Perguntas sem resposta dos Vizinhos do Areeiro à Junta de Freguesia do Areeiro

1
Sugestões de melhoria à aplicação AreeiroMais da Junta de Freguesia do Areeiro

http://vizinhosdoareeiro.org/sugestoes-de-melhoria-a-aplicacao-areeiromais-da-junta-de-freguesia-do-areeiro/

2
Pedido de Informação: Mapa de financiamento e retorno (prestação de contas) dos apoios da Junta de Freguesia às associações na freguesia

http://vizinhosdoareeiro.org/pedido-de-informacao-mapa-de-financiamento-e-retorno-prestacao-de-contas-dos-apoios-da-junta-de-freguesia-as-associacoes-na-freguesia/

3
Parque Canino do Jardim Fernando Pessa: Questões à Junta de Freguesia do Areeiro

http://vizinhosdoareeiro.org/parque-canino-do-jardim-fernando-pessa-questoes-a-junta-de-freguesia-do-areeiro/

4
Proposta de voto de pesar à família de Pedro Rolo Duarte apresentada aos eleitos da Assembleia de Freguesia do Areeiro

http://vizinhosdoareeiro.org/proposta-de-voto-de-pesar-a-familia-de-pedro-rolo-duarte-apresentada-aos-eleitos-da-assembleia-de-freguesia-do-areeiro/

5
Sugestões para o Plano de Emergência do Areeiro

http://vizinhosdoareeiro.org/sugestoes-para-o-plano-de-emergencia-do-areeiro/

Sugestões de melhoria à aplicação AreeiroMais da Junta de Freguesia do Areeiro

Sugestões de melhoria à aplicação AreeiroMais https://areeiromais.jf-areeiro.pt/geomarkers da Junta de Freguesia do Areeiro
1. Falta uma caixa que permita escrever as ruas a procurar na aplicação para submeter pedidos mais rapidamente
2. Falta indicar – no momento da criação – o nº de pedido (este só é recebido por mail: mais tarde)
3. A versão App (móvel) é muito limitada: não tira, p.ex. Fotos para novas ocorrências com GPS como a Na Minha Rua da CML. De facto é apenas uma interface browser para a aplicação web.
4. A mensagem de registo não indica nem o nº nem o local ou natureza da ocorrência
5. Nem todas as competências da Junta aparecem listadas como tipos de ocorrência (muitas parecem agregadas em “Espaço Urbano”.
6. A App poderia ter uma “ajuda” indicando o que são competências da CML e da JFA
7. Seria uma melhoria significativa se fosse adicionado um filtro temporal ou por tipologia para visualização de ocorrências, porque neste momento a informação é tanta que se torna incompreensível e redundante.
8.Sugiro também um filtro que permita mostrar as ocorrências próprias de forma a facilitar o seguimento das mesmas.
9. Quando se cria dois pedidos seguidos a aplicação bloqueia nas rodas dentadas até que se faça um F5 (Refresh)

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Luis Seguro
Ana Benavente
Patrícia Matos Palma
Isabel Tomas Rodrigo
Zélia Brito
Ana Costa
Mariana Bettencourt
Carla Caló
Elsa Felizardo
Rosarinho Quina
Raquel Leite
Duarte Santos
Dulce Amaral
Bruno Beja Fonseca
Porfírio Sampaio
Francisco Lopes da Fonseca
Manuela Viegas
Fátima Mayor
Ilda Cruz
Lurdes Severino
Jose Silva
Jorge Antunes
Maria Julieta Mendes Martins
Lezíria Couchinho
Irene Coelho
Pedro Leonardo
João Ribafeita
Joana Duarte
Ricardo Alexandre Almeida Esteves
Maria Luisa Ferreira
Rui Dias
Jorge Basto
Sofia Carvalho Coelho
João da Bernarda
Sandra Gaspar
Eva Falcão
Dulce Franco
Pedro Barata
Ruy Redin
Paula Cristina Santos

Abates de árvores frente ao Filipa de Lencastre no Logradouro da Praça Pasteur: questões e aparentes faltas de informação [Respondido]

