Participação dos “Vizinhos do Areeiro” em Debate na Rádio Renascença

Circulação Rodoviária Revista de Imprensa Segurança Transportes Públicos

Audio da intervenção no debate na Rádio Renascença
sobre “As Bicicletas em Lisboa”:
https://amsrr.streaming.mediaservices.windows.net/3d70bc7b-9311-42e2-8de2-51bc9c0ac1d8/sab_em_nome_da_lei_3_de_novembro_118259d09.mp3

“As bicicletas em Lisboa. As virtudes e os abusos

03 nov, 2018 – 15:06 • Marina Pimentel

Moradores queixam-se que a Polícia é demasido tolerante com os ciclistas, mas a PSP desmente.

 

É uma violação do Código da Estrada, mas em Lisboa há ciclistas que circulam nos passeios. Por vezes, isso acontece a alta velocidade.

A denúncia é feita por associações de moradores das Avenidas Novas, no programa em Nome da Lei da Renascença. Rui Martins, presidente da associação dos vizinhos do Areeiro, recebe muitas queixas, sobretudo de pessoas de idade.

E defende que é pelo facto de circularem nos passeios, em vez de seguirem pela estrada, que originam tantas colisões.

Rui Martins reconhece que as bicicletas são úteis para reduzir o número de carros que circulam nas cidades, mas diz que assiste a muitas manifestações de falta de civismo.

Não é apenas circularem nos passeios, o que só é permitido até aos 10 anos de idade. Em causa estão outras infrações graves, como não respeitar semáforos ou andar em contramão.

A polícia é muito tolerante com as novas formas de mobilidade, acusa Rui Martins.

O comissário da PSP Pedro Pereira diz que não é verdade, e garante que a Polícia fiscaliza e multa, quando é caso disso. Mas assume que prefere sempre apostar na prevenção.

O comissário Pedro Pereira afirma que que há muitos condutores de bicicletas que não conhecem o Código da Estrada.

Rui Martins, da Associação dos Vizinhos do Areeiro, diz que era muito importante que as bicicletas tivessem matrícula, para que os seus condutores pudessem ser responsabilizados quando cometem infrações e causam acidentes.

E propõe também que seja obrigatório uma prova de aptidão, ou mesmo uma carta de bicicleta.

Já José Manuel Caetano, presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicletas, argumenta que as pessoas adotam comportamentos diferentes, consoante o meio de transporte que usam, e diz que esse um fenómeno que a sociologia devia estudar.

O Secretário Geral da Associação Nacional dos Industriais de Bicicletas diz que uma das medidas que importa adotar é que o seguro escolar abranja também o percurso que o jovem faz de bicicleta até ao seu estabelecimento de ensino, como já acontece quando se desloca a pé.”

https://rr.sapo.pt/area/65/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *