Lime e CML: Questões sobre segurança, acidentes, avarias, pagamentos a Juicers e e-scooters mal estacionadas (proposta) [Respondido]

“Uma reportagem (audio) de 28.12.2018 do Washington Post (“The story behind a global e-scooter recall”: https://www.stitcher.com/podcast/the-washington-post/post-reports/e/57900565) levanta algumas questões sobre as e-scooters que agora se encontram, às centenas, por Lisboa. Sem dúvida que estes veículos podem representar uma grande mudança no paradigma de mobilidade em Lisboa sendo uma forma de mobilidade urbana muito rápida, flexível e económica, contudo, o artigo chama a atenção para questões de segurança que gostaríamos de saber se também se colocam em Lisboa:

1. algumas empresas, como a Skip (São Francisco) alteraram esta semana os termos de uso da aplicação por forma a protegerem-se contra acções por danos. A Lime vai fazer uma alteração semelhante em Lisboa?

2. a reportagem do Post contactou vários hospitais nos EUA (Miami, San Diego, Nashville, San Francisco, DC, Austin) e encontrou uma grande quantidade de ferimentos graves de utentes destes equipamentos. Segundo os médicos contactados os ferimentos eram muito mais graves do que os registados aquando da aparição das primeiras redes de bicicletas partilhadas e comparáveis a acidentes de motocicletas quando os capacetes não eram obrigatórios e aos acidentes de automóvel quando não existiam as medidas de segurança actuais (cintos de segurança, airbags, etc). Que informações tem a Lime sobre o que se está a passar em Lisboa?

3. onde e como estão a ser reparadas as avarias reportadas pelos Juicers?

4. a reportagem menciona que – em Outubro – muitas baterias de iões de lítio das e-scooters da Lime não eram devidamente instaladas e incendiavam-se facilmente: esta informação, não terá sido divulgada (confirmam?) aos “juicers” (que são quem recolhe, carrega e repara as e-scooters). Em consequência a empresa terá organizado um recall massivo e responsabilizado o fabricante das baterias pelos problemas e não nas práticas de manutenção. Mais recentemente, houve outro recall por causa de um modelo que tendia a partir-se em depois tendo havido um recall massivo em Paris (onde este modelo era muito comum). Confirmam que estes recalls á foram feitos em Lisboa e/ou que estes modelos são apenas recarregados pela Lime? (onde?)

5. o preço mínimo por carregamento das e-scooters (e que é aplicado na grande maioria das vezes) por carregamento desceu para apenas 3 euros por unidade: a Lime entende que este valor é adequado para compensar os custos logísticos e em eletricidade por parte dos Juicers? Os carregamentos continuam a ser feitos ao mesmo ritmo de anteriormente e como explica a empresa o desfasamento de valores comparado com outras cidades europeias? (sendo que o preço de utilização é idêntico)?

6. A Lime já considerou fazer pagamentos aos Juicers que coloquem e-scooters mal estacionadas nos lugares designados para as ditas?

Note-se que apesar destas questões as e-scooters preenchem um nicho importante da mobilidade urbana e podem mudar, de facto, a forma como os cidadãos se poderão deslocar dentro de Lisboa e, por isso mesmo, é importante garantir a segurança destes veículos e que os operadores têm procedimentos de segurança adequados.”

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Nuno Dinis Cortiços
Anabela Nunes
Isabel Tomas Rodrigo
Elsa Felizardo
João J Martins
Ana Sampedro
Francisco Lopes da Fonseca
Essi Silva Ribeiros
Gabriel Osório de Barros
Teresa Sarmento
Rui Martinho
Maria Mar
Ilda Cruz
Stela Correia
Amelia Sousa Nunes
João Lourenço
Gabriela Lago
Paulo Barbosa
Antonio Sequeira
Liliana Azevedo
Ines Pintado Maury

Primeira resposta de 10 de Janeiro de 2019
“agradecemos o contacto. Vamos ler as questões que nos enviam e responder assim que possível.
Qualquer questão, disponham.”

 

Descentralizada de 2019:

“Começam a ser vistos polícias municipais que arrumam e recolhem Trotinetes mal estacionadas.

Eu próprio o faço todos os dias.

A imagem que fica na cidade, os obstáculos que criam à circulação pedonal, arriscam-se a destruir a possibilidade aberta por uma boa ideia.

É preciso trabalhar com os operadores na questão do estacionamento, designadamente na criação de spots virtuais (com bloqueio e registo de local em fim da viagem); multar casos exagerados e comunicar abertamente as quantidades dessas multas

É preciso convidar os operadores a passarem a remunerar também os seus parceiros (Juicers) para arrumarem trotinetes (além de as carregarem)”

Rui Martins

“Sobre se os Juicers, os “funcionários” das empresas podem ou devem reposicionar as trotinetas: temos reuniões quinzenais com estas empresas. E isto faz parte do esforço que estas empresas dizem que estão a fazer. Há três dimensões: a da sensibilização das pessoas (campanha “Lisboa na Boa”: que será reforçada), há a dimensão da fiscalização, da Polícia Municipal que remove sistematicamente trotinetes. Recebi o relatório de que ainda nesta semana foram removidas 50 num dia. Há uma revisão das regras em que nas zonas mais sensíveis (e estamos a aumentar essas zonas sensíveis: p.ex. Jardim da Estrela) não se pode parar (Bairro Alto e Castelo) e depois há o esforço junto das empresas e elas declaram que já o estão a fazer e esse esforço vai ser mais visível. Há necessidade de aumentar o número de lugares de estacionamento para este tipo de veículos e se necessário estamos a pensar aumentar as regras de estacionamento para que parem apenas nos lugares assinalados”

Vereador Miguel Gaspar

 

 

Participação na elaboração do Regulamento Municipal de Alojamento Local dos Vizinhos do Areeiro

Exmo. Senhor Presidente

da Câmara Municipal de Lisboa

Nome

Rui Pedro Martins (em nome dos www.vizinhosdoareeiro.org)

(…)

Vem apresentar junto de V. Exa., ao abrigo do n.º 1 do artigo 98.º do Código do Procedimento Administrativo, no âmbito do período de participação procedimental relativo ao procedimento de elaboração do Regulamento Municipal de Alojamento Local, as seguintes observações/ sugestões:

 

“Os imóveis com utilização habitacional não podem ser afectos a finalidades de alojamento turístico sem que exista a alteração do uso

Grande foco na identificação de AL ilegais: A Administração Tributária por inspecção aleatória a partir da base de dados (pública) dos Alojamentos Locais do Turismo de Portugal e por denúncia de terceiros deve determinar quais estão registados e quais estão a pagar, de facto, impostos

As inspecções das Câmaras Municipais aos AL devem ser anuais e obrigatórias

Reduzir as taxas de IMI aplicadas a arrendamentos de longa duração (mais de 1 ano)

O Governo deve agilizar as prometidas parcerias com plataformas como a Airbnb por forma a acabar com os casos de Alojamento Local não registado

Acabar com a confusão – para efeitos de PDM – entre Alojamento Local e Habitação que limita as autarquias na regulação do Alojamento Local

Os proprietários de Alojamentos Locais devem pagar um contributo extra para os condomínios onde se inserem as suas propriedades

As Câmaras Municipais devem passar a realizar as vistorias que estão, por Lei, obrigada a fazer e que tem recusado (alegando falta de meios e suportadas por parecer judicial)

Que se crie, a nível nacional, uma Taxa Turística (que substitua as actuais dos municípios) cujas verbas sejam aplicadas pelas câmaras municipais na recuperação de edifícios para arrendamento de longa duração uma vez que pretendiam, precisamente, amortecer os efeitos do turismo

Esta posição é o resultado de uma sondagem interna elaborada entre 15 e 20 de Março de 2018″

 

A partir de
http://vizinhosdoareeiro.org/2860-2/

Resposta da CML de 22 de Janeiro de 2019:
“A Câmara Municipal de Lisboa agradece a V. Exªs a  participação no âmbito do procedimento de elaboração do Regulamento Municipal das Áreas de Contenção do Alojamento Local do Município de Lisboa, a qual mereceu a nossa melhor atenção e análise. Tendo terminado o prazo de participação no dia 15 de janeiro, iremos agora dar início à elaboração do projeto de regulamento, o qual será submetido a consulta pública por um prazo não inferior a 30 dias, divulgado designadamente no sitio oficial da Câmara Municipal de Lisboa e em Boletim Municipal, e no qual V. Exa. poderá participar novamente. “

Com os melhores Cumprimentos,
Câmara Municipal de Lisboa
Direção Municipal de Urbanismo
Departamento de Planeamento Urbano
Divisão de Monitorização”

Quiosque na Av Rovisco Pais: Haverá concurso e se não a quem foi cedido? [Respondido]

A Junta de Freguesia tem um quiosque com o seu nome e logotipo no topo da Rovisco Pais.
Segundo consta (?) a exploração deste quiosque foi entregue pela autarquia à Tuna do IST.
Houve um concurso público dando oportunidades a outras entidades da freguesia para explorarem este quiosque?
Confirma-se este aluguer? Quanto receberá por mês a autarquia por via desta cedência?

