Os Vizinhos em Lisboa (que integra vários núcleos de Vizinhos de Lisboa como os do Areeiro, Arroios e Avenidas Novas: entre outros) estiveram presentes na reunião do Conselho Consultivo do Plano Municipal de Segurança Rodoviária de 2 de Julho nos Paços do Concelho

Os Vizinhos em Lisboa (que integra vários núcleos de Vizinhos de Lisboa como os do Areeiro, Arroios e Avenidas Novas: entre outros) estiveram presentes na reunião do Conselho Consultivo do Plano Municipal de Segurança Rodoviária de 2 de Julho nos Paços do Concelho.

Presentes estiveram Rui Martins e Luis Castro da direcção da Associação. Foram recolhidos elementos para a boa implementação do Plano de Segurança e elementos (p.ex. A informação de que entre 2010 e 2018 houve 168 mortos e 734 feridos graves (com internamento superior a 24H) sobre o diagnóstico da actual situação tendo sido partilhado o ambicioso objectivo de reduzir a zero (“Missão Zero”) a mortalidade rodoviária e reduzir a 36 os feridos graves até 2030. Foram mencionados ainda os programas “Escola 100% Segura” (com intervenções junto a escolas como a EB Luís de Camões), e o “Bairro 100% Seguro” em parceria e com CDCs com as Juntas de Freguesia.

Alguns dados:

Como as três maiores tipos de atropelamentos foram indicados, por ordem:

1º sobre zebras sem semáforo (mais em verde que em vermelho)
2º rua fora da zebra
3º Quando seguiam pela rua

Grupos etários:

1º adultos (contabilizar quem trabalha mas não vive na cidade)
2º idosos (mais de 65 anos) com 1/3 a 28% do total (o que não conta com os adultos que entram na cidade para trabalhar)
3º crianças

Acidentes:

Mais acidentes com motas (grande aumento)

Mais acidentes com bicicletas (subida ligeira)

Peões atropelados: estável 60% dos sinistros ocorreram em zonas residenciais: Mas são números (demasiado) elevados

60 a 80% são utilizadores vulneráveis

60% sobre zebras ou a menos de 50 m 1 em 10 lisboetas já foram atropelados (1/2 foram hospitalizados) 1 a 3 foram “quase atropelados”

Reunião com Vereador Miguel Gaspar

A 14 de Novembro teve lugar uma reunião com o Vereador Miguel Gaspar (Mobilidade e Segurança ) e a Diretora Municipal Francisca Ramalhosa (Direção Municipal da Mobilidade).

Na reunião foi apresentada também a associação dos Vizinhos em Lisboa que integra vários núcleos de vizinhos em Lisboa, o modo de funcionamento do coletivo e passou-se a abordar as várias propostas e sugestões que os Vizinhos têm feito à autarquia nos últimos meses.

Proposta À CML: Tornar O Bairro Dos Actores Numa Zona 30

2018-10-30

Os subscritores propõem que a CML avalie a passagem do Bairro dos Actores a uma “Zona 30” dado que se trata de um bairro fortemente residencial, grande e sem avenidas a atravessá-lo.

Paralelamente, apelamos à autarquia que – independentemente da avaliação acima citada – aumente o número de passadeiras elevadas (como a que já existe na Abade Faria) assim como o reforço da sinalização vertical de sentido de trânsito e espelhos em alguns cruzamentos deste Bairro de pior visibilidade.”

http://vizinhosdoareeiro.org/proposta-a-cml-tornar-o-bairro-dos-actores-numa-zona-30/

> A proposta fui muito bem acolhida e será alvo de estudo. De ressalvar que no começo da Rua Abade Faria já existe uma passadeira elevada (como as que são instaladas nos bairros tornados em Zona 30) e que a proposta surgiu de moradores.

“Arrumadores” na Av Guerra Junqueiro: Dupla Tributação e Apelo à sua integração social

2018-07-02

https://vizinhosdoareeiro.org/arrumadores-na-av-guerra-junqueiro-dupla-tributacao-e-apelo-a-sua-integracao-social/

“Os Subscritores desta mensagem apelam à CML e, em particular, à Polícia Municipal que adoptem medidas nas zonas de estacionamento reguladas pela EMEL por forma impedir a “dupla tributação” que decorre da actividade dos arrumadores de carros que operam nestas zonas (p.ex. Na Av. Guerra Junqueiro).

Apelam ainda à CML que identifique eventuais carências sócio-económicas destas pessoas e actue em conformidade à sua integração social.”

> O Vereador indicou que seria feito um reforço do policiamento local mas concordou que era um problema de natureza social e que os serviços sociais iriam ser informados no sentido de se sinalizar o problema. O problema não ocorre apenas neste local (p.ex.ocorre também junto à capela da Igreja S. João de Deus e noutras zonas da cidade).

“Dia Verde” para a Carris: Sugestão à CML                

2018-03-05 14:47

http://vizinhosdoareeiro.org/dia-verde-para-a-carris-sugestao-a-cml/

“Os subscritores sugerem à CML (enquanto gestora da Carris) que esta avalie os modelos inovadores em ensaio, por exemplo, em Londres pela Citymapper e que, através de uma app de telemóvel permitirão reservar antecipadamente lugares nos miniautocarros de oito lugares para percursos urbanos e o modelo que a Uber está a experimentar nos EUA e que permite que veículos reservados numa app aguardem num dado local até à chegada de quem fizer a reserva e que se aplicaria, igualmente, a este tipo de miniautocarros.

Sugerimos ainda à Carris que esta empresa teste durante algum tempo um “Dia Verde”, por exemplo, a primeira segunda-feira de cada mês em que o transporte fosse gratuito por forma a aferir o impacto na cidade, poluição e circulação urbana de uma eventual gratuidade do transporte público em Lisboa”

> A primeira parte da proposta já é, em certa medida, cumprida pelo Areeiro Porta a Porta (embora a divulgação do serviço esteja longe de ser perfeita: mas este é um serviço da Junta não da CML)

> A proposta do “dia verde” foi já, ensaiada, na Semana da Mobilidade e não terá tido uma adesão significativa. A CML vai estudar a proposta na direcção do projecto, em estudo, de um “dia sem carros” mensal, estando a Avenida da Liberdade e Saldanha na lista de locais onde esse projecto poderá ser implementado. Está também a ser avaliada a hipótese de criar um dia “play on the street”, tendo o vereador desafiado a Associação para propor um local, que poderia ser no Bairro dos Actores com a reserva para trânsito pedonal e de meios ligeiros de mobilidade num dia (ao modelo ao que fazia a EGEAC junto ao Maria Matos). Outra opção seria uma rua perto de um estabelecimento de ensino na freguesia. Ambas as opções (e outras: ainda por identificar) estão em avaliação. A medida deverá ser ainda articulada com a junta, existindo interesse da população.

> O “Cartão Navegante Escola” pode ser pedido pelos colégios privados (alguns já aderiram) e procurou saber se o colectivo de moradores poderia divulgar a existência desta facilidade junto da rede de moradores.        

Estacionamento Selvagem Em Torno Do Pavilhão Do Casal Vistoso                

2018-07-23

https://vizinhosdoareeiro.org/estacionamento-selvagem-em-torno-do-pavilhao-do-casal-vistoso/

“É frequente – em eventos patrocinados pelo município – assistir ao estacionamento caótico na rua de acesso ao Pavilhão Municipal Casal Vistoso: os autocarros e carrinhas que transportam utentes a estes eventos estacionam em segunda fila, com motores ligados e usando e abusando da sinalização sonora

Porque é que estes veículos não utilizam o parque da Sarmento Beires para estacionar depois de largar as crianças?

Porque é que não desligam os motores, cujo ruído se propaga para dentro dos apartamentos?

De considerar, também, o desvio de tráfego não local para o descampado acima do pavilhão, sem entrar na João da Silva, que devia ter um só sentido, abrindo-se uma rua para permitir a circulação à volta do pavilhão com o sentido único e uma outra saída”

> A autarquia irá contactar a gestão do parque por forma a que esta reforce as instruções dadas aos motoristas para que não deixem os motores ligados enquanto esperam os seus passageiros evitando assim a criação de ruído e poluição desnecessária. As restantes partes da proposta serão analisadas

> Vai analisar a recomendação da AML também referente ao estacionamento e circulação nestes arruamentos.

Happy Hour EMEL Para Clientes De Zonas Comerciais (proposta)                

2018-09-06

http://vizinhosdoareeiro.org/happy-hour-emel-para-clientes-de-zonas-comerciais/

“Propomos que a EMEL entre as 1230 e as 1430 reserve uma certa quantidade de lugares de estacionamento gratuitos (claramente identificados) para estacionamentos junto a zonas comerciais ou de restauração por forma a incentivar a vida comercial local.

Estas zonas em “happy hour” seriam gratuitas para veículos com dístico da EMEL (de outras zonas): para não promover uma maior entrada de veículos na cidade.

Esta iniciativa poderia ter uma zona piloto na Av Guerra Junqueiro”

> A Empark tem uma opção que consiste na existência de cartões pré-comprados (em blocos de 100 unidades cada) que garantem um acesso gratuito na primeira hora e a um preço muito baixo nas seguintes ao estacionamento (perto da Guerra Junqueiro temos o Parque Londres e o da Alameda). A CML está a estudar formas de que essa distribuição e divulgação junto aos comerciantes possa ocorrer.

Pedido de recuperação de lugares de estacionamento no Areeiro        

2018-07-12

https://vizinhosdoareeiro.org/pedido-de-recuperacao-de-lugares-de-estacionamento-no-areeiro/

“Existem na freguesia do Areeiro vários lugares de estacionamento que carecem de revisão por parte da CML por forma a recuperar para moradores alguns lugares de estacionamento. Em particular:

a. Rua Augusto Gil: O novo bar “victor horta” tem reservado estacionamento nocturno pela colocação de pinos com corrente no que era uma antiga garagem. Esta reserva é legal?

b. Av Óscar Monteiro Torres: uma igreja tem aqui uma reserva de estacionamento permamente, mesmo nos horários em que não em funcionamento (pede-se limitação horária)

c. Loja de Móveis Universal da Sacadura Cabral (Nº27): Antiga garagem transformada em loja e com alerta (falso?) de reboque em caso de estacionamento

d. Av Marconi: Junto ao stand da Opel com lugares reservados com pinos por proprietário. É legal?

e. Antigo Colégio Paula Frassinetti na Av México, 7: Esta escola já fechou mas as reservas de estacionamento continuam no local

f. Antigos CTT das Olaias na Rua Sarmento de Beires

g. Lugares da AML reservados em frente ao fórum Lisboa. Já que a CML quer estimular políticas de mobilidade, pode começar por dar o exemplo e acabar com as reservas de estacionamento para si própria (há um parque de estacionamento no subsolo do Fernando Pessa)

Os Subscritores pedem à CML que reveja estas reservas e corrija qualquer situação menos regular.”

