Campanha “Um saco de lixo na rua é um saco a mais”

Campanha “Um saco de lixo na rua é um saco a mais”:

Nos locais onde aparecem, numa base diária, sacos de lixo (caldeiras ou junto a portas) vamos afixar cartazes com a fotografia de sacos de lixo na rua e as frases:

“a Cidade é a sua Casa: faria isto na sua Casa?”

“uma vez são mesmo vezes demais”…

“a cidade é a sua casa, gostaria que outros deixassem lixo na sua sala?“

Apelamos aos Vizinhos que:

1. indiquem locais onde isto acontece

2. convide os vizinhos a afixarem, eles próprios, estes cartazes

3. indicar à CML os locais onde este fenómeno mais recorre por forma a que esta realize uma campanha informativa porta-a-porta nos prédios em redor.

Resultados do Barómetro de Segurança Areeiro 2019

A freguesia do Areeiro tem (Censos 2011) 20131 habitantes mas o valor actual deverá ser inferior aos 19 dada a erosão demográfica dos últimos anos devido ao aumento dos preços na habitação, a despejos, à conversão de habitação em Alojamento Local e ao falecimento de moradores. Já em 2011, com efeito, 5101 moradores tinham mais de 65 anos (em 40,6% estavam em situação de dependência de serviços ou familiares) e este padrão demográfico tem um forte impacto no tipo de criminalidade e percepção de segurança dos moradores.

Em termos de leitura dos gráficos preferimos que cada qual tire as suas próprias conclusões mas gostaríamos de destacar que perto de 5% dos moradores que responderam ao inquérito tiveram o seu veículo furtado e que, muitos mais (19,4%) o tiveram vandalizado (o que é consiste com uma vaga recentes deste tipo de ocorrências) assim como de assaltos na rua, em percentagem idêntica e que, também, confere com casos semelhantes na zona das Olaias e da Padre Manuel da Nóbrega e Praça Francisco Sá Carneiro. Os relatos de casas assaltadas (que ocorrem em vagas em Lisboa) são ainda mais significativos o que reforça a necessidade de repetição da campanha dos Vizinhos com os autocolantes “feche a sua porta”. Em termos de quantidade de crimes, regista-se a percepção de que o Areeiro ainda é uma zona segura (a maioria dos crimes foram de baixo valor) mas registamos que perto de 10% dos respondentes já foram assaltados mais que uma vez e isso merece reflexão e parece traduzir-se num agravamento recente que decorre das alterações produzidas a partir de 2018 na actividade de consumo e venda de estupefacientes no Bairro Portugal Novo. Destacamos ainda que muitos moradores ainda não têm portas blindadas e que 41,1% não apresentou participação na PSP (o que é essencial para que se possa reclamar mais meios policiais) mas que, espantosamente, em 83,7% não houve qualquer retorno da queixa apresentada (o que pode explicar a baixa taxa de participação de crimes).

Reunião dos Vizinhos do Areeiro com Crescer (sobre situação dos Sem Abrigo no Areeiro)

Em finais de Janeiro de 2019 os Vizinhos do Areeiro estiveram em reunião com a Crescer.org uma associação de apoio a Sem Abrigo e especializada no apoio a cidadãos nessa condição e em situação de dependências de álcool ou drogas. Foi fornecida uma visão da situação nesta freguesia e da evolução recente assim como dos casos mais graves e antigos da nossa freguesia.
Ficou definida a existência de uma situação que, no Areeiro, não se reduziu tendo conhecido, pelo contrário, um agravamento nos últimos meses e reconhecida o carácter flutuante desta população (o que dificulta qualquer “contagem”).

Em suma, sinalizámos algumas situações de cidadãos Sem Abrigo e peço que nos enviem por MP ou para geral@vizinhosdoareeiro.org novas situações ou alterações em relação aos casos mais antigos (p.ex. O cidadão que frequentava a Av Padre Manuel da Nóbrega faleceu recentemente).

Muito Importante:
NUNCA coloquem seringas encontradas no chão em papeleiras ou ecoilhas porque isso pode criar situações de insalubridade ou doença nos trabalhadores dos resíduos urbanos.

Proposta para um “Alerta SMS” para a Protecção Civil da CML [Respondida]

Os Subscritores sugerem à Protecção Civil da CML que crie um sistema de “Alertas SMS” que, mediante registo prévio, notifique por SMS os cidadãos sempre que:
1. Existam ocorrências de segurança
2. Condicionamentos de trânsito
3. Em caso de restrições ao estacionamento devido a podas ou outras intervenções
4. Em caso de interrupções no sistema de recolha de resíduos urbanos
5. Alertas para Intervenções no Arvoredo
6. De emergências gerais de protecção civil (incêndios, abalos sismicos, inundações, etc)
Este Registo por SMS poderia ser usado também para votações no Orçamento Participativo de Lisboa.

Subscrevem os “Vizinhos do Areeiro”:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Rodolfo Franco
Cláudia Casquilho
Madalena Matambo Natividade
Anabela Nunes
Elvina Maria Reis Rosa
Luis Seguro
Carmosinda Veloso
Zélia Brito
Maria Cortez Caetano
Luisa Castro Correia
Ana Costa
Diogo Mendonça
Teresa Raposo
Francisco Tellechea
Elsa Felizardo
Maria Teresa Inglês Agostinho
Victor Serra
Dulce Amaral
Leonilde Ferreira Viegas
Bruno Beja Fonseca
Ana Figueiras
Margarida Moreira
Mariana Bettencourt
Fátima Mayor
Ilda Cruz
Ricardo Amoedo
Patrícia Garcia
Celestina Costa
Jaime Amores
Agostinha Cunha
Ana Gomes da Costa
Cris Milagre
Maria Fernanda Ribeiro Lopes
Laurinda Hormigo
Clara Ribeiro
Helena Amaral
Afonso Hermida
Teresa Aroso
Graciano Venâncio Morais
Maria Adelaide Nogueira
Maria Joao Gouveia
Beatriz Granja
Victor Costa
Maria Claro Ribeiro
Isabel Gameiro
Isabel Tomas Rodrigo
Teresa Clara Durão
Maria Teresa Rodrigues
Paulo Fonseca
Emilio Santos Pinto
Jacinto Manuel Apostolo
João Ribafeita
Humberto Gaspar
Joao Santos Silva
Maria Martins da Silva
Joana Jorge
Teresa Lavin Jácome
Ana Tavares
Pedro Diogo Vaz
Tereza Taveira
Manuela Melo
Teresa Ferreira
Paulo Silva
Ana Oliveira
Dulce Marques Ferreira
J M Domingues Silva
Ana Sampedro
Maria Luisa Ferreira
Sofia Carvalho Coelho
Filipe Oliveira
Neuza Carmo
Pedro Ramos
Isabel Aquino
Alexandra Barreto
Sara Baptista
Carla Caló
Jorge Leitão
Ana Paula Magalhaes
Helena Pena da Costa
Alexandra Amaral
Duarte Sandra
Sofia Benasulin
Maria Jose Diegues
Gerson Antunes Costa
Francisco Lopes da Fonseca
Mafalda Toscano Rico
Rita Dias Costa
Célia Simões Soares
Rita Amores
Raquel Vieira

Resposta da CML:
“Em resposta ao mesmo, permitimo-nos recomendar que a proposta que fazem seja discutida com a Junta de Freguesia do Areeiro. De facto, a maior parte das situações descritas são acompanhadas e/ou executadas por outros serviços municipais e muitas delas não chegam sequer ao conhecimento do SMPC. No entanto, em geral, os serviços municipais dão conhecimento das intervenções às Juntas de Freguesia, pelo que estas serão entidades agregadoras da informação em causa.
No âmbito do SMPC, estão a ser estudadas medidas de divulgação adicional de informação e alerta, algumas delas já em fase de teste, que vão no sentido da boa resposta à necessidade de informação aos cidadãos em caso de alerta.
Agradecemos o V/ contributo.”

Reunião dos Vizinhos do Areeiro e do Forum dos Cidadãos com o Vereador João Paulo Saraiva sobre a Proposta para uma Assembleia Deliberativa

 

Teve lugar a 5 de Julho uma reunião entre o Vereador João Paulo Saraiva, o seu assessor Miguel Graça, o assessor Rui Costa (do vereador Ricardo Robles) e assessora Joana Alegre (da vereadora Paula Marques) e, pelos Vizinhos do Areeiro, Rui Martins e Jorge Oliveira. Pelo Forum dos Cidadãos esteve presente Manuel Arriaga.

A reunião começou pela apresentação do proposta enviada em Fevereiro de 2018 à CML (http://vizinhosdoareeiro.org/proposta-para-uma-assembleia-deliberativa-em-lisboa) e abordada na reunião descentralizada de Março de 2018 (http://vizinhosdoareeiro.org/presenca-dos-vizinhos-do-areeiro-na-reuniao-descentralizada-da-cml-de-08-03-2018) para a criação de uma “Assembleia Deliberativa” (o nome exacto está em aberto e foi consensual que não é o ideal) de base aleatória para Lisboa.

A reunião abordou as limitações dos Orcamentos Participativos, a forma como um painel de base aleatória poderia responder às mesmas, as várias iniciativas semelhantes que já foram implementadas noutros países e as vantagens e dificuldades dos modelos de governação local participada.

Os Vizinhos do Areeiro e o Fórum dos Cidadaos ficaram de enviar uma proposta para um modelo de implementação deste projecto e ficou determinado o compromisso para uma nova reunião onde este seria apresentado à autarquia a ter lugar muito em breve.

Projecto para “Orçamento Participativo Portugal” subscrito pelos Vizinhos do Areeiro: “482: Noites Astronómicas em Jardins Urbanos”

Vote neste Projecto para o Orçamento Participativo Portugal subscrito pelos Vizinhos do Areeiro – Página:
“482: Noites Astronómicas em Jardins Urbanos:
Em jardins urbanos das grandes cidades dos concelhos de Lisboa e Sintra sem grande poluição luminosa organizar com o apoio de associações locais de astrónomos amadores sessões de observação dos astros, com explicações e enquadramento científico.
O objectivo é criar laços entre a comunidade onde se realizam estas Noites e aumentar a literacia científica dos cidadãos”

(A partir de uma ideia original do Vizinhos do Areeiro Ivo Gama)
E sim: a Ideia é fazer isto no Areeiro, nomeadamente no novo Parque do Vale da Montanha
Pode votar pelo link https://opp.gov.pt/proj/482
(O número inserido deverá ter o seguinte formato: 123456789XX0 (9 dígitos + 2 letras + 1 dígito).
ou enviando um SMS
para o número 3838 com o texto
OPP <espaço> <número do projeto> <espaço> <Número de Identificação Civil>
O Número de Identificação Civil deve incluir os dígitos de controlo, 4 dígitos adicionais no caso do Cartão de Cidadão ou 1 dígito adicional no caso do Bilhete de Identidade. Não deve ser incluído qualquer espaço a separar o número do Cartão de Cidadão/Bilhete de Identidade e os dígitos de controlo)

Lojas sem uso (abandonadas, devolutas ou à venda ou por arrendar) no Areeiro

Lojas sem uso (abandonadas, devolutas ou à venda ou por arrendar) no Areeiro
(incorporando uma certa margem de erro)
Esta grande quantidade (203 em 17.04.2018) é muito superior ao registado em Setembro de 2017 (74) e pode significar uma quantidade apreciável de encerramentos (com a consequente perda de actividade económica na freguesia, Emprego e vida comunitária)
Pode também significar (pelo stock acumulado) que os preços praticados pelos proprietários nesta freguesia não são compatíveis com a realidade económica nacional.