Requere-se resposta nos termos e para os efeitos do disposto no n.º 3 do artigo 106.º e do artigo 107.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado em anexo ao Decreto-Lei n.º 4/2015, de 7 de janeiro e do prazo de 20 dias para resposta aos fregueses inscrito no artigo 70.º do Regimento da Assembleia de Freguesia do Areeiro

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Rodolfo Franco
Nuno Dinis Cortiços
Madalena Matambo Natividade
Luis Seguro
Elvina Maria Reis Rosa
Isabel Tomas Rodrigo
Francisco Tellechea
Sofia Carvalho Coelho
Zélia Brito
Antonio Viegas
Ana Sampedro
Francisco Lopes da Fonseca
Irene Coelho
Carla Caló
Alexandre Ferreira Lima Bastos
Rui Martinho
Isabel Da Costa Correia
Graciano Venâncio Morais
João Ribafeita
Pedro Diogo Vaz
Manuela Melo
Jose Marques
Isabel Tomás
Daniela Correia
Vanessa Correia Marques
Luís Pereira Dos Reis
Isabel Cancella de Abreu


Resposta de 13.12.2018:

“GAP/ 2885 /2018
Exmos. Senhores,
Em referência ao assunto em epígrafe, encarrega-me o Senhor Presidente da Junta de Freguesia do Areeiro, de acusar a receção do email de V. Exa. que nos mereceu a melhor atenção e informar que ainda não foi lançado concurso público. Este irá ser lançado no primeiro trimestre de 2019.”

Intervenção na Assembleia Municipal de Lisboa de 11 de Dezembro de 2018

PENTAX Image

“Trago a esta Assembleia 6 propostas enviadas a 3 vereadores da CML e que aguardam resposta

e

algumas questões, breves, sobre o estado de cumprimento do compromisso PS/BE sobre Habitação:

 

Vereador Manuel Salgado:

 

  1. “Percentagem mínima de 25% do edificado, nas novas construções” lê-se no Compromisso PS-BE para este mandato. Este valor vai ser aplicado nas novas empreitadas que estão a ser lançadas no Areeiro?
    http://vizinhosdoareeiro.org/percentagem-minima-de-25-do-edificado-nas-novas-construcoes-vai-ser-aplicada-nas-novas-empreitadas-que-estao-a-ser-lancadas-no-areeiro/
     
  2. Quanto Alojamento Local Há No Areeiro?
    http://vizinhosdoareeiro.org/quanto-alojamento-local-ha-no-areeiro-e-outras-questoes/
    Os nºs do airbnb não são compatíveis com o do RNAL e há indícios de muito AL ilegal
  3. Sugestão para a criação de mais estacionamento para moradores no Logradouro da Manuel da Maia
    http://vizinhosdoareeiro.org/sugestao-para-a-criacao-de-estacionamento-no-logradouro-da-av-manuel-da-maia/
    Quando podem responder?
  4. Lista de Devolutos no Areeiro (levantamento de há um ano):
    a quantos desta lista, e em toda a cidade de Lisboa, já foi aplicado o IMI máximo?

As Casas de Vistos Gold estão a ser alvo desta medida?
http://vizinhosdoareeiro.org/mapa-dos-devolutos-possiveis-no-areeiro-lisboa/
Encontrámos, há um ano, 246 possíveis devolutos dos quais: 74 lojas e 13 PRÉDIOS completamente vazios
 

Vereadora Catarina Vaz Pinto:

  1. Proposta para a colocação de uma Estátua para Praça Pasteur
    Já houve oportunidade para avaliar esta sugestão?
    http://vizinhosdoareeiro.org/proposta-de-uma-estatua-para-a-praca-pasteur/

 

Vereador Sá Fernandes:

  1. Sugestão de reformulação do espaço da Alameda Afonso Henriques (tabuleiro superior)
    Está em que fase?
    A degradação do tabuleiro superior não para de aumentar
    http://vizinhosdoareeiro.org/sugestao-de-reformulacao-do-espaco-da-alameda-afonso-henriques/

Pedido de Informação quanto ao Estado de execução de alguns Compromissos PS/BE sobre Habitação
 

1
Quotas habitação permanente e o uso turístico:
Confirma-se que serão aplicadas apenas nas 4 freguesias “históricas”?

E as outras onde a migração de arrendamento para AL não para de aumentar?

