Varandas e Beirais em risco de queda no Areeiro: Desenvolvimentos

Recebemos da CML (e depois de vários contactos da Protecção Civil da CML e do Regimento de Sapadores Bombeiros) um relatório da nossa iniciativa (sob ideia do morador Nuno Dinis Cortiços): http://vizinhosdoareeiro.org/varandas-e-beirais-em-risco-de-queda-no-areeiro

Recordamos que esta iniciativa surgiu depois da queda de um beiral na Praça João do Rio (que provocou danos materiais em várias viaturas) e da queda de partes de uma varanda que feriu – felizmente sem gravidade – um morador da Av João XXI.

Este levantamento feito semanas pelo varrimento visual dos bairros da freguesia e pelo recebimento de inúmeros relatos de moradores por mail deverá ser repetido, agora, noutras freguesias da cidade (e onde a Junta de Freguesia poderia ter tido um papel activo) produziu efeitos:

Relatório “final” da CML:

“Caros Vizinhos do Areeiro,

 Na sequência dos anteriores e-mails e concluídas as visitas aos 79 edifícios por vós referenciados, cumpre informar.

 Assim,

 – 4 edifícios estão em obra e 1 edifício tem Ocupação de Via Pública emitida no mês de Janeiro, pelo que deverá entrar em obras em breve;

– 7 edifícios têm processo de intimação para obras de conservação em curso; todos eles foram analisados e decorrem nos tramites normais;

– 8 edifícios, foram determinadas vistorias nos termos do art.º 90º DL 555/99 de 16/12, com vista à instrução de processo de intimação, 2 das quais já realizadas no corrente mês de Janeiro;

– 51 edifícios foram sinalizados para notificar os proprietários para o dever de conservar, procedimento prévio a uma vistoria e intimação, aplicável quando as patologias verificadas ainda não justificam uma intimação;

– 8 edifícios foram considerados pelos técnicos em estado de conservação regular.

Ainda, das visitas aos locais, identificámos mais 4 edifícios para notificação aos proprietários para o dever de conservar.

Mais uma vez, obrigada pela vossa iniciativa e partilha”

Muito Bem CML!
E esperamos ter assim, evitado acidentes como os acima descritos e, melhor ainda, outros ainda mais graves.

(Obrigado Nuno pela ideia e a todos pelos contributos que foram dando!)

(Em breve o grupo irmão dos “Vizinhos das Avenidas Novas” vai arrancar com uma iniciativa semelhante)

Actualização

“O Bairro do Areeiro tem maioritariamente mais de 70 anos. Muitos dos edifícios não tinham obras de manutenção até hoje e já temos vítimas. Já temos vítimas. Existe um senhor, o senhor Francisco que ao caminhar na João XXI no início do mês de Outubro foi atingido por destroços, por argamassas que se soltaram de um edificio e o foi hospitalizado (…) fizemos na Vizinhos do Areeiro um apanhado e todos aqueles edifícios que poderiam ter originado estas situações e enviámos à CML e sei que a Câmara já tomou acção. Mas gostava de dar também o episódio que ocorreu na João do Rio numa platibanda de um edifício e que, por acaso, não feriu ninguém porque foi às seus 6 da manhã. Na Padre Manuel da Nóbrega existe outra platibanda que visivel da rua tem pelo menos dois dedos de abertura”  (…) “o levantamento que nós fizemos foi de edifícios em que existem materiais em falta, em que j+a aconteceu a queda e foram identificados”

Vizinho do Areeiro Nuno Dinis Cortiços

“O Movimento Vizinhos do Areeiro enviou para a CML em novembro do ano passado uma lista de edifícios que tinham problemas de manutenção: varandas, beirais e outras situações. Os serviços promoveram vistorias a todos os 79 edifícios que foram identificados e o resultado foi que 4 dos edifícios estão em obra e um tem ocupação de via pública emitida no mês de janeiro pelo que deverá iniciar a obra a curto prazo. 7 edificios têm processo de intimiação para obras de conservação (…) têm um prazo de resposta para iniciar a obra. 8 edificios foram determinadas vistorias nos termos da lei com vista à instrução do processo de intimação. Dois dos quais já foram realizadas no mês de janeiro. 51 edifícios foram sinalizados para notificar os proprietários para o dever de conservar” 1:29:14 “Oito foram considerados em estado de conservação regular” (…) “Agradeço o envio da vossa lista foi importante porque os serviços fizeram o seu trabalho que foi, de facto, vistoriar, e já há resultados efectivos” (…) “penso que foi muito útil o trabalho que fizeram”
Vereador Manuel Salgado

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

 

Rua Capitão Henrique Galvão – Zona de casas da CML (grande parte devolutas) [Resolvido]

Enviada à CML:
“Rua Capitão Henrique Galvão – Zona de casas da CML (grande parte devolutas): Tendo a CML, recentemente, retomado uma delas por falta de ocupação, pagamento de rendas e por residência dos beneficiários fora de Lisboa.
Há planos para recuperar e colocar no mercado as restantes?”

Resposta de 10.01.2018:
Foi aberto o processo ENT/34/GVPM/18

Resposta de 12.01.2018:
“ENT/34/GVPM/18 – Casas da CML
Em resposta ao pedido de informação de V. Ex.ª , encarrega-me a Senhora Vereadora da Habitação Desenvolvimento Local – Paula Marques, de informar que solicitamos aos serviços informação detalhada sobre os fogos em concreto, nomeadamente quanto à propriedade dos mesmos. Assim que na posse da mesma informaremos em conformidade com o solicitado”

Resposta de 07.03.2018
Em resposta à mensagem de correio electrónico infra, encarrega-me a Senhora Vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local – Paula Marques, de informar que o Município de Lisboa apenas dispõe de 6 fracções no Bairro Presidente Carmona. Dessa fracções, apenas uma se encontra vaga, encontrando-se a decorrer o processo de empreitada com vista à sua reabilitação.”

Danos no passeio público e ruído provocados pelas obras do Centro Acqua no Av Roma 15 [Resolvido]

Screen Shot 01-03-18 at 12.56 PM

Se um (ou vários) empreiteiros realizam uma obra que afecta ou cria danos na via pública é do mais elementar bom senso que, finda essa obra, os reparem e reponham tudo no mesmo estado em que se encontrava antes.

Como se já não bastasse terem existido várias queixas por ruído de obras fora do horário legalmente determinado (às 22, 23, 5 e 6 da madrugada), fecho total de um dos passeios da Avenida de Roma durante 2 dias, bloqueios constantes e frequentes de um arruamento (Rua Oliveira Martins) e na curva de acesso à Avenida de Roma como, agora, fruto de reparações incompletas ou feitas de forma apressada observam-se agora vários buracos no pavimento que provocam quedas a transeuntes e cuja solução não parece iminente ou que está dependente de um “jogo do empurra” entre a Ares Capital EUA (proprietária das lojas ainda em obras) e a Sonae MC (Continente Bom Dia) e que confia – aparentemente – na intervenção da Junta de Freguesia para reparar com dinheiros públicos danos provocados por uma obra privada.
Os subscritores apelam assim à Sonae MC, e à Ares Capital (EUA) com CC da Junta de Freguesia para que assumam as suas responsabilidades e reparem os danos que as suas obras provocaram (assim como a um maior cuidado no respeito pela legislação do Ruído).

Subscrevem:
Rui Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Paula Borges
Anabela Nunes
Vitor Manuel Teixeira
Maria João Gracio
Mira de Lacerda
Ana Mónica
Mariana Bettencourt
Isabel Tomas Rodrigo
Francisco Lopes da Fonseca
Emilio Santos Pinto
Ana Benavente
Cláudia Rocha
Dulce Amaral
Manuela Viegas
Ilda Cruz
Mariana Silveira
Abel Seixas
Jaime Amores
Josefina Martins
Irene Coelho
Helena Esteves
João Ribafeita
Luís Diamond
Renata Chaleira
Mariana Vences
Lucilia Guimaraes
Carla Caló
Pedro Coimbra
Pedro Pais de Vasconcelos
Bruno Beja Fonseca
Sérgio Castanheira de Almeida
Actualização de 05.01.2018
Decorrem reparações de um dos vários danos de calçada reportados.Resposta da CML de 12.01.2018:
“Consultado o processo 1690/DAE/GERRE2017 verifica-se que não foi concedida licença especial de ruído (LER) para a obra referenciada na vossa reclamação: centro comercial, Avª de Roma, 15-B.O indeferimento da LER teve por base a inexistência de justificação, no respectivo requerimento, que habilitasse esta Câmara Municipal a conceder, excepcionalmente, a pretendida LER. Mais se informa que, havendo reclamações com base na actividade da obra em causa e fora do horário legalmente admissível: 8H00 às 20H00, dias úteis, sem estar habilitada com LER, nos termos do artigo 26º, alínea e) do Regulamento Geral do Ruído, aprovado pelo DL 9/2007, de 17 de Janeiro, incumbe às autoridades policiais o poder de fiscalização, devendo nos termos do artigo 18º do referido regulamento, suspender oficiosamente ou a pedido do interessado a actividade, lavrar competente auto de ocorrência e remetê-lo ao Presidente da CML para instauração do respectivo procedimento de contra-ordenação.Assim, caso venham a constatar actividades fora do período normal de laboração, deverão solicitar  a presença das autoridades policiais, para procedimento de acordo com o previsto na lei.”

Actualização de 16.01.2018:
Embora nem a Sonae (Bom Dia Continente) nem a Ares Capital (Centro Comercial) tivessem respondido à nossa reclamação sobre os danos na calçada provocados (aparentemente) pelas obras do Bom Dia Continente, hoje, esse danos apareceram reparados – segundo informações – por um empreiteiro da Sonae MC.
Obrigado pela reparação (embora tivesse sido simpático os moradores terem recebido uma resposta) e à Junta de Freguesia por não ter feito – com os fundos que são de todos nós – uma reparação que não lhe competia.

Pedido de nova passadeira junto a uma das saídas laterais da CGD [Respondido]

Screen Shot 12-06-17 at 03.39 PM
“Recentemente, e a pedido de moradora do Bairro do Arco do Cego abordámos a CML no sentido de apurar se seria possível instalar uma nova passadeira junto a uma das saídas laterais da CGD.
A resposta dos técnicos da autarquia foi de que “a proposta de localização de uma passadeira na Rua Brito Aranha, no enfiamento da Rua Ladislau Piçarra e de um dos acessos pedonais ao edifício sede da Caixa Geral de Depósitos (…) iria criar problemas de mobilidade e acessibilidade universal uma vez que se estaria a promover o atravessamento para uma zona ‘sem’ saída para utentes com dificuldades de mobilidade, nomeadamente pessoas em cadeira de rodas (a única saída é através de uma escadaria com 12 degraus e espelho de aproximadamente 15cm);
Tal intervenção obrigaria ainda a intervenção física uma vez que a passadeira teria de ser recuada de modo a não ficar no enfiamento do acesso viário à Rua Ladislau Piçarra, o que obrigaria à supressão de pelos menos 2 lugares de estacionamento;
De observação feita no local verifica-se que apesar de existir algum volume de tráfego pedonal nesta zona, este é de facto mais intenso a poente, no acesso ao parque de estacionamento, no acesso à Rua Reis Gomes e no acesso à Rua do Arco do Cego;
Assim, entende-se que a proposta apresentada não deve ser considerada.
No entanto, ir-se-á aferir com a Junta de Freguesia do Areeiro a possibilidade de implantação de uma passadeira no enfiamento da Rua Reis Gomes. Entende-se que esta será a zona mais adequada uma vez que é onde se identifica um maior volume de tráfego pedonal de atravessamento e que permite assegurar a mobilidade e acessibilidade universal (livre circulação de todos os peões independentemente das suas dificuldades e limitações físicas)
Câmara Municipal de Lisboa”

Sendo que os moradores que requereram esta intervenção concordam com os argumentos apresentados e a alternativa apresentada.

Proposta de voto de pesar à família de Pedro Rolo Duarte apresentada aos eleitos da Assembleia de Freguesia do Areeiro [Resolvida]


Screen Shot 11-30-17 at 01.24 PM
Este conhecido jornalista e residente no Areeiro “destacou-se na área da cultura e na edição de revistas, foi fundador do semanário Independente, onde editou a revista Vida 3. Foi diretor-adjunto do jornal cultural Se7e e fundou a revista K, da qual viria a ser editor-geral. Dali, transitou para a Visão, onde desempenhou o mesmo cargo. De seguida, fundou e dirigiu a revista DNA, suplemento do Diário de Notícias, que foi um dos seus projetos com maior longevidade na imprensa, entre 1996 a 2006. Também foi sub-diretor do Diário de Notícias entre 2004 e 2005″
mensagem apelam à Assembleia de Freguesia do Areeiro que aprove um Voto de Pesar à perda deste nosso ilustre concidadão.

Subscrevem:
Rui Martins
Jorge Oliveira
Paulo Ferrero
Nuno Dinis Cortiços
Cláudia Casquilho
Anabela Nunes
Madalena Matambo Natividade
Elsa Felizardo
Nuno Miguel Cabeçadas
Maria Cortez Caetano
Luis Seguro
Mariana Bettencourt
Leonilde Ferreira Viegas
Ana Figueiras
Emilio Santos Pinto
Erika Bayan
Jacinto Manuel Apostolo
Maria Helena Palhano
Dulce Amaral
Elisabete Carvalho
Fatima Aparicio
Suzete Reis
Helena Juliao
Pedro Reis
Amilcar Castro
Maria Estima
Lurdes Mendes
Zélia Pereira
Margarida Tavares
Maria Nascimento Barros Ferreira
José Domingos
Paulo Fonseca
Cristina Pinto
Manuela Manon
Rogério Martins
Renata Chaleira
Alexandra Maia Mendonça
Joana Duarte
Maria Luisa Ferreira
Maria Conceição Silva
Amélia Marcos
Ana Paula Bárcia
João A. R. Sovelas
Fernando De Sousa Ferreira
Teresa Silva
Francisco Lopes da Fonseca
Rita Dias Costa
Ricardo Ferreira
Luiza Cadaval de Sousa
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1852796151699850/

Actualização:
Este voto de pesar foi votado em Assembleia de Freguesia

Desperdício de água nas regas automáticas da Junta de Freguesia do Areeiro [actualizado]

Screen Shot 11-20-17 at 05.52 PM
Video: https://www.facebook.com/RuiMartinsLx/videos/10156134635644050/

Em 11 de Novembro pedimos à Junta de Freguesia do Areeiro a revisão dos sistemas de rega automática (e reparação dos aspersores avariados) no Jardim da Praça de Londres cujos aspersores estavam (e estão) desperdiçando água sobre o passeio.
Nos dias seguintes recebemos indicações de moradores de que o mesmo estava a suceder na Afonso Costa, Guerra Junqueiro, Praça Francisco Sá Carneiro, Gago Coutinho e Fernando Pessa (pelo menos).
Reiteramos o pedido para que a frequência destas regas seja revista, os aspersores reparados e reposicionados por forma a adaptar os consumos de água ao período de seca extrema que o país atravessa.
Requeremos resposta no âmbito do Art 61 do CPA

Subscrevem:

Rui Martins
Jorge Oliveira
Filipe Guedes Ramos
Anabela Nunes
Maria Cortez Caetano
Rui M. Sousa
Luis Seguro
Mariana Bettencourt
Teresa Raposo
Leonilde Ferreira Viegas
Isabel Tomas Rodrigo
Pedro Pinto
Catarina Rebelo
Maria João Gracio
Ana Costa
Jacinto Manuel Apostolo
Dulce Amaral
Belicha Geraldes
Catarina Syder Fontinha
Patrícia Tavares Rocha
Helena Martins
Maria Helena Simões
Nuno Maldonado Tuna
Thaisa Boleta
Suzete Reis
Luís Pereira Dos Reis
Mafalda Toscano Rico
Ilda Cruz
Ana Salazar
Maria Adelaide Nuncio
Maria Louro
Jaime Amores
Rosa Branca Graça
Ana Sofia Matias
Teresa Clara Durão
Bernardo Kahn
João Ribafeita
Sofia Proença
Lúcia Caetano
Rita Brito Pires
Sampedro Ana Paula
Clara Melo
Margarida Suárez
Fernando De Sousa Ferreira
Francisco Lopes da Fonseca
Bruno Beja Fonseca
Rita Amores
Filipa Magalhães Carvalho

 

Actualização de 7.3.2018

“Tínhamos até há poucos dias 77% do território nacional em Seca Extrema. Que medidas estão pensadas para reconverter os espaços verdes que existem no município. A freguesia do Areeiro tem vastas áreas relvadas que são muito bonitas mas  no entanto consomem recursos hídricos de forma irracional para os dias de hoje e para as condições que conhecemos. Existe alguma campanha aos municipes para  um consumo mais racional da ágia nomeadamente dos banhos porque as pessoas não têm noção das quantidades que as pessoas consomem” (…) “não gostava que Lisboa passasse um dia pela situação da Cidade do Cabo”