A 13 de fevereiro, uma empresa de jardinagem ao serviço da Junta de Freguesia do Areeiro (?) realizou várias operações de poda e abate na freguesia.
Ora não só os avisos não foram afixados com a antecedência de 10 dias (como determina o art. 24 do Regulamento do Arvoredo), nem constam no site da Câmara Municipal.
Os abates realizados (pelo menos 2: talvez 4) frente ao Filipa de Lencastre e um (figueira) no Logradouro da Praça Pasteur além de não cumprirem esse prazo também não foram sustentados por relatórios fitosanitários afixados nas árvores alvo deste abate como é regulamentar nestes casos.
Dadas estas aparentes faltas de informação verificamos que o regulamento do arvoredo poderá não estar a ser cumprido. O abate e poda de árvores é um assunto que move paixões entre os cidadãos pelo que deve ser abordado com total transparência para evitar sobressaltos e desconfiança quanto à justeza das intervenções a efectuar.
Solicitamos que os abates sejam interrompidos (nomeadamente na Pç João do Rio) até à publicação dos respectivos relatórios fitossanitários.
Questionamos ainda se estes abates foram “urgentes” por as árvores representarem “um risco para pessoas e bens, considerando o seu estado de conservação fitossanitária, devidamente avaliado por técnico da Freguesia ou do Município, de laboratório público ou de instituição de ensino superior ou de empresa habilitada para o efeito” (art. 25) ou se se verificou uma condição de “emergência” em que “a Autarquia [Junta?] pode proceder ao abate de árvores por indicação do Serviço Municipal de Proteção Civil de Lisboa”.
Questionamos ainda as entidades responsáveis se já estão em condições de responder ao nosso pedido
http://vizinhosdoareeiro.org/abate-de-arvores-na-rua-marga…/
(que pede a alteração do projecto deste parque de estacionamento por forma a evitar o abate de várias árvores)

Segundo o Regimento da Assembleia Freguesia do Areeiro “o prazo máximo para fornecimento de informação aos cidadãos recenseados na freguesia é de 10 dias, se outro prazo mais curto não for possível cumprir

Subscrevem
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Ana Benavente
Paulo Ferrero
Nuno Dinis Cortiços
Jorge Santos Silva
José João Leiria-Ralha
Teresa Raposo
Raquel Leite
Sofia Pinheiro
Ilda Cruz
Dulce Amaral
Ana Miguel
João Santos
José Filipe Toga Soares
Emilio Santos Pinto
Zira Marcelino
Eduardo Duarte Coelho
Nuno Domingos
Olimpio Fernandes
Ana Paula Sampedro
Eduardo Pessoa Santos
Rosa Casimiro
Cristina Franco
Teresa Sarmento
Bruno Beja Fonseca
Luís Pereira Dos Reis
Gloria Morales Delos Rios

Actualização de 20.02.2018

Quanto aos abates de plátanos realizados pela Junta de Freguesia do Areeiro:
questionámos a CML recebendo a resposta:
“Sobre o abate em causa, somos a remeter informação sobre o assunto: http://www.cm-lisboa.pt/fileadmin/Noticias/ficheiros/Ficha_17-_R._Ladislau_Picarra.pdf:
“Fundamentação:. Ramos e pernadas com grandes lesões com lenho exposto apodrecido”
O mesmo foi autorizado pela CML conforme fundamentos descritos.
A Junta de Freguesia do Areeiro deveria ter guardado o período estipulado para informação antes da execução dos abates, facto que não aconteceu.
Vamos elaborar uma circular informativa para afinar os procedimentos com as diferentes entidades que gerem o arvoredo na cidade”

Actualização de 06.03.2018
Resposta da Direção Municipal da Estrutura Verde, do Ambiente e Energia da CML aos Vizinhos do Areeiro:
No seguimento do contacto estabelecido por e-mail do passado dia 13 de Fevereiro, cumpre-nos informar, relativamente ao pedido de esclarecimento sobre o abate das árvores localizadas em ajardinados da Freguesia do Areeiro e de acordo com a avaliação efetuada pelos serviços competentes, que os exemplares em causa, da espécie Platanus sp,. apresentavam um mau estado fitossanitário, com ramos e pernadas com grandes lesões e o lenho exposto apodrecido. Esta informação pode ser consultada em http://www.cm-lisboa.pt/…/ficheiros/Ficha_17-_R._Ladislau_P…
Por estas razões e estando em causa a segurança de pessoas e bens, entendeu-se que deveriam ser removidas e substituídas pela plantação de outras da mesma espécie.
Mais informamos que todas as intervenções no arvoredo da cidade, designadamente os abates de árvores, se encontram reguladas (despachos 60/P/12-Procedimentos para a remoção de árvores, publicado no Boletim Municipal n.º 963, de 2 de agosto 2012, e 95/P/16-Procedimento para a remoção de árvores em espaço público com projeto aprovado por deliberação de Câmara, publicado no Boletim Municipal n.º 1173, de 1 de setembro 2016, em http://www.cm-lisboa.pt/municipio/boletim-municipal/), sendo previamente comunicadas às juntas de freguesia da área e divulgadas no Portal da Câmara Municipal de Lisboa””

 

Pedido de Informação: Mapa de financiamento e retorno (prestação de contas) dos apoios da Junta de Freguesia às associações na freguesia

Tendo em conta que a Junta de Freguesia contribui financeiramente para os orçamentos de várias associações e colectividades na freguesia os subscritores requerem à autarquia a lista de todas as associações beneficiadas, quanto deste orçamento foi mesmo executado e se há prestação de contas – e se esta está publicada – quanto aos serviços prestados à comunidade por essas entidades.
A informação constante no Orçamento e Plano está dispersa em várias rubricas e não inclui – aparentemente – nem o componente de execução nem os serviços suportados por esse financiamento.

Segundo o Regimento da Assembleia Freguesia do Areeiro “o prazo máximo para fornecimento de informação aos cidadãos recenseados na freguesia é de 10 dias, se outro prazo mais curto não for possível cumprir.

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Nuno Dinis Cortiços
Anabela Nunes
Luis Seguro
Teresa Raposo
Carla Caló
Maria Estima
Maria Saraiva
António Cintra
Maria Julieta Mendes Martins
Elisa Scarpa
Margarida Seguro
Diamantino Lopes
Zira Marcelino
Eduardo Duarte Coelho
Maria Anabela Melo Egídio
Pedro Hebil

Incumprimento do Protocolo que estabeleceu a recente intervenção no Logradouro da Praça Pasteur (Lisboa) [Respondido]

Os Subscritores alertam as entidades responsáveis pelo Protocolo que estabeleceu a recente intervenção no Logradouro da Praça Pasteur que estão por cumprir:
1. EMEL: em falta na execução dos arranjos exteriores orçamentados, em especial nos canteiros e arvoredo;
2. IGF-SS: não obstante o limite estabelecido de 35 autorizações, neste momento, verifica-se a existência de 37 (mais os dois lugares sinalizados como exclusivos); e a
3. JFA: omissa em intervir na manutenção do espaço, mesmo após inúmeras solicitações.

Segundo o Regimento da Assembleia Freguesia do Areeiro “o prazo máximo para fornecimento de informação aos cidadãos recenseados na freguesia é de 10 dias, se outro prazo mais curto não for possível cumprir”

(iniciativa conjunta com Comissão de Moradores da Praça Pasteur, Areeiro, Lisboa)

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Nuno Dinis Cortiços
Elvina Maria Reis Rosa
Anabela Nunes
Nuno Miguel Cabeçadas
Luis Seguro
Ana Bravo
Patrícia Matos Palma
Carla Sofia Duarte
Cristina Azambuja
Francisco Lopes da Fonseca
Teresa Sarmento
Carla Caló
Thaisa Boleta
Maria Cristina Lacerda
Elisabete Carvalho
Maria Ana Capoula
Rui Costa
Manuel Mello e Castro
Teresa Nogueira Santos
Graciano Venâncio Morais
Ana Leite Pereira
João Ribafeita
Patricia S Bernardo
Maria Concepcion
Vitor Lopes
Inês Duarte Galvão Capicho
Pedro Ventura
Ines Pinto Da Costa
Ruy Redin
Ana Rita Vozone

 

Actualização

“No logradouro da Praça Pasteur foi criado uma concessão à EMEL e fez um conjunto de obras. Mas há um incumprimento por parte de todas as partes que assinaram o protocolo. O IGF tem 35 lugares mas neste momento já emitiu 37 reduzindo o nº de lugares aos logradouros. A EMEL incumpre no cuidado dos espaços verdes conforme o protocolo que tenho aqui e que posso ceder com arranjos exteriores que até agora não realizou. Ajunta apesar do texto não ser claro, tem a manutenção dos espaços cerdes e a manutenção pedonal, o que é estranho porque aquilo acaba por ser automóvel (…) no último pedido que fizemos a Junta esta passou à EMEL a reparação dos danos que têm entretanto ocorrido”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

1:22:12 “há uma grande preocupação com a falta de lugares na freguesia (…) os parques GIRA, as ciclovias e a não ocupação dos parques de estacionamento cobertos”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

“Estamos a falar com o parque do Casal Vistoso para que a EMEL lance uma tarifa mais baixa para residentes e espero que seja exemplo para que a consigamos levar a outros parques da freguesia e não só” 1:31:58

Vereador Miguel Gaspar

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

Actualização

“Os logradouros concessionados à EMEL durante a noite não têm fiscalização (…) Na Praça Pasteur com o Bingo ao lado e os seus clientes utilizam o estacionament. Os residentes que chegam mais tarde dos seus empregos não conseguem estacionar. E não há lei. A EMEL não funciona à noite. A Polícia Municipal não faz reboques naquele espaço”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

“temos informação que ainda havia um problema com as obras na Praça Pasteur e que estava a ser corrigido.Em relação aos espaços verdes não tinha essa informação mas vou confirmar. Os lugares são lugares de rotação (..) era um terreno privado do IGSS e que a EMEL fez obra e ficou disponivel para a população. Se há evidências de falta de fiscalização vou pedir um reforço” (…) “

Vereador Miguel Gaspar

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

 

 

 

Carta aberta à Junta de Freguesia do Areeiro (lagartas do pinheiro no jardim superior da Alameda)

Os Vizinhos do Areeiro expressam a sua preocupação pelo ressurgimento repetido de lagartas do pinheiro no jardim superior da Alameda. Este jardim é frequentado por grande número de cães que pela sua curiosidade natural são as maiores vítimas desta praga, juntamente com crianças que possam estar a brincar no chão.

Os Vizinhos do Areeiro entendem que uma praga com estas características não será fácil eliminar mas também entendem que não será normal que apesar das múltiplas intervenções da Junta de Freguesia tal volte a suceder por três vezes em menos de 2 semanas num espaço tão pequeno.

Apelam por isso a uma intervenção verdadeiramente eficaz e que se façam inspecções periódicas ao arvoredo de toda a freguesia forma a evitar novas ocorrências e que se adoptem as medidas profiláticas necessárias para reduzir a ocorrência desta praga”.

(segundo o Regimento da Assembleia Freguesia do Areeiro “o prazo máximo para fornecimento de informação aos cidadãos recenseados na freguesia é de 10 dias, se outro prazo mais curto não for possível cumprir”)

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Elvina Maria Reis Rosa
Anabela Nunes
Rodolfo Franco
Nuno Miguel Cabeçadas
Teresa Raposo
Zélia Brito
Mariana Bettencourt
Francisco Lopes da Fonseca
Leonilde Ferreira Viegas
Miguel Madeira
Helena Ferreira
Emilio Santos Pinto
Alexandra Maia Mendonça
Pedro Gomez
Dulce Amaral
Carla Caló
Jacinto Manuel Apostolo
Margarida Magalhães
Manuela Viegas
Miguel Felner Paula
Dora Santos Silva
Fátima Mayor
Anabela Gouveia
Zélia Pereira
Leonardo Rosa
Ilda Cruz
Patrícia Garcia
Irene Coelho
Maria Ana Neves
Isabel Catarina Ferreira
André Calado Coroado
Ana Judite Peres
José Manuel FL
Zira Marcelino
Maria Martins da Silva
Susana De Brito Dias
Sofia Reis
Sara Teixeira
Joana Morgado
Isabel Neves
Filipe Oliveira
Elsa Santos Alípio
Maria Anabela Melo Egídio
Carolina Lemos E Sousa
Rita Martinez
Alina Silva
Francisco Braz Teixeira
Cristina Lemos Machado
Rui Martinho
Rute Pereira
Pedro Amaral
Rita Dias Costa
Mau Madureira
Anna Vergeat
Francisco Frazão
Marta Belling Castro
Ana Bacalhau
Carla Cardoso
Actualização de 24.02.2018
Processionárias (lagartas do pinheiro) e cães na Alameda Afonso Henrique Ribeiroes: Combinação perigosa com efeitos potencialmente letais: “A lagarta do Pinheiro, Processionária, é um insecto que ataca a maioria dos Pinheiros bem como alguns Cedros, provocando a sua Morte. Tem efeitos nocivos quando em contacto com os humanos e animais domésticos, provocando irritações de Pele, olhos e aparelho respiratório”
A 8 de Fevereiro denunciámos esta situação à Junta de Freguesia do Areeiro que AINDA NÃO DEU QUALQUER RESPOSTA:
http://vizinhosdoareeiro.org/carta-aberta-a-junta-de-fregu…/
(o que é uma violação flagrante do Código do Procedimento Administrativo e do próprio regimento que regula o funcionamento da Assembleia de Freguesia).
Em consequência acaba de seguir um pedido de pronunciamento sobre esta situação a todas as forças políticas com assento nesta Assembleia de Freguesia.

 

Quantos trabalhadores em regime precário laboram na Junta de Freguesia do Areeiro? [respondida]

“Os Subscritores deste pedido à Junta de Freguesia do Areeiro gostariam de saber quantos trabalhadores em regime precário (avenças ou outro tipo de precariedade) estão actualmente ao serviço da autarquia, se existem planos para reduzir e internalizar estes recursos e quais são as motivações para a permanência deste tipo de relações laborais nesta autarquia local.”

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Elvina Maria Reis Rosa
Elsa Felizardo
Luis Seguro
Vitor Martins
Rodolfo Franco
Teresa Raposo
Raquel Leite
Mariana Bettencourt
Pedro Pinto
Cristina Azambuja
Ana Costa
Francisco Lopes da Fonseca
Patricia Alves
Ana Miguel
Leonilde Ferreira Viegas
João Manso Pinheiro
Maria Saraiva
Fernando Pires
Maria Lourdes Alves Gouveia
Ana Paula Sampedro
Paulo Silva
Cristina Milagre
Zélia Pereira
Ana Martins da Cruz
Irene Coelho
Margarida Reis
João Ribafeita
Eduardo Duarte Coelho
Susana Martins
Maria Lurdes Oliveira
Daniel Portugal
João Silva
Rui Martinho
Nadili de León

Actualização de 12.03.2018

30 de janeiro
“Quantos Trabalhadores Em Regime Precário Laboram Na Junta De Freguesia Do Areeiro?
Os Subscritores deste pedido à Junta de Freguesia do Areeiro gostariam de saber quantos trabalhadores em regime precário (avenças ou outro tipo de precariedade) estão actualmente ao serviço da autarquia, se existem planos para reduzir e internalizar estes recursos e quais são as motivações para a permanência deste tipo de relações laborais nesta autarquia local.”

  • «A Junta de Freguesia de Areeiro, tem a perspetiva de reconhecer e regularizar as situações identificadas como vínculos precários, à luz da Lei 112/2017, de 29 de dezembro, que estabelece quais as situações abrangidas pela regularização extraordinária de vínculos precários,.
  • De momento, o processo para a esta integração está em curso, devendo os respetivos procedimentos concursais de regularização iniciar-se assim que toda a informação necessária seja recolhida. Todas as informações relativamente aos mesmos serão disponibilizadas assim que tal esteja concluído.
  • Os planos de integração supracitados têm como intuito a regularização da totalidade das situações identificadas como vínculos precários pela legislação referida.» – Núcleo de Recursos Humanos

 

Sugestões de melhoria à requalificação do Largo do Casal Vistoso [Respondido]

A requalificação do Largo do Casal Vistoso foi efectuada pela Junta de Freguesia através de do protocolo de transferência de competências pela Câmara n°396/2016 mas existem, pelo menos, três pontos que parecem merecer, ainda, revisão e eventual correcção:
1. O atravessamento da passadeira não é feito, geralmente, pelo local determinado. Ou se colocam barreiras de impedimento de peões ou se muda o local da passadeira.
2. O separador central do estacionamento devia ser calcetado dado que os automóveis praticamente cobrem o espaço ajardinado além de ser zona de atravessamento de peões que saem dos veículos e é de dificílima manutenção.
3. Os tutores das árvores não cumprem o regulamento do arvoredo de Lisboa.
4. Reavaliar o plano de arvoredo: O largo é muito escuro e foram plantadas 7 (sete!) jacarandás – que são árvores que tem grande crescimento em altura e largura – na parte mais interior e escura do largo. Estas árvores vão causar problemas no futuro. O plano devia ser revisto e entre aquelas 7 (sete) no interior do lago deviam manter-se apenas duas ou três e transplantar as restantes”
(segundo sugestão de moradores)

Segundo o Regimento da Assembleia Freguesia do Areeiro “o prazo máximo para fornecimento de informação aos cidadãos recenseados na freguesia é de 10 dias, se outro prazo mais curto não for possível cumprir”.

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Madalena Matambo Natividade
Elvina Maria Reis Rosa
Gustavo Ambrósio
Nuno Miguel Cabeçadas
Maria Cortez Caetano
Elsa Felizardo
Luis Seguro
Mira de Lacerda
Francisco Lopes da Fonseca
Dulce Amaral
Jacinto Manuel Apostolo
Maria Saraiva
Beatriz Maia
Maria Lourdes Alves Gouveia
Fátima Mayor
Margarida Braz Pinto Coimbra
Paula Saragoça
Ana Paula Sampedro
2 amigos em comum
Ilda Cruz
Zélia Pereira
Ana Martins da Cruz
Luis Pina Amaro
Pedro Correia
Susana Castanheira
Clara Melo
Pedro Barata
Ruy Redin

 

Actualização de 18 de Janeiro de 2018:
“GAP/ 158 /2018
Exmos. Senhores
Em relação ao assunto em epigrafe, encarrega-me o senhor Presidente da Junta de Freguesia do Areeiro de informar que reencaminhamos a proposta ao arquiteto autor do projeto para apreciar.”

Actualização de 12 de Março de 2018
17 de janeiro
“Sugestões De Melhoria À Requalificação Do Largo Do Casal Vistoso
A requalificação do Largo do Casal Vistoso foi efectuada pela Junta de Freguesia através de do protocolo de transferência de competências pela Câmara n°396/2016 mas existem, pelo menos, três pontos que parecem merecer, ainda, revisão e eventual correcção:

1. O atravessamento da passadeira não é feito, geralmente, pelo local determinado. Ou se colocam barreiras de impedimento de peões ou se muda o local da passadeira.
2. O separador central do estacionamento devia ser calcetado dado que os automóveis praticamente cobrem o espaço ajardinado além de ser zona de atravessamento de peões que saem dos veículos e é de dificílima manutenção.
«O separador Central do Largo do Casal Vistoso foi um erro de projeto, tal como me indicou. A Junta de Freguesia do Areeiro irá realizar o calcetamento deste separador assim que a EMEL inicie a exploração do local.» – Departamento de Espaços Verdes”

  1. Os tutores das árvores não cumprem o regulamento do arvoredo de Lisboa.

«Os tutores das árvores existentes no Largo do casal Vistoso , realmente não se encontram de acordo com o regulamento do arvoredo de Lisboa, que indica:

A tutoragem deverá ser feita com 3 ou 4 varas de madeira com tratamento antifúngico, com altura de 2,5 m e diâmetro de 6 a 8 cm. As varas devem ser enterradas 1 m no solo, ficando 1,5 m desde o colo da árvore ao ponto de amarração e devem estar ligadas entre si com traves de 40 a 60 cm de comprimento ou com outra estrutura, nomeadamente metálica que permita o travamento das varas entre si, sem danificar a árvore. A amarração da árvore às varas de madeira far-se-á em três pontos (um para cada vara), com cinta elástica de 8 a 10 cm de largura. As cintas são presas com agrafos.

As árvores em questão só possuem 1 tutor, com diâmetro inferior ao pedido e as cintas também não são as apropriadas para o efeito e têm dimensões inferiores. Podemos retificar esta situação.» – Departamento de Espaços Verdes

  1. Reavaliar o plano de arvoredo: O largo é muito escuro e foram plantadas 7 (sete!) jacarandás – que são árvores que tem grande crescimento em altura e largura – na parte mais interior e escura do largo. Estas árvores vão causar problemas no futuro. O plano devia ser revisto e entre aquelas 7 (sete) no interior do lago deviam manter-se apenas duas ou três e transplantar as restantes”

«Os jacarandás são árvores de crescimento rápido, muito utilizadas na ornamentação de ruas, calçadas, praças e parques, pois suas raízes não são agressivas. Adaptam-se a uma ampla variedade de locais e  são resistente à poluição urbana e à maioria das enfermidades. A opção deste tipo de árvore para o local é adequada, no entanto foram plantadas em demasia. Em pelo menos 2 talhões existem 2 árvores muito próximas. Penso que podíamos transplantar 3 árvores, diminuindo assim problemas no futuro.» – Departamento de Espaços Verdes”

Abaixo-assinado NÃO FECHEM a ESQUADRA DA PSP ! (10ª de Lisboa Arroios-Areeiro) [respondido]

Para:
Assembleia da República, Ministério da Administração Interna, PSP Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Junta de Freguesia do Areeiro e Junta de Freguesia de Arroios

Os abaixo-assinados tendo em conta…
…o encerramento sazonal (em épocas de reforço de policiamento na Baixa), a existência de apenas 10 agentes, a crónica falta de veículos automóveis e a existência de planos para o encerramento definitivo da 10ª Esquadra da PSP de Arroios
…que Arroios e Areeiro reúnem mais de 50 mil habitantes e que existem pouco menos de 60 agentes da PSP para garantirem a sua segurança e, parece, 1 a 2 veículos funcionais
…que “no passado, saíram 834 agentes e entraram apenas 453” (Revista Sábado) dos quais muitos em Lisboa e, nomeadamente, para a reforma e Polícia Municipal
…que esta Esquadra integra o plano de fecho de esquadras da PSP em Lisboa e Porto, elaborado pelos governos anteriores que o actual Governo tem agora em plano executar.

Os abaixo-assinados requerem que:
1. Que não se encerre a 10ª Esquadra da PSP de Arroios (que serve Arroios e Areeiro)
2. Que se reforcem os meios humanos e materiais da PSP nas esquadras que servem Arroios e Areeiro por forma a reforçar o policiamento de proximidade nas freguesias de Arroios e Areeiro e a dar uma resposta eficiente ao aumento recente dos níveis de criminalidade nestas freguesias

Assine e Partilhe !
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=NaoFechemEsquadraPSP

Ficheiro PDF para imprimir e assinar (enviar para geral@vizinhosdoareeiro.org)
Abaixo-assinado de moradores NÃO FECHEM A ESQUADRA DA PSP

Actualização

“Entregámos no Parlamento uma petição com cerca de mil assinaturas que recolhemos presencialmente em 3 semanas 50:48. Um protesto contra os planos aparentemente em curso que também, parece, serve Areeiro. Há uma sensação de falta de policiamento na freguesia. As pessoas não vêm polícia na rua, dizem-me que não é assim, mas a sensação existe. Há relatos diários de assaltos ou furtos (…) seria interessante saber qual é o registo de criminalidade reportada na esquadra das Olaias que nos serve. Há também notícias de que não há meios automóveis, que não existem carros nas esquadras que nos servem. Parece que há agora um plano para colocar um carro eléctrico na freguesia do Areeiro, mas se for a Junta a financiar isso é um duplo pagamento. Nós já pagamos os carros da polícia nos nossos impostos, vamos pagar também via o orçamento da Junta? Apelamos assim que a esquadra de Arroios continue a existir e que se reforce o policiamento de proximidade na freguesia do Areeiro.”

Vizinho do Areeiro Rui Martins
“Relativamente à Esquadra de Arroios não temos informação da PSP relativamente a nenhum processo de encerramento (…) temos vindo a trabalhar com a PSP no processo de reorganização do dispositivo (…) mas das várias questões que foram abordadas com a direção nacional da polícia não estava este encerramento pelo que não tenho nenhuma informação adicional que lhe possa dar mas posso tentar actualizar essa informação.”

Fernando Medina

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

Análise às respostas ao inquérito ao estacionamento no Areeiro de Dezembro de 2017

1. A maioria dos residentes chega de carro entre as 18 e as 20 (pico de procura de lugares de estacionamento)
2. 81.1% usa lugares da EMEL, mas 11.7% têm parque de estacionamento e apenas 6.3% garagem própria
3. De manhã, a maioria dos moradores deixa o lugar de estacionamento entre as as 8:00 e as 9:00 (mais de 55%)
4. Cerca de 50% gastam entre 5 a 10 minutos à procura de lugar para estacionar
5. 43.2% declara que estaciona longe de casa por não encontrar lugar perto
6. 41.4% tem 2 dísticos EMEL a mesma percentagem que tem apenas 1 (a confirmar-se será uma média mais baixa que a da cidade de Lisboa)
7. 29.7% admite estacionar, frequentemente, fora dos lugares oficialmente consagrados para esse efeito
8. 9.9% tem uma avença num parque das redondezas
9. Apenas 1.8% tem uma avença no Parque da Junta de Freguesia
10. 64% entende que a Junta deve expandir o seu parque de estacionamento
11. 69.4% acha que os parques da Empark e EMEL são demasiado caros e 62.2% que fazem falta mais parques destes operadores
12. 74.% não quer prescindir de ter carro próprio e de o trocar por um sistema de mobilidade partilhada (mas 20.7% admite tal opção)
13. 51.4% admite ter alternativas de transporte público
14. 85.3% declara andar mais de 8 vezes de carro por mês, 13.7% entre 2 a 8 vezes
15. 88.1% usa automóvel como “veículo corrente” e apenas 3.6% a bicicleta. As outras formas de mobilidade são vestigiais
Conclusões e Propostas:
1. Lugares reservados para empresas e autarquias (CTTs, AML, Junta e CML) devem ter sempre, por regra, limitação apenas para horas laborais cessando esta pelas 19:00 e começando pelas 9:00
2. Devem ser aumentados os lugares de parque de estacionamento (nomeadamente para compensar o fim do parque Empark da Sacadura Cabral)
3. Devem ser reforçados os lugares de estacionamento, nomeadamente pela criação de “estacionamento em espinha” onde tal for tecnicamente viável e criando novos lugares sempre que isso for possível (p.ex. Bairro dos Actores e Sacadura Cabral)
4. Aumentar a quantidade de lugares do Parque de Estacionamento da Junta de Freguesia (existem terrenos livres adjacentes)
5. Realizar contactos com Empark e EMEL no sentido destas entidades descerem os preços dos seus parques (nomeadamente através de contratos de volume com a Junta de Freguesia)
6. Reforçar (muito) a oferta dos sistemas de mobilidade partilhada em Lisboa

Actualização de 10.01.2018
Este inquérito foi publicado (com autorização) no site da Junta de Freguesia do Areeiro:
http://www.jf-areeiro.pt/pt/inquerito-ao-estacionamento-na-freguesia-do-areeiro