 

2

Programa “Reabilita primeiro, Paga depois”
Como está a aceleração deste programa?

Como garantir que estas casas não entram depois, com fundos públicos, no mercado do Alojamento Local?

3
Reabilitação por pequenos proprietários que mantenham os seus inquilinos
Já houve proprietários apoiados? Quantos? (aproximadamente)

4

“Reduzir os prazos de licenciamento”
Quais são os prazos médios, hoje, para a aprovação de obras?

Como espera a CML acelerar estas aprovações?

Fala-se de 3 meses a 3 anos: confirma-se?

5

Programa Renda Acessível

Quantas casas estão hoje nesse regime?

 

6

Bairro Portugal Novo: há algum desenvolvimento por parte do Tesouro e do IHRU?

O que está a CML a fazer a este respeito? (sei que já houve contactos)

7

Tês mil casas  no Programa Renda acessível

Quantas estão e quantas se espera que venham a estar em finais deste ano?

8

Gabinete Municipal para o Alojamento Local:
Já está em funcionamento?
Isto significa que a CML vai começar a fiscalizar os AL em Lisboa?

9

Residências universitárias para aumentar a oferta em 1600 camas em 4 anos
1600 são uma gota de água no oceano… recordar que esta é mais uma pressão sobre a Habitação e que boa parte deste sector escapa ao pagamento de impostos ao contrário do arrendamento urbano:

Enviei recentemente, um pedido de reunião para apresentar a uma proposta de um regulamento municipal de apoio às Repúblicas.

Logo que possível gostaria que respondessem.”

Rui Martins

Aquisição de blocos de cartões Empark pré-comprados pela Junta de Freguesia para apoio ao comércio na freguesia [Respondida]

Os Subscritores propõem que a Junta de Freguesia do Areeiro contacte a Empark por forma a adquirir blocos de cartões pré-comprados (100 unidades cada) que garantem um acesso a um preço muito baixo ao estacionamento (perto da Guerra Junqueiro temos o Parque Londres e o da Alameda) e agilize a sua distribuição aos comerciantes do Areeiro por forma a que estes os possam redistribuir- em troca de compras – aos seus clientes.
Esta medida permitiria – por um custo baixo – atrair mais actividade comercial e aumentar a quantidade de carros nos parques subterrâneos (subocupados!) reduzindo, consequentemente, os veículos em estacionamento de superfície para moradores.

Relacionado com
http://vizinhosdoareeiro.org/pedido-de-negociacao-de-descontos-nas-avencas-empark-no-areeiro/

Subscritores:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Rodolfo Franco
Nuno Dinis Cortiços
Anabela Nunes
Elvina Maria Reis Rosa
Ana Benavente
Isabel Tomas Rodrigo
Zélia Brito
Maria Cortez Caetano
Pedro Tito de Morais
Leonilde Ferreira Viegas
Ana Sampedro
Bruno Beja Fonseca
Ana Coelho
Francisco Lopes da Fonseca
Dulce Amaral
Rosarinho Quina
Isabel Gameiro
Mariana Bettencourt
José Nini Oliveira
Irene Coelho
Alexandre Ferreira Lima Bastos
Carla Caló
Fernando Anjos
Maria João Morgado
Daniel Portugal
Belicha Geraldes
Mafalda Toscano Rico
Ilda Cruz
Stela Correia
Eduardo Natividade
Lezíria Couchinho
Renato Calado Rosa
Teresa Aroso
Margarida Reis
Maria João Oliveira
Margarida Botelho
Lidia Monteiro
Luisa Cunha
João Ribafeita
Eugenia Maria Sobreiro
Maria Martins da Silva
Maria Dulce Sousa
Manuela Melo
Ana Baptista
Neuza Carmo
Elsa Santos Alípio
Elisabete Carvalho
Patricia Saldanha da Gama
Filipe Aguilar
Mafalda Sequeira
Joao Pina Cardoso
António Gonçalves da Silva
Gonçalo Mil-Homens Pedreira
Ana Paula Magalhaes
Margarida Egea
Paulo Barbosa
Catarina Pereira
Cristina Leitao
Vítor Junqueira
Antonio Sequeira
Liliana Costa
Pedro Santos
Frederico Batista

Actualização de 27.11.2018:
“GAP/ 2747 /2018
Exmos. Senhores,
Em referência ao assunto em epígrafe, encarrega-me o Senhor Presidente da Junta de Freguesia do Areeiro de acusar a receção do email de V. Exas. que nos mereceu a melhor atenção e informar que este assunto está a ser conduzido pela EMEL e tanto quanto nos foi informado, esta, irá reunir com a representante da Associação de Comerciantes.”

Protesto sobre a edificação alusiva à Carta de Lisboa no Jardim Fernando Pessa [Respondido]

Os Subscritores deste texto contestam a edificação do mural revestido a azulejos, alusivos à “Carta de Lisboa”, em pórtico de betão armado no plano Norte do Jardim Fernando Pessa (lateral ao Parque Canino):
1. Quanto à ausência de “placa identificativa” como exigido por Lei, informando a natureza, custo e prazo da obra: após pedido de informação à Junta, sem resposta, surgiu uma placa incompleta, apenas com indicação da natureza da obra, os demais pormenores foram omitidos.
2. A construção não foi divulgada por qualquer meio oficial, quer pela Junta ou pela CML: a informação, entretanto conseguida, foi disponibilizada pelos trabalhadores no local de obra.
3. A localização é questionável, uma vez que o espaço tem vida funcional e espontânea: a Freguesia poderia ter optado por requalificar outros, sem função ou abandonados.
4. As dimensões do “mural” são excessivas num espaço dedicado ao lazer em pequenos canteiros relvados. A baixa altura daquele poderá provocar acidentes a crianças de tenra idade ao cruzarem o pórtico de betão.
5. Os materiais escolhidos, betão armado e painel em mosaico de azulejo, quando expostos aos elementos tendem a degradar-se rapidamente, e, de 10 anos em 10 anos, requerem manutenção, conhecimentos técnicos e reabilitações cuidadas. Os azulejos tendem a descolar-se e cair em consequência de exposição solar prolongada, à qual se junta a ‘lixiviação’ das argamassas adesivas, pelo efeito da infiltração das águas da chuva, em especial contaminadas por poluentes. Combinação há muito conhecida pela Autarquia, e com expressão na Freguesia, p.e. azulejos no acesso ao Parque da Bela Vista. Aos quais se acrescenta o vandalismo crescente. Se a tudo isto, juntarmos a mera subtracção de uns azulejos, e, na leitura de outros exemplos, poderemos passar a conviver com uma obra em permanente estado de ruína.
6. O Projecto da Obra não foi submetido a Consulta Pública.

Carta de Lisboa:
http://www.cm-lisboa.pt/fileadmin/Noticias/ficheiros/4Forum_Carta_Final_01.pdf?fbclid=IwAR3NSe88QKV8qyjT-3lAgH54SBNhiAa-n9qdI2aV3WD4HsIq7EU13K8rf_8
algumas citações:
“As cidadãs e os cidadãos exercem o direito de petição junto dos poderes autárquicos(município e freguesias), os quais ficam obrigados a dar resposta fundamentada e em tempo útil, dando sempre acesso à tramitação do processo em todos os procedimentos e petições”
(…)
“Os poderes autárquicos devem divulgar de forma clara, transparente e acessível os procedimentos através dos quais deve ser exercido o direito de petição”
(…)
“As cidadãs e os cidadãos devem ter acesso a informação atempada da tramitação dos processos e dos resultados da sua participação”
(…)
“Os cidadãos e as cidadãs de Lisboa têm direito a que os seus assuntos sejam tramitados pelos órgãos e serviços autárquicos de forma competente, imparcial, equitativa e sem demora e a ser tratados/as com urbanidade e correção pelos
trabalhadores e pelas trabalhadoras e agentes ao serviço da Cidade”
(…)
“Os órgãos e serviços autárquicos deverão ouvir qualquer pessoa, singular ou coletiva antes de, a seu respeito, ser tomada qualquer medida individual que a afete desfavoravelmente”
(…)
“Os órgãos e serviços autárquicos deverão fundamentar as suas decisões”

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Nuno Dinis Cortiços
Anabela Nunes
Luis Seguro
Elvina Maria Reis Rosa
Leonardo Rosa
Isabel Tomas Rodrigo
Cristina Azambuja
Maria Cortez Caetano
Sofia Carvalho Coelho
Patrícia Matos Palma
Carlos Matias
Ana Costa
Ana Sampedro
Raquel Leite
Filipa Ramalho Rickens
Ana Monteiro
Manuela Viegas
Gabriel Osório de Barros
Isabel Gameiro
Irene Coelho
Carla Caló
Rui Martinho
Tiago Leitão
Maria João Morgado
Belicha Geraldes
Isabel Conceição
Ilda Cruz
Margarida Gaia
Jaime Amores
Isabel O. Sousa
Lezíria Couchinho
Helena Amaral
Teresa Aroso
Ana Veiga
Kátia Catulo
Camila Tapadinhas
Daniela Morais
Pedro Stichini Vilela
Alê Camacho
Pedro Morgado
Cristina Casaleiro
Guilherme Freitas
Lucilia Guimaraes
Luisa Almeida
Dolores Araujo
Gonçalo Vitorino
Victor Ribeiro
Cristina Leitao
Gerson Antunes Costa
Antonieta Soares Ribeiro
Antonio Sequeira
Sara Caetano Lopes Viegas
Marta Belling Castro
Pedro Santos
Frederico Batista

Desenvolvimentos e Respostas (parciais) de 5 e 6 de Novembro:
1. A obra terá custado – em Ajuste Directo – 30 mil euros à CML
2. A Junta deu “parecer favorável” ao local escolhido
3. Os azulejos foram doados pelos autores. O custo acima indicado é o do muro e respectivas fundações
4. A obra é da iniciativa da “Área de Cultura” da CML
5. O prazo para conclusão é entre 21 a 22 de Novembro (?)

Propostas de melhoria ao Sistema de Bicicletas GIRA

Tendo em conta que se têm multiplicado os relatos de problemas com o reconhecimento do termo da viagem pelas docas, que se aproxima a entrada plena em funcionamento da rede e os impactos que estes erros poderão ter na confiança e, logo, na adesão ao sistema propomos que:
1. O fim da viagem seja realizado através da App, após a bicicleta ter sido colocada na doca apropriada, obtendo assim uma confirmação na aplicação de que foi concluída com sucesso. Caso a bicicleta não tenha sido colocada devidamente no local ou exista algum problema com a doca a aplicação não deixará realizar o fim de viagem, tendo assim o utilizador conhecimento imediato da existência de um problema (este procedimento será à semelhança de aplicações como a DriveNow que exige esse passo ao utilizador de forma a garantir o fim de viagem)
opcionalmente o sistema poderia enviar um SMS informando o utilizador de que a viagem foi concluída com sucesso.
2. A verificação da rotina que na App dá por concluído o percurso. Há relatos de que, por vezes, quando o percurso termina a App continua a contar o tempo. E há que desligar a app, voltar a ligar, clicar em mapa, para só aí terminar a viagem e pede a pontuação.
3. Propomos também a adição de um alerta ao utilizador que após uma utilização anormalmente longa (superior a, por exemplo, uma hora) envie um SMS de alerta.
4. A instalação de sensores de peso que alertem para a possível presença de dois utilizadores no equipamento
Bloquear o uso simultâneo, a partir da mesma conta e em telemóveis diferentes de uma bicicleta GIRA por forma a dificultar os abusos de utilização do sistema.

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Rodolfo Franco
Cláudia Casquilho
Nuno Dinis Cortiços
Anabela Nunes
Carmosinda Veloso
Luis Seguro
Vitor Manuel Teixeira
Zélia Brito
Francisco Tellechea
Elsa Felizardo
Sofia Carvalho Coelho
José Luz
Bruno Beja Fonseca
Francisco Lopes da Fonseca
Maria Mar
Ilda Cruz
Carlos Lopes
Antonio Moura Correia
Albertina Cruz
Helena Russo
Miguel André
Graciano Venâncio Morais
Sandra João Borges
Daniel Fernandes
Filomena Neves
Alexandre Ferreira Lima Bastos
João Ribafeita
Eduardo Duarte Coelho
Ana Sampedro
Francisco Ramos Pai
Rui Dias
Isabel Tomás
André Diogo
Belicha Geraldes
Manuel Barata Simões
Maria Jose Diegues
Rui Moura
Paulo Barbosa
Margarida Rocha de Oliveira
Filipe Chapman Garrido
Ana Paula Araujo
Frederico Gomes
Nuno Saraiva Rego
Jorge Pedroso
Pedro Santos
Paulo Oliveira

Propostas de melhoria ao Sistema de Recolha de Resíduos Urbanos (calendário, Alojamento Local, Sacos de Lixo, Lavagem de Ruas e Métricas)

Tendo em que conta que é preciso reforçar a recolha de lixos os subscritores propõem à CML e à Junta de Freguesia do Areeiro:
1. CML: Ponderar a alteração do actual sistema de recolha de lixo selectiva:
2as. 4as. 6as. e sábados: Lixo indiferenciado
3as. Plásticos (sob ponderação: um dia pode ser insuficiente)
5as. Papel
Sábado. Plástico
Domingo. Recolha nas zonas históricas
Em zonas muito comerciais (Guerra Junqueiro e parte da Av de Roma): combinar com os comerciantes um dia extra de recolha selectiva de embalagens.
2. CML: Avaliar um sistema de recolha de lixos em estabelecimentos de Alojamento Local (que funcionam fora da escala de recolha selectiva) por forma a acabar com uma das fontes do triste espectáculo de sacos de lixo na rua
3. CML/PM: Reforçar, muito, a fiscalização e multas a infracções que passem pela deposição de sacos de lixo na via (publicitando os números das multas por freguesia) criando, na Polícia Municipal uma unidade especializada no combate e prevenção a este tipo de infracções.
4. Junta: Reforçar e tornar regular a lavagem e limpeza de ruas, paredes e edifícios como sucede na maioria das cidades europeias, especialmente nos locais de maior afluência de pessoas e na época das estações de calor.
5. Criar métricas online e em tempo real do índice de satisfação dos moradores sobre o sistema de recolha de resíduos nas suas freguesias a partir dos pedidos abertos na aplicação na Minha Rua da CML e de inquéritos online regulares aos moradores

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Cláudia Casquilho
Nuno Dinis Cortiços
Anabela Nunes
Luis Seguro
Ana Bravo
Elvina Maria Reis Rosa
Jorge Santos Silva
Zélia Brito
Elsa Felizardo
Ana Costa
Teresa Raposo
Cristina Azambuja
Pedro Pinto
Sofia Carvalho Coelho
Dulce Amaral
Leonilde Ferreira Viegas
Carlos Matias
Erika Bayan
Carla Caló
Francisco Lopes da Fonseca
Ana Paula Bárcia
Ana Sampedro
Rosarinho Quina
Margarida Seguro
Maria Saraiva
Manuela Viegas
Irene Coelho
Belicha Geraldes
Ana Sofia Matias
Anabela Gouveia
Adelia Martins Alexandre Martins
Raquel Marques
Ilda Cruz
Susana Soares
Jaime Amores
Patricia Silva
Albertina Cruz
Felicidade Alberto Muzime
Fátima Apolinario Monteiro
Renato Calado Rosa
Sara Anjos
Isabel Da Costa Correia
Teresa Aroso
Márcia Salgueiro
Ana Leite Pereira
Lidia Monteiro
Alexandre Ferreira Lima Bastos
António Carlos Teixeira Duarte
António Pires Sargento
Maria Martins da Silva
Filomena João
Filipe Seguro
Maria De Lurdes Canto
Lúcia Caetano
Rita Brito Pires
Rui Dias
Joana Santos Patrocinio
Isabel Neves
Isabel Tomás
Suzete Reis
Nuno Soromenho Ramos
Afonso Pereira de Almeida
Paulo Baptista
Eduarda Figanier de Castro
Ana Branco
Fernando Mora de Oliveira
Gonçalo Vitorino
Luis Padinha
Fernando De Sousa Ferreira
Sandra Gaspar
Luís Barros
Paulo Barbosa
Catarina Lopes
Pedro Costa Pinto
Ruy Redin
Frederico Batista

 

Descentralizada de 2019

 

“Recentemente, em reunião com a Polícia Municipal pedimos o reforço da fiscalização e mais multas aos sacos de lixo na via (publicitando os números das multas por freguesia)”

Rui Martins

https://www.youtube.com/watch?v=T5GcF7QQnJs

“Quanto à questão dos alojamentos locais: já fizemos uma campanha bilingue portanto já não há justificações de desconhecimento (…) informámos em duas línguas. Vamos fazer novamente esta campanha para que a situação não se agrave e não só nesta freguesia”

Vereador Carlos Castro

“Quanto à criação de métricas online: estamos a trabalhar no desenvolvimento de uma aplicação que vai melhorar esta ligação entre a Câmara e os cidadãos” (…) “salto qualitativo que demos nessa relação e queremos aprofundar mais essa relação”

Vereador Carlos Castro

“Reitero aqui o pedido de criação de métricas online e em tempo real do índice de satisfação dos moradores sobre o sistema de recolha de resíduos ”
Rui Martins