Vizinha do Areeiro Patrícia Matos Palma

“No jardim que está junto ao novo Centro de Saúde (por construir nos Serviços Sociais da CML na Afonso Costa) todas as instalações em termos de novos espaços e estamos a falar de cerca de 240 hectares (…) tem sido feito com sistemas de rega eficiente, com espécies autóctones e pouca rega” (…) “e é bom que falemos de escassez de água quando chove porque devemos estar sempre atentos à escassez da água quer quando chive demais” (…) e estamos atentos às duas realidades” (…) 2:24:29 “hoje gastamos menos água no município do que gastávamos há uns anos atrás porque tomámos medidas de rega eficiente” (…) “podemos fazer mais e estamos num processo com as juntas de freguesia para reduzir o consumo de água. Há alguns relvados que é preciso ter na cidade (…) mas como sistemas de rega mais eficiente. Estamos a avaliar com todas as freguesias para conjuntamente com a EPAL introduzirmos sistemas de rega inteligentes (…) sensores de humidade para regarem apenas quando é preciso” (…) “temos uma empresa de distribuição de água que é a terceira  melhor do mundo em perdas de água. Regamos a maior parte dos espaços com água potável (…) temos cidades como Oslo que perdem 20 a 40% e nós não temos esse desperdício” (…) “por outro lado devemos reter a água e esta chuva que cai hoje nós no vale da montanha fizemos bacias de retensão para que ela se infiltre e melhor os aquíferos da cidade” (…) “estamos a realizar um estudo muito grande para podermos reutilizar a água vinda das ETARs que já fazemos em pequena escola nalgumas freguesias para lavagens de rua” (…) “para termos uma rede de distribuição de água reciclada na cidade e isso vai permitir não só a lavagem de ruas mas também a rega” (…) “mas é muito complexo. A legislação é de dificil apreensão, mesmo a europeia, porque temos que ter cautelas com a saúde” (…) “mas estamos a montar a rede de água reutilizada” (…) ” é inadmissível, do meu ponto de vista, que hoje as construções novas que os autoclismos não sejam abastecidos pelos banhos. 20% da água que gastamos nas nossas casas são dos autoclismos”

Vereador Sá Fernandes

“na nova construção de habitação de iniciativa pública que estamos a fazer os autoclismos já são abastecidos por aquilo que é agua desperdiçada nos lavatórios (…) por exemplo na nova construção no Bairro da Boavista, no Bairro Padre Cruz e no Bairro da Cruz Vermelha este modelo se repetirá. Bem como o aproveitamento das águas pluviais para reservatório de água para se poder, p.ex, utilizar na rega dos espaços verdes associados a cada fogo” 2:29:32

Vereadora Paula Marques

Reunião Descentralizada da CML de 07.03.2018

https://www.youtube.com/watch?v=5sr7cjhNHZM

 

Varandas e Beirais em Risco de Queda no Areeiro [Resolvido]

Screen Shot 10-05-17 at 09.25 PM

Consulte em
https://www.facebook.com/notes/vizinhos-do-areeiro/varandas-e-beirais-em-risco-de-queda-no-areeiro/1842895026023296/
Enviada à CML, Polícia Municipal, Assembleia Municipal de Lisboa e Junta de Freguesia do Areeiro a 24.11.2017

Actualização de 11.12.2017:
Em processamento pelo Serviço Municipal de Protecção Civil e pelo Regimento de Sapadores Bombeiros
Nota: Todos estes prédios são, ao que parece, de propriedade privada (com excepção dos sitos no Bairro da GNR)

Fotografias de menores na Página da Junta de Freguesia do Areeiro [Resolvido]

Screen Shot 11-06-17 at 09.54 AM

Recentemente, e em observação da Deliberação
da Comissão Nacional de Dados onde se lê que existe: “um dever de abstenção de disponibilização de imagens e som das crianças na Internet ainda que para o efeito exista consentimento dos pais ou encarregados de educação” (a frase refere-se às escolas mas aplica-se igualmente às autarquias) e após termos recebido um alerta por parte de um morador para a presença na Página da Junta de Freguesia do Areeiro de várias fotografias de menores pedimos à autarquia que procedesse à remoção destas fotografias.
A Junta de Freguesia assentiu (o que agradecemos) e, por exemplo, nas fotografias
Procedeu-se à ocultação dos rostos.
Muito Bem.