> Lista foi bem acolhida e será alvo de análise por parte da Direção Municipal da Mobilidade já que se poderá traduzir numa recuperação significativa de lugares de estacionamento para moradores.

> De igual modo o autarquia mostrou disponibilidade para avaliar a passagem a estacionamento reservado a moradores de mais arruamentos do Bairro dos Actores se entendido necessário. Foi apresentada uma proposta para introdução de uma ciclovia na Rua Atriz Virgínia com vista a ligação da Praça de Londres a Marvila, ciclovia essa que pode ter um percurso alternativo pela Av. Afonso Costa. A Associação sugeriu que caso a opção fosse a Atriz Virginia, onde a ciclovia ficaria melhor integrada, instalar-se uma nova zona de estacionamento na Rua João Castilho para compensar, igualmente, essa perda de lugares (tal opção daria, em tese, inclusivamente um crescimento dos lugares de estacionamento disponíveis no Bairro dos Actores o Bairro na freguesia do Areeiro onde mais falta de lugares de estacionamento – especialmente de noite – se faz sentir junto dos moradores). De sublinhar que esta decisão ainda não está tomada sendo a Avenida Afonso Costa a outra opção.

Propostas De Melhoria Ao Sistema De Bicicletas GIRA                

2018-09-13

http://vizinhosdoareeiro.org/propostas-de-melhoria-ao-sistema-de-bicicletas-gira/

“Tendo em conta que se têm multiplicado os relatos de problemas com o reconhecimento do termo da viagem pelas docas, que se aproxima a entrada plena em funcionamento da rede e os impactos que estes erros poderão ter na confiança e, logo, na adesão ao sistema propomos que:

1. O fim da viagem seja realizado através da App, após a bicicleta ter sido colocada na doca apropriada, obtendo assim uma confirmação na aplicação de que foi concluída com sucesso. Caso a bicicleta não tenha sido colocada devidamente no local ou exista algum problema com a doca a aplicação não deixará realizar o fim de viagem, tendo assim o utilizador conhecimento imediato da existência de um problema (este procedimento será à semelhança de aplicações como a DriveNow que exige esse passo ao utilizador de forma a garantir o fim de viagem)

opcionalmente o sistema poderia enviar um SMS informando o utilizador de que a viagem foi concluída com sucesso.

2. A verificação da rotina que na App dá por concluído o percurso. Há relatos de que, por vezes, quando o percurso termina a App continua a contar o tempo. E há que desligar a app, voltar a ligar, clicar em mapa, para só aí terminar a viagem e pede a pontuação.

3. Propomos também a adição de um alerta ao utilizador que após uma utilização anormalmente longa (superior a, por exemplo, uma hora) envie um SMS de alerta.

4. A instalação de sensores de peso que alertem para a possível presença de dois utilizadores no equipamento

Bloquear o uso simultâneo, a partir da mesma conta e em telemóveis diferentes de uma bicicleta GIRA por forma a dificultar os abusos de utilização do sistema.”

> A proposta foi apresentada e será analisada.

> Foi abordada a actual carência de bicicletas GIRA e os problemas de disponibilidade de bicicletas e de manutenção junto do operador. A situação melhorou, nos últimos dias, tendo passado de menos de 290 para mais de 400 esperando-se um reforço significativo do parque em breve, até às 700 unidades e a satisfação do plano inicial de 1400 até fevereiro de 2019. Estes problemas têm ditado a suspensão de abertura de novas estações (como a da Av de Paris), que deverão alcançar as 140 apenas quanto as 1400 GIRA estiverem operacionais.

> Foram apresentadas sugestões como a inserção de um questionário avaliativo do regras e boas práticas de uso de bicicletas na app móvel e a afixação das mesmas nas estações, assim como a da colocação de um nº único identificativo das bicicletas nas mesmas por forma a facilitar utilizadores que não respeitem as regras e a trazer mais responsabilidade ao uso do sistema.

> A questões das trotinetes eléctricas foram abordadas, especialmente no que concerne à sua presença, em estacionamento, sobre o passeio. A CML confirmou que os hotspots sobre o passeio são da sua responsabilidade e que serão criados novos em breve para acolher os novos operadores que devem estar prestes a entrar no mercado sujeitando às mesmas regras já acordadas com a Lime.

> A CML vai reforçar o número de estacionamentos para bicicletas e motas e instalar barras de segurança em 800 dos já existentes (um pedido insistente dos moradores)

        

Sugestão sobre eventual alteração à circulação na Av de Paris                

2018-03-27

http://vizinhosdoareeiro.org/sugestao-sobre-eventual-alteracao-a-circulacao-na-av-de-paris/

“Caso se confirmem as alterações à circulação automóvel na Av. de Paris, nomeadamente a inversão do sentido entre Praças (Londres/Pasteur), os subscritores sugerem à CML que sejam eliminados os dois lugares de estacionamento na entrada, após o túnel, da Rua Presidente Wilson, um na sequência da Padaria Portuguesa (dir.) e o da Pastelaria Zurique (esq.), por forma a não impedir o trânsito automóvel, em especial de veículos pesados, afectos à recolha de “lixo”, Pingo Doce, colégios, bombeiros, ambulâncias, mudanças (etc).

A entrada deve apresentar-se desobstruída para garantir a fluidez de trânsito e o livre acesso dos veículos em socorro e marcha de urgência.

Relembramos, a estrutura dos edifícios da “Wilson”, “Paris” e “Pasteur”, possui pavimentos em vigamento de madeira, propagadores rápidos de fogo aos pisos superiores, com o perigo de um pequeno incêndio tomar por completo um edifício com dezenas de frações.

Sugerimos que a perda de lugares, pelo descrito e pelas ciclovias a instituir, seja compensada por um Protocolo, de baixa renda para residentes, com os operadores dos parques de estacionamento próximos, na garantia que a cidade é todos e para todos.”

> A sugestão foi bem acolhida, especialmente no ponto da Presidente Wilson. O ponto que refere os preços de estacionamento vai merecer uma abordagem numa escala maior já que todos reconhecem que há um problema de fraca optimização dos lugares em parque em Lisboa estando, nomeadamente, um piso inteiro do parque da Alameda encerrado, como é, aliás, do conhecimento público.

Túnel no Jardim Fernando Pessoa (sugestão de aumento de segurança pedonal)        

2018-06-15

https://vizinhosdoareeiro.org/tunel-no-jardim-fernando-pessa-sugestao-de-aumento-de-seguranca-pedonal

“Os Subscritores solicitam à CML a alteração do pavimento do acesso ao Jardim Fernando Pessa pela Rua Cervantes, por ‘calçada do tipo passeio’ — valorizando a circulação pedonal num percurso em túnel sem passeio, com reduzida iluminação e pavimento irregular — por forma a minimizar os riscos de circulação. Em conformidade, requerem que seja considerada a sinalização de “via partilhada (Artigo 78.º do Código da Estrada — A Zonas de Coexistência)”

> A proposta foi bem acolhida pela CML que desencadeará agora um estudo no sentido de estudar a sua viabilidade.


No termo da reunião, o Vereador e a Directora Municipal fizeram questão de valorizar o papel da Associação pelo seu papel ativo de cidadania.

Participação dos “Vizinhos do Areeiro” em Debate na Rádio Renascença

Audio da intervenção no debate na Rádio Renascença
sobre “As Bicicletas em Lisboa”:
https://amsrr.streaming.mediaservices.windows.net/3d70bc7b-9311-42e2-8de2-51bc9c0ac1d8/sab_em_nome_da_lei_3_de_novembro_118259d09.mp3

“As bicicletas em Lisboa. As virtudes e os abusos

03 nov, 2018 – 15:06 • Marina Pimentel

Moradores queixam-se que a Polícia é demasido tolerante com os ciclistas, mas a PSP desmente.

 

É uma violação do Código da Estrada, mas em Lisboa há ciclistas que circulam nos passeios. Por vezes, isso acontece a alta velocidade.

A denúncia é feita por associações de moradores das Avenidas Novas, no programa em Nome da Lei da Renascença. Rui Martins, presidente da associação dos vizinhos do Areeiro, recebe muitas queixas, sobretudo de pessoas de idade.

E defende que é pelo facto de circularem nos passeios, em vez de seguirem pela estrada, que originam tantas colisões.

Rui Martins reconhece que as bicicletas são úteis para reduzir o número de carros que circulam nas cidades, mas diz que assiste a muitas manifestações de falta de civismo.

Não é apenas circularem nos passeios, o que só é permitido até aos 10 anos de idade. Em causa estão outras infrações graves, como não respeitar semáforos ou andar em contramão.

A polícia é muito tolerante com as novas formas de mobilidade, acusa Rui Martins.

O comissário da PSP Pedro Pereira diz que não é verdade, e garante que a Polícia fiscaliza e multa, quando é caso disso. Mas assume que prefere sempre apostar na prevenção.

O comissário Pedro Pereira afirma que que há muitos condutores de bicicletas que não conhecem o Código da Estrada.

Rui Martins, da Associação dos Vizinhos do Areeiro, diz que era muito importante que as bicicletas tivessem matrícula, para que os seus condutores pudessem ser responsabilizados quando cometem infrações e causam acidentes.

E propõe também que seja obrigatório uma prova de aptidão, ou mesmo uma carta de bicicleta.

Já José Manuel Caetano, presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicletas, argumenta que as pessoas adotam comportamentos diferentes, consoante o meio de transporte que usam, e diz que esse um fenómeno que a sociologia devia estudar.

O Secretário Geral da Associação Nacional dos Industriais de Bicicletas diz que uma das medidas que importa adotar é que o seguro escolar abranja também o percurso que o jovem faz de bicicleta até ao seu estabelecimento de ensino, como já acontece quando se desloca a pé.”

https://rr.sapo.pt/area/65/

Praça Francisco Sá Carneiro: Várias situações (Actualização)

Os subscritores apelam à CML que quanto à Praça Francisco Sá Carneiro atente às seguintes situações:
1. A instalação luminosa na Rosa dos Ventos com cesto de gávea da torre do Arqt Luís Cristino da Silva (1938) foi devidamente licenciada pela CML? (aparentemente: sim dado que respeita a instalação original)
2. A manutenção do espaço verde do separador central
3. A estrutura em cimento do monumento que está com fungos que, a prazo, podem comprometer a sua solidez
4. O piso em cimento (lado Alm Reis) está quebrado em vários (estacionamento recorrente de veículos e inadequação do piso aos mesmos)
5. As obras dos cais do Metro tardam em começar e as escadas estão a acumular lixo
6. O piso está muito degradado (calçada e betuminoso)
7. As guias para cegos nas passadeiras junto à Gago Coutinho continuam mal direccionadas
8. As caravelas das torres junto à Almirante Reis continuam desaparecidas
9. As arcadas junto à Gago Coutinho estão plenas de dejectos de pombos e pastilhas elásticas
10. A lanterna da década de 1940 da torre na Padre Manuel da Nóbrega continua sem a porta de acesso (desde as obras)
11. Junto à praça de táxis encontra-se uma rampa de cimento feita por desconhecidos
12. Junto ao hotel da João XXI encontramos um segmento de piso a cimento
13. Algumas árvores mortas não foram, ainda, substituídas e outras têm tutores mal cuidados

Assim sendo, recomendamos à Câmara Municipal de Lisboa que adicione esta central Praça do Areeiro (e importante símbolo da Arquitectura Modernista dos anos 40-50) ao Programa “Uma Praça em Cada Bairro”, com urgência, e resolvendo as situações acima listadas por forma a devolver a esta Praça a dignidade que ela merece.

Subscrevem:
Jorge Oliveira
Nuno Dinis Cortiços
Cláudia Casquilho
Luis Seguro
Anabela Nunes
Patrícia Matos Palma
António Aguiar Costa
Elsa Felizardo
João J Martins
Alexandra Rodrigues
Ana Costa
Fernando Faria
Cristina Azambuja
Mira de Lacerda
Mariana Bettencourt
Carla Caló
José Pedro Leitão
Elsa Felizardo
Emilio Santos Pinto
Porfírio Sampaio
Bruno Beja Fonseca
Alexandra Maia Mendonça
Tiago Leitão
Francisco Lopes da Fonseca
Ana Paula Sampedro
Jacinto Manuel Apostolo
Nuno Franco Caiado
Gonçalo C. da Silva
Catarina Coelho
João Girbal
Maria Claro Ribeiro
Celestina Costa
Cristina Milagre
Alexandre Manuel Prata da Silva
Rui Fragoso
Isabel Da Costa Correia
Graciano Venâncio Morais
Margarida Reis
Walter Perdigão
Isabel Athayde E Mello
Catarina Coelho
José Albano Figueiredo
Humberto Gaspar
Maria Fernanda Moura
Pedro Morgado
Cristina Casaleiro
Sofia Carvalho Coelho
Eduardo Pessoa Santos
Pedro Correia
Sónia Maia
Leonor Braz Teixeira
Paulo Silva
Fernando Mora de Oliveira
Simão Farias
Pedro Melro e Silva
Bruno Peres
Miguel Jorge
Gonçalo Vitorino
Rui Pedro Henriques
Alexandra Galha
Luis Rego Carneiro
Alexandra Amaral
Miguel Varela
João Leonardo
Filipe Ruivo
Antonio Sequeira
Margarida Soares
Paula Cristina Santos
Luis Miranda

 

Questões repetidas em AF:

“5.       Praça Francisco Sá Carneiro:
A manutenção do espaço verde do separador central já está na Junta?
As obras dos cais do Metro tardam em começar e as escadas estão a acumular lixo: Podem limpar?
As guias para cegos nas passadeiras junto à Gago Coutinho continuam mal direccionadas: Podem corrigir?
Junto à praça de táxis encontra-se uma rampa de cimento feita por desconhecidos: Podem corrigir?”

1ª resposta da Junta: “5-A) O espaço ainda não foi entregue à JFA.

B) Desconhecemos. A última informação era o início em junho corrente. As escadas pedimos autorização ao Metro para limpar e aguardamos.

C) Vamos comunicar à CML sobre as guias dado ter sido esta a responsável pela obra.”

> Ainda está com a CML: Compreendo. Então é ela que tem limpo o espaço verde e assegura a rega: registado.  Quando espera a Junta receber essa delegação de competências e o que tem feito para este processo seja, finalmente, concluído?

> O lixo acumula-se: Se as equipas da Junta descerem a escada e recolherem lixo certamente que ninguém lhes dará ordem de prisão… Sugiro que o façam já que a própria imagem da freguesia (e da Junta) que está assim em causa. Nota: os vossos serviços de limpeza têm uma boa imagem! Importa não a erodir…

Ao que sei são as Juntas que têm corrigido algumas guias (Alvalade, p.ex.). Noutros casos a CML (as que estão em garantia de obra?…) de qualquer forma é algo a que a Junta pode certamente adicionar pressão
Quanto à rampa de cimento: algo a comentar?

2ª resposta da Junta: “A) A Praça Francisco Sá Carneiro não será alvo de delegação de competências, permanecendo na esfera da CML. B) Não iremos colocar os trabalhadores numa situação de risco. O espaço não é da competência da JFA. Continuaremos a insistir numa resposta do Metropolitano de Lisboa. C) As guias para cegos serão corrigidas em breve pela JFA. D) A JFA não fará obras de requalificação de um espaço público para o qual não tem competência. Esta permanecerá da CML, que assim decidiu recentemente, pelo que caberá a esta esse encargo.”

Enviada a 3.Jan.2019 (CML):

Em relação à alteração de fachada das torres da Praça Francisco Carneiro:
http://vizinhosdoareeiro.org/praca-francisco-sa-carneiro-varias-situacoes/
(ponto 8)
já estão em condições de responder?

Actualização da CML de 28 de Março:
“Encarrega-me o Senhor Vereador Manuel Salgado de acusar a receção do e-mail acima mencionado, o qual mereceu a nossa melhor atenção, e enviar em anexo o OF/229/GVMS/CML/19 em resposta ao mesmo”

“Dia Verde” para a Carris: Sugestão à CML

Os subscritores sugerem à CML (enquanto gestora da Carris) que esta avalie os modelos inovadores em ensaio, por exemplo, em Londres pela Citymapper e que, através de uma app de telemóvel permitirão reservar antecipadamente lugares nos miniautocarros de oito lugares para percursos urbanos e o modelo que a Uber está a experimentar nos EUA e que permite que veículos reservados numa app aguardem num dado local até à chegada de quem fizer a reserva e que se aplicaria, igualmente, a este tipo de miniautocarros.
Sugerimos ainda à Carris que esta empresa teste durante algum tempo um “Dia Verde”, por exemplo, a primeira segunda-feira de cada mês em que o transporte fosse gratuito por forma a aferir o impacto na cidade, poluição e circulação urbana de uma eventual gratuitidade do transporte público em Lisboa”

para saber mais:
https://www.newscientist.com/article/2161961-why-do-firms-like-uber-and-citymapper-keep-reinventing-buses/

Subscrevem:`
Rui Pedro Martins
Jorge Oliveira
Nuno Dinis Cortiços
Cláudia Casquilho
Elvina Maria Reis Rosa
Anabela Nunes
José João Leiria-Ralha
Luis Seguro
Teresa Raposo
Ana Costa
Mira de Lacerda
João J Martins
Mariana Bettencourt
Pedro Pinto
Francisco Lopes da Fonseca
Carla Caló
Sampedro Ana Paula
Duarte Amado
Rui Coimbra
Herculano Rebordao
Mafalda Toscano Rico
Elsa Felizardo
Ilda Cruz
Zélia Pereira
Margarida Seguro
Victor Costa
Maria Claro Ribeiro
Adelia Martins Alexandre Martins
Maria Conceição Silva
Eduardo Pessoa Santos
Carolina Lemos E Sousa
Daniel Portugal
Antonio Sequeira
Rita Tojal Quintela
Bruno Beja Fonseca
Luis Miguel Ferreira

Av Padre Manuel da Nóbrega e Obras do Metro do Areeiro [Divulgação CML] [Actualizado]

Informações recebidas da CML em resposta a nossos pedidos:

Av. Padre Manuel da Nóbrega

A repavimentação do troço em mau estado da Av. Padre Manuel da Nóbrega, tem inicio previsto para dia 6 de Novembro, e duração estimada de 5 dias úteis.
Considerando o enorme movimento de autocarros durante o dia, naquele troço, o Plano de Sinalização Temporário contempla 4 fases, de forma a garantir a circulação de viaturas particulares e de transportes públicos, evitando também a execução destes trabalhos em período nocturno, que poderia implicar queixas dos moradores, uma vez que os equipamentos produzem algum ruído.
Retoma das obras do Metro do Areeiro
Tem inicio previsto para dia inicio de Dezembro e duração estimada de 8 meses.Numa 1ª fase, os trabalhos do metro vão decorrer maioritariamente no subsolo e na construção de um elevador, obrigando a condicionamento da rotunda, do lado norte.
Numa 2ª fase, com inicio previsto para Maio de 2018 e duração prevista de 4 meses, começam os trabalhos de arranjos exteriores, estando o projeto de espaço píblico, que é da Câmara Municipal, em fase de acabamento.
A CML confirma que a limpeza das escadas é da responsabilidade do Metro, que informou que a efetua com alguma regularidade. A Câmara procurou sensibilizar  o Metro para a necessidade de reforçar estas intervenções.
Soubemos também que os cais só voltarão a abrir em Agosto de 2018 e que o espaço verde pintado (pela Junta de Freguesia) está dentro da área do projeto, pelo que será seguramente requalificado.Actualização de 06.11.2017
Confirmando Informação anterior e os SMS que alguns moradores estão a receber (via EMEL) tenho o prazer de comunicar que, finalmente, vão começar as obras de requalificação do betuminoso na Avenida Padre Manuel da Nóbrega que pedimos em 2016.
As obras devem começar a 7 e durar até 15 Novembro período em que a avenida estará fechada ao trânsito para alcatroar por completo.Actualização de 08.11.2017
Quanto à pergunta do Jorge Oliveira sobre as obras na Padre Manuel da Nóbrega:
https://www.facebook.com/groups/Vizinhos.do.Areeiro/permalink/1844092685903530/
Respondeu a CML que essa zona “não será intervencionada por se encontrar em estado razoável/bom”
Contudo será “incluído o parque por trás do terminal de autocarros”Actualização de 13.11.2017
“A passadeira vai ser intervencionada no âmbito da 2ª fase da obra da Praça do Areeiro, da responsabilidade do METRO, que se iniciará previsivelmente a partir do dia 1 de dezembro.
Corrigimos apenas os buracos para evitar acidentes no atravessamento.” (CML)Actualização de 13.11.2017
“Vimos por este meio informar que a obra de repavimentação da Av. Padre Manuel da Nóbrega ficou concluída, com a pintura das marcas rodoviárias, hoje, dia 14 de novembro.
Mais informamos que está em curso, nos serviços da DMMT, uma avaliação do tráfego desta via, para equacionar a implementação das necessárias medidas de acalmia de tráfego”Actualização de 12.06.2018

Resposta do Metro ao pedido de limpeza dos cais da Praça Francisco Sá Carneiro de 23 Julho de 2018:
“Recebemos a sua exposição apresentada por mail em 2018.07.20. Em resposta cumpre-nos informar o seguinte:
É objetivo desta empresa a prossecução de padrões elevados de qualidade do serviço prestados aos seus clientes. Sendo a limpeza um dos seus indicadores fundamentais, merece uma atenção particular.
No Metropolitano de Lisboa a limpeza de estações e material circulante é efetuada regularmente, a dois níveis:
– uma limpeza profunda em todas as suas estações e comboios fora do período de exploração, concretamente entre as 01h30 e as 06h00, com recurso a pessoal especializado e equipamento específico;
– durante o período de exploração, mais concretamente entre as 08h00 e as 20h00, funcionam piquetes por cada conjunto de 3 estações, tendo por missão a recolha do lixo dos caixotes ou aquele deixado no chão, ocorrendo ainda a situações pontuais que se possam verificar na sua área de intervenção.
A anomalia específica que nos reporta na sua exposição, relativamente ao acumular de lixo nas escadas de acesso ao cais do átrio que se encontra temporariamente encerrado pelo motivo de obras, informamos o assunto foi encaminhado para os serviços competentes da gestão da Linha Verde no sentido de se proceder ao reforço da limpeza.

Por todo o incómodo causado, resta-nos apresentar o devido pedido de desculpas e reafirmar o empenho em resolver a referidas anomalias com a máxima brevidade.”

Resposta do Metro de 27 de Março de 2019:

Proc 107431
O Metropolitano de Lisboa tem em curso o Plano de Desenvolvimento Operacional da Rede que prevê dotar as estações mais antigas de instalações e equipamentos de modo a possibilitar a sua utilização por parte das pessoas com necessidades especiais, seja por condições físicas, de idade ou pela mobilidade se encontrar reduzida.
No âmbito deste plano, encontra-se previsto um novo procedimento de contratação pública para o mês de Março de 2019 no sentido de dar continuidade aos trabalhos necessários à reabilitação da estação Areeiro, nomeadamente a colocação de dois elevadores entre os cais e o átrio e um outro elevador de acesso à superfície.
Com este plano, o Metropolitano de Lisboa tem como objetivo a modernização de equipamentos, sistemas e instalações, bem como a melhoria das acessibilidades, procurando a melhoria constante do serviço prestado.”

Reunião Pública Descentralizada da Câmara Municipal de Lisboa – 03/04/2019

“a violência a que se obrigam os moradores a subirem e a descerem 61 degraus na estação do Areeiro (…) aliás, a insólita decisão de não tinstalar escadas rolantes e elevadores (…) foi-nos dito que as acessibilidades seriam entretanto construídas (…) a estação continua fechada e transformada em depósito de lixo ao ar livro (…) muitos utentes do metro das Olaias queixam-se que falha constantemente a sua manutenção”
Moradora Aurora Correia

“As obras do metro são competência do Metro mas a CML acompanha, em proximidade estas obras” (…) o Metro da Olaias – falei esta semana com o Sr. Presidente do Metro – havia um problema de infiltrações que provocava a paragem das escadas rolantes. As obras do Metro do Areeiro estão paradas à tempo demais. O Metro está a relançar os procedimentos que as obras vão ter início este ano. (…) esperamos que seja, realmente, desta vez. Tentamos facilitar ao Metro que os processos sejam ágeis do lado da CML. Estamos a acompanhar a situação com o Metropolitano”

Vereador Miguel Gaspar

Actualização de 27.09.2019
Serve o presente para informar do início dos trabalhos relativos à Empreitada de Reformulação do Átrio Norte da Estação Areeiro, no próximo dia 30 de Setembro, com a montagem de estaleiro na Praça Dr. Francisco Sá Carneiro.

A montagem de estaleiro será realizada em duas fases, sendo que a partir de 30 de Setembro iremos apenas ocupar as zonas que não têm interferência com o trânsito rodoviário.”