“Quanto à criação de métricas online: estamos a trabalhar no desenvolvimento de uma aplicação que vai melhorar esta ligação entre a Câmara e os cidadãos” (…) “salto qualitativo que demos nessa relação e queremos aprofundar mais essa relação”

Vereador Carlos Castro

Sinais de degradação no Parque Infantil da Alameda Afonso Henriques (enviada à Junta de Freguesia do Areeiro)

 

Os subscritores apelam à Junta de Freguesia para providenciar a reparação das paredes laterais do Parque Infantil da Alameda (degradadas já há alguns anos) e realizar neste – muito frequentado – parque uma intervenção de melhoria, reparação de baloiços e actualização de equipamentos lúdicos e considere a colocação de árvores por forma a providenciar algum abrigo e sombra.

Subscrevem:
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Rodolfo Franco
Nuno Dinis Cortiços
Cláudia Casquilho
Fernando Faria
Madalena Matambo Natividade
Filipe Guedes Ramos
Anabela Nunes
Elvina Maria Reis Rosa
Luis Seguro
Ana Benavente
Ana Bravo
Zélia Brito
Maria Cortez Caetano
Rui M. Sousa
Ana Costa
Cristina Azambuja
José Luz
Maria Teresa Inglês Agostinho
Dulce Amaral
Leonilde Ferreira Viegas
Carlos Matias
Margarida Moreira
Fátima Mayor
Sandra Leite
Mariana Bettencourt
Maria Jose Diegues
Ana Coelho
Carla Caló
Sofia Carvalho Coelho
Francisco Lopes da Fonseca
Gabriel Osório de Barros
Teresa Ferreira
Antonio Viegas
Duarte Amado
Emilio Santos Pinto
Ana Monteiro
Porfírio Sampaio
Ana Sampedro
Alexandra Amaral
Margarida Seguro
Maria Estima
Inês Santos
Rui Martinho
Irene Coelho
Belicha Geraldes
Carlos Roque Rêgo
Jacinto Manuel Apostolo
Paulo Silva
Maria Cristina Lacerda
Fernando Anjos
Anabela Gouveia
Raquel Marques
Madalena Ferreira
Ilda Cruz
Wilson Caetano
Manuela Oliveira
Eduardo Natividade
Albertina Cruz
Cristina Milagre
Maria Luísa Lanita
Laurinda Hormigo
Lezíria Couchinho
Clara Ribeiro
Leonor Antunes Debrito
Alexandra Cordeiro
Isabel Da Costa Correia
Teresa Aroso
Márcia Salgueiro
Margarida Reis
Beatriz Granja
Ana Paula Pimenta
Victor Costa
Branca Sousa
Isabel Gameiro
Isabel Tomas Rodrigo
Margarida Botelho
Lidia Monteiro
Isabel Catarina Ferreira
Filomena Videira
Paulo Fonseca
Catarina Coelho
Alexandre Ferreira Lima Bastos
Margarida Granjo Dos Reis
António Carlos Teixeira Duarte
João Ribafeita
Pedro Gaurim Fernandes
Irene Vieira
António Pires Sargento
Isabel Costa
Joana Jorge
Pedro Diogo Vaz
Maria Paulo
Filomena João
Maria De Lurdes Canto
Pedro Morgado
Marcela Alves
Mariana Vences
Isabel Barreto
Cristina Casaleiro
Maria Luisa Ferreira
Jose Marques
Filipe Oliveira
Ana Azevedo
Suzete Reis
Joao Paulo Trindade
Susana Vicente
Carmen Domingues
Ana Alves de Sousa
Catarina Nogueira
Pedro Tracana Escada
Fernando Barroso de Moura
Rute Marina Costa
Inês Teixeira
Ana Sofia Rosa
Teresa Maria Braga Abecasis
Catarina Pereira
Antonieta Soares Ribeiro
Vanessa Correia Marques
Célia Simões Soares
Vítor Junqueira
Sílvia Baptista
Inês Gomes Beirão
Ruy Redin
Nuno Saraiva Rego

 

Resposta da Junta de Freguesia do Areeiro de 27 de Agosto:

“Em referência ao assunto em epígrafe, encarrega-me o Senhor Presidente da Junta de Freguesia do Areeiro de informar que solicitamos à CML um projeto de requalificação que será executado ainda este ano.

Grata pela atenção.”

Actualização de 2 de Janeiro de 2019:

Esta reparação não ocorreu mas tem projecto da CML e foi agendada para 2019