“A HISTÓRIA DA 1ª CICLOVIA ILEGAL DE LISBOA” [Shifter]

Circulação Rodoviária Estacionamento e EMEL Revista de Imprensa

A HISTÓRIA DA 1ª CICLOVIA ILEGAL DE LISBOA

CICLOVIA NA AVENIDA GUERRA JUNQUEIRO FOI VOTADA NO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE 2014. OBRA COMEÇOU ESTE MÊS, MAS A PRESSÃO DOS MORADORES TERÁ FEITO A CÂMARA MUNICIPAL RECUAR.

Lisboa Ciclovia Ilegal
 

Para ir de bicicleta da Avenida Almirante de Reis para a zona da Avenida de Roma, em Lisboa, existem duas opções: pela Alameda Afonso D. Henrique que apresenta uma inclinação máxima de 15%, ou seguir pela Almirante de Reis até ao Areeiro, cuja inclinação é de 7%. Mas pode existir uma terceira possibilidade: a Avenida Guerra Junqueiro, que apresenta uma inclinação de apenas 4%. Mas, para tal, seria preciso que Câmara Municipal, ciclistas e moradores se entendam quanto à criação de uma pista ciclável em contra-fluxo naquela artéria de sentido único.

Essa obra está prevista no plano ciclável da Câmara Municipal de Lisboa e foi ainda uma das propostas vencedoras do Orçamento Participativo de 2014. Sendo a Avenida Guerra Junqueiro de sentido único, permitindo apenas a circulação no sentido descendente entre a Praça de Londres e a Alameda, os ciclistas são obrigados a optar por trajectos de grande declive, a levar a bicicleta pela mão no passeio ou até a circular em contra-mão no sentido ascendente.

A Avenida Guerra Junqueiro assinalada no plano ciclável da Câmara Municipal de Lisboa

Uma pista em contra-fluxo naquela artéria resolveria o problema: a descer, os utilizadores de bicicleta partilhariam a estrada com os restantes veículos; para subir, teriam uma faixa própria (em contra-fluxo) de cerca de um metro de largura entre o passeio e o estacionamento automóvel, que em vez de transversal teria de passar a longitudinal. As obras arrancaram no início de Fevereiro com a repavimentação da Avenida Guerra Junqueiro e, ao que apurou o Shiftera criação da tal pista ciclável estava prevista no projecto de renovação daquela artéria. Contudo, a pressão dos moradores, preocupados com a perda de 20 lugares de estacionamento, terá levado a Câmara Municipal de Lisboa a desistir ou a adiar o plano.

A inclinação das três opções (foto via MUBI/Facebook)

Certo é que a Guerra Junqueiro conta, por agora, com um novo pavimento e marcações no chão de que tudo vai ficar na mesma. Mas houve quem não se tenha contentado com o aparente recuo da Câmara e tenha deitado mãos à obra. No início desta semana, foram feitas à revelia duas marcações de ciclovia naquela Avenida, através de um molde e de stencil. As marcações pareciam tão realistas que enganaram alguns ciclistas em grupos de Facebook, mas um olhar mais atento não deixava margens para dúvidas: eram falsas.

As marcações na Guerra Junqueiro na segunda-feira à noite

A Vizinhos do Areeiro, núcleo desta freguesia que integra um movimento associativo de moradores, enviou uma queixa à PSP e à Polícia Municipal de Lisboa esta terça-feira, dando conta das marcações feitas naquela artéria, considerando o acto de “vandalismo gratuito”. Nessa nota, publicada online, é referido que foram feitas por “alguém, entre 25 e 26 de Fevereiro, durante a noite”, podendo “induzir utilizadores de bicicletas a acreditar que se trata de uma marcação verdadeira, submetendo-se assim a um grave risco contra a sua saúde e integridade física”.

Apesar de ilegais, as marcações podem ser, contudo, entendidas como activismo – uma forma de passar uma mensagem à Câmara Municipal e/ou aos moradores daquela zona, que, através do Vizinhos do Areeiro e do respectivo grupo no Facebook, contestaram a introdução de uma pista ciclável naquela artéria, através de um abaixo-assinado. Segundo pôde o Shifter verificar, as marcações de ciclovia na Guerra Junqueiro já lá não estavam na terça-feira à tarde – segundo o Vizinhos do Areeiro, foram removidas por volta das 12 horas.

As marcações removidas na terça-feira à tarde

A criação de uma ciclovia “à socapa” não é inédita no mundo, tendo em algumas cidades servido para pressionar as autoridades locais e tido resultados positivos. Em Lisboa, contudo, é a primeira vez que acontece. No grupo de Facebook “Vizinhos do Areeiro”, a questão da ciclovia na Guerra Junqueiro tem sido bastante debatida, com alguns membros a defenderem a ideia. Outros, todavia, questionam a supressão do estacionamento à superfície e os preços das opções subterrâneas que existem na zona, nomeadamente na Alameda e na Praça de Londres.

Certo é que “a criação de condições para a circulação de bicicletas em ambos os sentidos na Avenida Guerra Junqueiro” consta do Orçamento Participativo de 2014 e foi uma das ideias vencedoras da edição daquele ano. A proposta incluí também a criação de condições cicláveis na Avenida Almirante de Reis e na Avenida de Roma, algo que está também no plano da Câmara Municipal. Em 2015, esses troços estariam em estudo.

A popularidade das diferentes artérias daquela zona, segundo o heatmap da Strava

Uma boa infraestrutura ciclável é imprescindível para o aumento de utilizadores de bicicleta numa cidade, sendo a renovação da Avenida da República exemplo disso mesmo. Dados apurados de forma independente indicam que, em apenas um ano, o número de ciclistas naquela artéria mais que duplicou. Se em 2017 tinham sido contabilizadas 174 ciclistas em duas horas numa manhã de Fevereiro, um ano depois foram contadas, no mesmo intervalo de tempo e no mesmo dia do mês, 466 ciclistas, dos quais 40% em bicicletas do sistema partilhado Gira. A transformação da Avenida da República foi polémica, mas, perante desafios desta envergadura, as vozes políticas gostam de falar em “coragem”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *