Avenida Afonso Costa (pista ciclável bidireccional)
• Avenida Gago Coutinho (pistas cicláveis unidireccionais)
• Avenida Almirante Reis (em estudo)
• Avenida de Roma (pista ciclável bidireccional)
• Avenida de Madrid (via contrafluxo e 30+bici)

 

 

Protesto perante alterações na Av Guerra Junqueiro

Segundo informação obtida pelos Vizinhos do Areeiro a repavimentação desta avenida irá reorganizar o estacionamento num dos lados o qual passa a longitudinal com sacrifício de 20 lugares de estacionamento. Nesse sentido será colocada uma ciclovia (conforme previsto no plano de expansão das ciclovias).
Contudo, a informação dada aos moradores, por mensagem e colocada nos folhetos (ver foto) refere apenas “renovação do pavimento” e não faz qualquer menção à redução do número de lugares de estacionamento nem à alteração da utilização da via pública.
Dado o impacto destas alterações nas vidas dos moradores e comerciantes da Avenida Guerra Junqueiro, os subscritores desta mensagem à CML questionam a autarquia sobre esta contradição e protestam perante omissão de informação e, sobretudo, perante mais esta perda de lugares de estacionamento, a qual apelamos a que não tenha lugar.
Apelamos ainda a uma adequada e correcta divulgação de informação em casos semelhantes a ocorrer no futuro.

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Rui Pedro Barbosa
Nuno Dinis Cortiços
Elvina Maria Reis Rosa
Anabela Nunes
Filipe Guedes Ramos
Rogério Martins
António Aguiar Costa
Maria Cortez Caetano
Nuno Miguel Cabeçadas
Saniviti Ferreira
Filipa Ramalho Rickens
Joana Taborda Amores
Ana Benavente
Rui M. Sousa
Ana Bravo
Maria Susel Marques
Carlos Moura-Carvalho
Teresa Raposo
Isabel Tomas Rodrigo
Ivo Gama
João J Martins
Carmosinda Veloso
Luisa Castro Correia
Jorge Martins
Pedro Stichini Vilela
Paulo Fonseca
Patrícia Matos Palma
Marta Soares
Carla Sofia Duarte
Pedro Pinto
Gabriel Osório de Barros
Maria Cereja
Rosário Puga
Maria Teresa Inglês Agostinho
Ana Costa
Francisco Lopes da Fonseca
Leonilde Ferreira Viegas
Mariana Granate Fernandes
Teresa Sarmento
Mary Millicent
Alexandra Maia Mendonça
Rita Costa
Ana Miguel
Maria Jose Diegues
Dulce Amaral
Carla Caló
Porfírio Sampaio
João P Martins
Thaisa Boleta
Tiago Leitão
Cristina Leitao
Henrique Ribeiro
Helena Martins
Jacinto Manuel Apostolo
Ines Viegas
Maria Cristina Lacerda
Manuela Viegas
Duarte Amado
Rui Martins
José de Castilho
Nuno Maldonado Tuna
José Curado Gaspar Matias
Maria Estima
Belicha Geraldes
Marta Fonseca
Luis Barata
Maria Graça
António Augusto Ventura
Eugenia Maria Sobreiro
Dora Santos Silva
Luiza Cadaval de Sousa
Ana Paula Bárcia
José Vieira Mesquita
Jorge Rodrigues
Beatriz Maia
Alexandre Ferreira Lima Bastos
Isabel Freitas
José Bação Leal
Diogo Martins de Carvalho
Sampedro Ana Paula
Elisabete Carvalho
Ilda Cruz
Manuel Mello e Castro
Patrícia Garcia
Celestina Costa
Carla Fonseca
Jaime Amores
Teresa Nogueira Santos
Isabel Da Costa Correia
Irene Coelho
Victor Costa
João Ribafeita
Maria Martins da Silva
Pedro Nóbrega da Costa
Dulce Marques Ferreira
Helder Guimarães
Patrício Miguel
Jose Marques
Eduardo Pessoa Santos
Maria Pissarra
Rita Freitas
Sofia Vale
Carlos S Silva
Fernando Barroso de Moura
Rui Pedro Henriques
Ana Sofia Rosa
Francisco Braz Teixeira
Cristina Franco
Rui Alexandre Silva J
Miriam Ribeiro
Vanessa Correia Marques
Antonio Sequeira
Cláudia Almeida
Francisca Villas
Inês Gomes Beirão
Lúcia Carreira Sousa
Marta Belling Castro
Luís Pereira Dos Reis
Ruy Redin
Ines Domingos

(e mais: ver: https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1881263028853162/)

Actualização

“ciclovia e estacionamento é uma dicotomia que se está a acentuar na população. Quais são as propostas da CML para conciliar ambas as realidades? O debate interno nos Vizinhos do Areeiro sobre as obras na Av Guerra Junqueiro é um bom exemplo do interesse da população. Qualquer decisão da CML será sempre polémica mas entendemos que quando chegar a hora de actuar deverá ser sempre comunicada à população independentemente de qualquer polémica. Ficamos todos a ganhar”

Vizinho do Areeiro Jorge Oliveira

“Agradeço a questão que coloca sobre a Guerra Junqueiro porque é uma oportunidade de corrigir uma falha de comunicação por parte da CML. Como sabem foram distribuídos folhetos aos munícipes relativamente a uma obra de pavimentação e isso gerou alguma falta de informação (…) está previsto no plano de ciclovias da cidade de Lisboa 47:30 (que está online) uma ciclovia para a Guerra Junqueiro. Há um orçamento participativo que ganhou para se fazer uma ciclovia na Guerra Junqueiro no sentido ascendente e, de facto, ela está prevista e vai ser realizada quando for pintada a Guerr Junqueiro (…) o estacionamento, num dos lados, deixa de ser longitudinal e a cliclovia é criada. Ao mesmo, a obra do final da Avenida do México 48:00 que vai ser realizada ao mesmo tempo que esta intervenção na Guerra Junqueiro (…) no caso da Avenida do México o estacionamento longitudinal passa a estacionamento em espinha e há um aumento de lugares na Avenida do México (…) vamos disponibilizar o projecto (CML e JFA) (…) contacto com associação de comerciantes onde conseguimos perceber melhor os problemas do comércio o que nos permitiu despoletar um conjunto de medidas de estacionamento no ponto de vista dos comerciantes 49:02. Utilização do parque da Alameda de descontos para os comerciantes darem aos seus clientes e uma limitação que não conhecia que era a dos comerciantes terem o fundo de caixa para pagarem essas horas de estacionamento e combinei com o sr. Presidente de Junta que um de nós vai fazer esse pagamento. A Junta, CML ou EMEL vai comprar esses cartões em adiantado (…) e só serão pagos quando forem usados. Foi uma oportunidade para melhorar este aspecto (…) assim que o tempo estiver favorável arrancam as duas obras” 50:06

Vereador Miguel Gaspar

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018
https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

 

Cartazes e estruturas na Alameda Afonso Henriques: Resposta de PCP e BE

Em dezembro de 2016 os Vizinhos do Areeiro apelaram ao PCP e ao BE para deslocassem os outdoors que mantêm na Alameda Afonso Henrique e que tapam a vista do monumento:

http://vizinhosdoareeiro.org/cartazes-da-cdu-e-be-e-suas-estruturas-na-alameda-afonso-henriques-lisboa-pedido-a-estes-partidos-e-coligacoes/

O PCP respondeu:

O Partido Comunista Português acusa a recepção da vossa mensagem relativa à propaganda política existente na Alameda Dom Afonso Henriques e sobre teor da mesma cumpre informar:

– Como salienta na sua mensagem é princípio do PCP responder e contactar com a população, essa é aliás uma das muitas características que o distingue de outros partidos políticos, uma política para as pessoas com as pessoas;

– O Outdoor do PCP foi derrubado pelo vento e a sua mensagem de propaganda politica arrancada, pelo que o PCP assim que se apercebeu do sucedido renovou o mesmo com propaganda política actual, encontrando-se o mesmo neste momento a cumprir a sua função constitucionalmente consagrada;

Mais,

O PCP conhece as normas constitucionais, deliberações da CNE e demais legislação aplicável as quais cumpre escrupulosamente;

Assim,

Por outro lado o PCP no âmbito da sua actividade politica não pode admitir quaisquer restrições abusivas à mesma, pelo que aproveita para os enquadrar no conceito de propaganda politica e no seu quadro legal:

A Lei fundamental do país (Constituição da República Portuguesa) estabeleceu diversas normas no sentido de garantir o acesso à actividade política, não permitindo discriminações ou quaisquer impedimentos que a restrinjam.

Direitos que foram desde logo consagrados no capítulo das liberdades e garantias, sendo por isso, regras de aplicação directa nos termos do art.º 18º deste mesmo diploma, não carecendo a sua aplicabilidade de diploma legislativo que lhes dêem conteúdo.

Estabelece a Constituição da República Portuguesa:

“Artigo 37.º

(Liberdade de expressão e informação)

Todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de se informar e de ser informados, sem impedimentos nem discriminações.

O exercício destes direitos não pode ser impedido ou limitado por qualquer tipo ou forma de censura.

As infracções cometidas no exercício destes direitos ficam submetidas aos princípios gerais de direito criminal ou do ilícito de mera ordenação social, sendo a sua apreciação respectivamente da competência dos tribunais judiciais ou de entidade administrativa independente, nos termos da lei.

4 (..)”

Termos em que se esclarece:

Que se considera devido ao afastamento do Monumento Nacional em causa, a Fonte Luminosa, a propaganda colocada não afecta a sua beleza e enquadramento;

O painel em causa não representa qualquer género de ilícito mas sim consubstancia a liberdade de expressão política democrática, princípio transversal a todo o estado de direito democrático e por isso inalienável.

Pelo que só nos resta reiterar a liberdade de expressão democrática e desde já informar que estaremos sempre disponíveis para o diálogo com a população, sendo certo que não podemos abdicar do direito constitucional de fazer passar a nossa mensagem política.”

Após o que o Bloco de Esquerda responderia:

“No passado mês de Janeiro, devido a fortes temporais, algumas das nossas estruturas de propaganda no formato outdoor ficaram danificadas. Apesar dos esforços para que a sua reparação ocorresse com a maior urgência, só na passada semana ficou reparado o outdoor em questão.

A propaganda politica é importantíssima para a nossa atividade. Sempre que é instalado um painel, é cuidadosamente analisada a sua localização tendo em conta o artigo 4º da lei de publicidade e propaganda (Lei 97/88). Posterior a essa análise, é comunicado ao respetivo Município, sem obrigação mas por cortesia, a intenção dessa colocação. No caso do painel da Alameda, não fomos contactadas pela Câmara Municipal de Lisboa, pelo que o painel se mantém há alguns anos.

Entendendo que esta forma de divulgação pode gerar ocasionais descontentamentos – e pretendemos salientar que tomamos nota, agora, do pedido que nos fazem chegar – porém, é a forma mais eficaz que temos de passar mensagem politica, aplicável a todos os partidos, dentro ou fora de campanha.

Quando no futuro surgir uma reestruturação das nossas localizações em Lisboa, teremos certamente em conta o pedido infra.

Pelo período em que o painel esteve danificado, apresentamos as nossas desculpas.

Ao dispor para qualquer esclarecimento adicional.”

Varandas e Beirais em risco de queda no Areeiro: Desenvolvimentos

Recebemos da CML (e depois de vários contactos da Protecção Civil da CML e do Regimento de Sapadores Bombeiros) um relatório da nossa iniciativa (sob ideia do morador Nuno Dinis Cortiços): http://vizinhosdoareeiro.org/varandas-e-beirais-em-risco-de-queda-no-areeiro

Recordamos que esta iniciativa surgiu depois da queda de um beiral na Praça João do Rio (que provocou danos materiais em várias viaturas) e da queda de partes de uma varanda que feriu – felizmente sem gravidade – um morador da Av João XXI.

Este levantamento feito semanas pelo varrimento visual dos bairros da freguesia e pelo recebimento de inúmeros relatos de moradores por mail deverá ser repetido, agora, noutras freguesias da cidade (e onde a Junta de Freguesia poderia ter tido um papel activo) produziu efeitos:

Relatório “final” da CML:

“Caros Vizinhos do Areeiro,

 Na sequência dos anteriores e-mails e concluídas as visitas aos 79 edifícios por vós referenciados, cumpre informar.

 Assim,

 – 4 edifícios estão em obra e 1 edifício tem Ocupação de Via Pública emitida no mês de Janeiro, pelo que deverá entrar em obras em breve;

– 7 edifícios têm processo de intimação para obras de conservação em curso; todos eles foram analisados e decorrem nos tramites normais;

– 8 edifícios, foram determinadas vistorias nos termos do art.º 90º DL 555/99 de 16/12, com vista à instrução de processo de intimação, 2 das quais já realizadas no corrente mês de Janeiro;

– 51 edifícios foram sinalizados para notificar os proprietários para o dever de conservar, procedimento prévio a uma vistoria e intimação, aplicável quando as patologias verificadas ainda não justificam uma intimação;

– 8 edifícios foram considerados pelos técnicos em estado de conservação regular.

Ainda, das visitas aos locais, identificámos mais 4 edifícios para notificação aos proprietários para o dever de conservar.

Mais uma vez, obrigada pela vossa iniciativa e partilha”

Muito Bem CML!
E esperamos ter assim, evitado acidentes como os acima descritos e, melhor ainda, outros ainda mais graves.

(Obrigado Nuno pela ideia e a todos pelos contributos que foram dando!)

(Em breve o grupo irmão dos “Vizinhos das Avenidas Novas” vai arrancar com uma iniciativa semelhante)

Actualização

“O Bairro do Areeiro tem maioritariamente mais de 70 anos. Muitos dos edifícios não tinham obras de manutenção até hoje e já temos vítimas. Já temos vítimas. Existe um senhor, o senhor Francisco que ao caminhar na João XXI no início do mês de Outubro foi atingido por destroços, por argamassas que se soltaram de um edificio e o foi hospitalizado (…) fizemos na Vizinhos do Areeiro um apanhado e todos aqueles edifícios que poderiam ter originado estas situações e enviámos à CML e sei que a Câmara já tomou acção. Mas gostava de dar também o episódio que ocorreu na João do Rio numa platibanda de um edifício e que, por acaso, não feriu ninguém porque foi às seus 6 da manhã. Na Padre Manuel da Nóbrega existe outra platibanda que visivel da rua tem pelo menos dois dedos de abertura”  (…) “o levantamento que nós fizemos foi de edifícios em que existem materiais em falta, em que j+a aconteceu a queda e foram identificados”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

“O Movimento Vizinhos do Areeiro enviou para a CML em novembro do ano passado uma lista de edifícios que tinham problemas de manutenção: varandas, beirais e outras situações. Os serviços promoveram vistorias a todos os 79 edifícios que foram identificados e o resultado foi que 4 dos edifícios estão em obra e um tem ocupação de via pública emitida no mês de janeiro pelo que deverá iniciar a obra a curto prazo. 7 edificios têm processo de intimiação para obras de conservação (…) têm um prazo de resposta para iniciar a obra. 8 edificios foram determinadas vistorias nos termos da lei com vista à instrução do processo de intimação. Dois dos quais já foram realizadas no mês de janeiro. 51 edifícios foram sinalizados para notificar os proprietários para o dever de conservar” 1:29:14 “Oito foram considerados em estado de conservação regular” (…) “Agradeço o envio da vossa lista foi importante porque os serviços fizeram o seu trabalho que foi, de facto, vistoriar, e já há resultados efectivos” (…) “penso que foi muito útil o trabalho que fizeram”
Vereador Manuel Salgado

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

 

Sugestões de melhoria à requalificação do Largo do Casal Vistoso [Respondido]

A requalificação do Largo do Casal Vistoso foi efectuada pela Junta de Freguesia através de do protocolo de transferência de competências pela Câmara n°396/2016 mas existem, pelo menos, três pontos que parecem merecer, ainda, revisão e eventual correcção:
1. O atravessamento da passadeira não é feito, geralmente, pelo local determinado. Ou se colocam barreiras de impedimento de peões ou se muda o local da passadeira.
2. O separador central do estacionamento devia ser calcetado dado que os automóveis praticamente cobrem o espaço ajardinado além de ser zona de atravessamento de peões que saem dos veículos e é de dificílima manutenção.
3. Os tutores das árvores não cumprem o regulamento do arvoredo de Lisboa.
4. Reavaliar o plano de arvoredo: O largo é muito escuro e foram plantadas 7 (sete!) jacarandás – que são árvores que tem grande crescimento em altura e largura – na parte mais interior e escura do largo. Estas árvores vão causar problemas no futuro. O plano devia ser revisto e entre aquelas 7 (sete) no interior do lago deviam manter-se apenas duas ou três e transplantar as restantes”
(segundo sugestão de moradores)

Segundo o Regimento da Assembleia Freguesia do Areeiro “o prazo máximo para fornecimento de informação aos cidadãos recenseados na freguesia é de 10 dias, se outro prazo mais curto não for possível cumprir”.