Pedido de remoção de decorações em lã das árvores da Praça de Londres [Resolvido]

Enviada à Junta de Freguesia:
“Esta iniciativa da Junta de Freguesia do Areeiro (Centro Intergeracional) teve os seus méritos mas agora com a chegada das primeiras chuvas representa um risco para estas árvores. 
Estando as decorações em lã muito cintadas às árvores isto vai aumentar a humidade nos troncos e criar condições favoráveis à aparição e desenvolvimento de fungos e outras doenças que podem ameaçar, a prazo, a viabilidade e sobrevivência destas árvores.”
Por favor: queiram remover estas instalações.

Atualização de 17.12.2017:
As referidas decorações em lã foi retiradas por uma equipa da Junta de Freguesia do Areeiro

 

Decorações de Natal na Praça de Londres: pedido de remoção das que estão instaladas nos ramos dos freixos [Respondido]

Enviada à Junta de Freguesia do Areeiro e a 06.11.2017 à CML (Espaços Verdes):
No vosso site encontramos o Projecto do Regulamento Municipal do Arvoredo: http://www.jf-areeiro.pt/…/Projeto-de-Regulamento-Municipal…
onde se pode ler “é proibido danificar raízes, troncos, ramos, folhas, ou flores, nomeadamente trepar e varejar, atar, prender, pregar objetos, riscar e inscrever gravações e outras ações que destruam ou danifiquem os tecidos vegetais” 
Apesar disso DE NOVO apareceram hoje decorações de natal penduradas nos frágeis ramos dos freixos (doentes) da Praça de Londres.
Se a responsabilidade disto é da Junta (parece ser) é uma contradição com a competência que esta autarquia tem de manutenção do arvoredo.
Se cair algum ramo em consequência destas instalações recordamos as palavras da presidente da Assembleia Municipal de Lisboa: “excepção para os casos em que a junta tenha conhecimento da falta de manutenção e for responsável por ela. Aí o “incumprimento é considerado culposo”.
https://www.publico.pt/…/quando-cai-uma-arvore-a-responsabi…
Por favor queiram proceder (se a instalação foi vossa) à remoção destas decorações”

Actualização de 06.11.2017
A Junta de Freguesia do Areeiro ainda não respondeu mas já foi possível apurar que estas decorações nos frágeis freixos da Praça de Londres não foram nem da responsabilidade da Associação de Comerciantes (como nunca pareceu provável) nem da Junta de Freguesia (como indicava uma resposta do Vereador Sá Fernandes de 2016).
Esta iniciativa foi da CML.
Assim sendo vamos enviar um protesto formal e um reencaminhar o pedido de remoção destas danosas (para as árvores) instalações.

Actualização de 10.11.2017
Ainda não há resposta da CML sobre esta situação (que, recordo: ameaça pessoas e bens) na Praça de Londres.
Mas a Junta já respondeu (o que agradecemos).
Contudo, não compreendo a frase final:
“Assim sendo, se as referidas iluminações foram analisadas por técnico dentro da área de competência (para se saber se de fato as instalações não causam problemas ou defeitos nas árvores) e aprovadas pela Junta de freguesia, deverá esta autarquia responsabilizar-se sobre qualquer dano às árvores ou a terceiros que daí possam advir”
Não é claro que estas iluminações foram ou não “analisadas”.
Aguardamos clarificação
Alguém pode ajudar?…
(e a resposta da CML: que ainda não surgiu)

Actualização de 15.12.2017
Segundo os técnicos da CML (que analisaram as árvores) as decorações não apresentam riscos para os freixos.

Actualização de 13.01.2018
Segundo informa a CML em OCO/128877/2017 a “iluminação de Natal é da responsabilidade da União de Associações de Comércio e Serviços”
Consequentemente reenviamos este pedido a esta entidade.

Actualização de 15.11.2018:
Em 2017 reclamámos ao Pelouro dos Espaços Verdes pela colocação de decorações nos freixos da Praça de Londres – Não responderam mas cumpriram!