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Madalena Matambo Natividade
Elvina Maria Reis Rosa
Gustavo Ambrósio
Nuno Miguel Cabeçadas
Maria Cortez Caetano
Elsa Felizardo
Luis Seguro
Mira de Lacerda
Francisco Lopes da Fonseca
Dulce Amaral
Jacinto Manuel Apostolo
Maria Saraiva
Beatriz Maia
Maria Lourdes Alves Gouveia
Fátima Mayor
Margarida Braz Pinto Coimbra
Paula Saragoça
Ana Paula Sampedro
2 amigos em comum
Ilda Cruz
Zélia Pereira
Ana Martins da Cruz
Luis Pina Amaro
Pedro Correia
Susana Castanheira
Clara Melo
Pedro Barata
Ruy Redin

 

Actualização de 18 de Janeiro de 2018:
“GAP/ 158 /2018
Exmos. Senhores
Em relação ao assunto em epigrafe, encarrega-me o senhor Presidente da Junta de Freguesia do Areeiro de informar que reencaminhamos a proposta ao arquiteto autor do projeto para apreciar.”

Actualização de 12 de Março de 2018
17 de janeiro
“Sugestões De Melhoria À Requalificação Do Largo Do Casal Vistoso
A requalificação do Largo do Casal Vistoso foi efectuada pela Junta de Freguesia através de do protocolo de transferência de competências pela Câmara n°396/2016 mas existem, pelo menos, três pontos que parecem merecer, ainda, revisão e eventual correcção:

1. O atravessamento da passadeira não é feito, geralmente, pelo local determinado. Ou se colocam barreiras de impedimento de peões ou se muda o local da passadeira.
2. O separador central do estacionamento devia ser calcetado dado que os automóveis praticamente cobrem o espaço ajardinado além de ser zona de atravessamento de peões que saem dos veículos e é de dificílima manutenção.
«O separador Central do Largo do Casal Vistoso foi um erro de projeto, tal como me indicou. A Junta de Freguesia do Areeiro irá realizar o calcetamento deste separador assim que a EMEL inicie a exploração do local.» – Departamento de Espaços Verdes”

  1. Os tutores das árvores não cumprem o regulamento do arvoredo de Lisboa.

«Os tutores das árvores existentes no Largo do casal Vistoso , realmente não se encontram de acordo com o regulamento do arvoredo de Lisboa, que indica:

A tutoragem deverá ser feita com 3 ou 4 varas de madeira com tratamento antifúngico, com altura de 2,5 m e diâmetro de 6 a 8 cm. As varas devem ser enterradas 1 m no solo, ficando 1,5 m desde o colo da árvore ao ponto de amarração e devem estar ligadas entre si com traves de 40 a 60 cm de comprimento ou com outra estrutura, nomeadamente metálica que permita o travamento das varas entre si, sem danificar a árvore. A amarração da árvore às varas de madeira far-se-á em três pontos (um para cada vara), com cinta elástica de 8 a 10 cm de largura. As cintas são presas com agrafos.

As árvores em questão só possuem 1 tutor, com diâmetro inferior ao pedido e as cintas também não são as apropriadas para o efeito e têm dimensões inferiores. Podemos retificar esta situação.» – Departamento de Espaços Verdes

  1. Reavaliar o plano de arvoredo: O largo é muito escuro e foram plantadas 7 (sete!) jacarandás – que são árvores que tem grande crescimento em altura e largura – na parte mais interior e escura do largo. Estas árvores vão causar problemas no futuro. O plano devia ser revisto e entre aquelas 7 (sete) no interior do lago deviam manter-se apenas duas ou três e transplantar as restantes”

«Os jacarandás são árvores de crescimento rápido, muito utilizadas na ornamentação de ruas, calçadas, praças e parques, pois suas raízes não são agressivas. Adaptam-se a uma ampla variedade de locais e  são resistente à poluição urbana e à maioria das enfermidades. A opção deste tipo de árvore para o local é adequada, no entanto foram plantadas em demasia. Em pelo menos 2 talhões existem 2 árvores muito próximas. Penso que podíamos transplantar 3 árvores, diminuindo assim problemas no futuro.» – Departamento de Espaços Verdes”

Quinta das Ameias: Pedido de preservação de muro, ameias e restos de capela [Respondido]


Os subscritores requerem aos serviços competentes da CML que quando quando analisarem a urbanização da “Quinta das Ameias” (fronteira à Av Afonso Costa) recentemente vendida a particular pelo BCP tenham presente a necessidade de preservação das ameias e respectivo muro, assim como o que resta da capela (com torre sineira) que pode ser visto a partir da Av Gago Coutinho.
Trata-se de um “lote com uma área total de 4.384 m2, na zona do Areeiro” (…) “localizado no início da avenida Afonso Costa, junto à praça do Areeiro, e que confronta ainda com a rua Sarmento de Beires e a Quinta Casal Vistoso, o lote permite uma área de construção máxima na ordem dos 40.000 m2 e uma cércea que poderá contemplar um máximo de 18 a 20 pisos.

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Rui Pedro Barbosa
Paulo Ferrero
Elvina Maria Reis Rosa
Anabela Nunes
Luisa Castro Correia
Gabriel Osório de Barros
Ana Costa
Francisco Lopes da Fonseca
Anibal Santos
Zélia Pereira
Ana Paula Araújo
Lezíria Couchinho
Ana Martins da Cruz
Irene Coelho
Rui Santos
Cristina Aleixo
Jacinto Manuel Apostolo
Maria Godinho
Antonio Sequeira
Helena Espvall
Filipe Madureira

Actualização de 26.02.2018

Análise às respostas ao inquérito ao estacionamento no Areeiro de Dezembro de 2017

1. A maioria dos residentes chega de carro entre as 18 e as 20 (pico de procura de lugares de estacionamento)
2. 81.1% usa lugares da EMEL, mas 11.7% têm parque de estacionamento e apenas 6.3% garagem própria
3. De manhã, a maioria dos moradores deixa o lugar de estacionamento entre as as 8:00 e as 9:00 (mais de 55%)
4. Cerca de 50% gastam entre 5 a 10 minutos à procura de lugar para estacionar
5. 43.2% declara que estaciona longe de casa por não encontrar lugar perto
6. 41.4% tem 2 dísticos EMEL a mesma percentagem que tem apenas 1 (a confirmar-se será uma média mais baixa que a da cidade de Lisboa)
7. 29.7% admite estacionar, frequentemente, fora dos lugares oficialmente consagrados para esse efeito
8. 9.9% tem uma avença num parque das redondezas
9. Apenas 1.8% tem uma avença no Parque da Junta de Freguesia
10. 64% entende que a Junta deve expandir o seu parque de estacionamento
11. 69.4% acha que os parques da Empark e EMEL são demasiado caros e 62.2% que fazem falta mais parques destes operadores
12. 74.% não quer prescindir de ter carro próprio e de o trocar por um sistema de mobilidade partilhada (mas 20.7% admite tal opção)
13. 51.4% admite ter alternativas de transporte público
14. 85.3% declara andar mais de 8 vezes de carro por mês, 13.7% entre 2 a 8 vezes
15. 88.1% usa automóvel como “veículo corrente” e apenas 3.6% a bicicleta. As outras formas de mobilidade são vestigiais
Conclusões e Propostas:
1. Lugares reservados para empresas e autarquias (CTTs, AML, Junta e CML) devem ter sempre, por regra, limitação apenas para horas laborais cessando esta pelas 19:00 e começando pelas 9:00
2. Devem ser aumentados os lugares de parque de estacionamento (nomeadamente para compensar o fim do parque Empark da Sacadura Cabral)
3. Devem ser reforçados os lugares de estacionamento, nomeadamente pela criação de “estacionamento em espinha” onde tal for tecnicamente viável e criando novos lugares sempre que isso for possível (p.ex. Bairro dos Actores e Sacadura Cabral)
4. Aumentar a quantidade de lugares do Parque de Estacionamento da Junta de Freguesia (existem terrenos livres adjacentes)
5. Realizar contactos com Empark e EMEL no sentido destas entidades descerem os preços dos seus parques (nomeadamente através de contratos de volume com a Junta de Freguesia)
6. Reforçar (muito) a oferta dos sistemas de mobilidade partilhada em Lisboa

Actualização de 10.01.2018
Este inquérito foi publicado (com autorização) no site da Junta de Freguesia do Areeiro:
http://www.jf-areeiro.pt/pt/inquerito-ao-estacionamento-na-freguesia-do-areeiro