 

 

Várias respostas do Vereador Manuel Salgado aos Vizinhos do Areeiro

À questão dos Vizinhos do Areeiro sobre “Agravamento das condições de trânsito em algumas freguesias do Areeiro”
O Vereador Manuel Salgado esclareceu em 3 de Maio de 2017 que:
“Importa esclarecer que os tempos de semaforização nos eixos referidos na vossa exposição foram ajustados de acordo com o projeto de requalificação do eixo central, cuja obra se encontra a decorrer na zona de Entrecampos. Após a conclusão da intervenção e o correspondente período de monitorização, poderão ser realizados eventuais reajustamentos dos tempos de semaforização atuais.”
À questão dos Vizinhos do Areeiro sobre “Melhoria da mobilidade na Rua Xavier Cordeiro”
O Vereador Manuel Salgado esclareceu em 3 de Maio de 2017 que:
“Pela Recomendação 10/133 — Pela melhoria da mobilidade na Rua Xavier Cordeiro”, aprovada pela Assembleia Municipal de Lisboa, sob proposta do Grupo Municipal do PEV, em 21 de fevereiro de 2017, foi recomendado à Câmara Municipal de Lisboa, o reordenamento dos acessos e limitação dos sentidos da Rua Xavier Cordeiro, assim como a introdução de medidas eficazes de acalmia de tráfego. Para o efeito e no sentido de impedir o bypass aos semáforos da Avenida do México, a ligação da Rua Brás Pacheco com a Avenida do México passa novamente a funcionar como ponto de saída, sendo a entrada na Rua Xavier Cordeiro feita pela Rua Bacelar e Silva. Desta forma, quem vem da Avenida do México, deixa de poder entrar diretamente na Rua Xavier Cordeiro.
Ainda, no sentido de restringir ao máximo os excessos de velocidade na Rua Xavier Cordeiro, para além da medida atrás apontada e da sinalização vertical existente nas entradas e saldas do bairro, serão acrescentadas marcas rodoviárias com indicação de velocidade máxima de circulação.”
À questão dos Vizinhos do Areeiro sobre “Participação coletiva dos Vizinhos do Areeiro à Consulta Pública da “Implementação das Zonas de Estacionamento e Paragem de Duração Limitada na Freguesia do Areeiro””
O Vereador Manuel Salgado esclareceu em 3 de Maio de 2017 que:
“Tratando-se de uma participação apresentada no âmbito da discussão pública relativa à implementação das Zonas de Estacionamento e Paragem de Duração Limitada na Freguesia do Areeiro, a mesma merecerá resposta em sede de decisão daquele procedimento, por parte da Câmara Municipal de Lisboa.
Sem prejuízo da resposta que seja dada, no âmbito da referida discussão pública, às várias questões concretas suscitadas, informa-se que a implementação de zonas de tomada e largada de passageiros, junto às escolas do Bairro do Arco do Cego, está assegurada, respondendo, assim, ao solicitado pelo Movimento Cívico dos Vizinhos do Areeiro. “
À questão dos Vizinhos do Areeiro sobre “Petição “EMEL: aumento de validade do dístico para 3 anos”
O Vereador Manuel Salgado esclareceu em 3 de Maio de 2017 que:
“Sobre este assunto foi consultada a EMEL, cumprindo referir que o Regulamento Geral e Estacionamento e Paragem na Via Pública (RGEPVP) prevê a validade dos dísticos de residentes por um ano.
O dístico de residente é um título de estacionamento que permite ao residente que dele seja titular estacionar em Zona de Estacionamento de Duração Limitada (ZEDL), sem a necessidade de efetuar o pagamento de uma taxa de estacionamento. Actualmente, a dinâmica do mercado imobiliário da cidade de Lisboa — em que a procura continua a ser muito superior à oferta e onde se verifica a constante mutabilidade de proprietários/arrendatários, bem como a insuficiente oferta de estacionamento e a respetiva exigência de rotatividade de veículos, reclamam que o prazo de vigência dos dísticos de residente seja de apenas um ano.
Este prazo visa garantir que, na sequência da mudança de residência, não se perpetue o direito a estacionar num local da cidade que deixou de ser o da residência, possibilitado assim que outros possam usufruir do mesmo direito.
Ademais, importa referir que a EMEL tem neste momento a funcionar mecanismos de comunicação com os residentes de molde a que a renovação anual do dístico de residente seja quase automática. Com efeito, antes de finalizar o prazo de vigência anual do dístico de residente, a EMEL notifica o residente de que deve renová-lo, enviando uma comunicação com a possibilidade de pagamento eletrónico do valor do emolumento e da tarifa correspondente (o primeiro dístico é gratuito) e após pagamento envia o novo dístico, via correio. Periodicamente, e com vista a garantir a manutenção do direito associado ao local de residência e ao dístico, a EMEL solicita o envio de documentação comprovativa da manutenção da situação inicial, nos termos do artigo 42.° do RGEPVP. Quanto à redução do custo de emissão do cartão de residente (12 euros), salienta-se que este valor corresponde a emolumentos e está associado aos custos da operação de emissão de dísticos (cf. Artigo 21.° n.° 6 do RGEPVP). De acordo com o fixado no artigo 25.° e no Anexo VII do RGEPVP o 1.° dístico tem uma tarifa gratuita, o 2.° dístico, por fogo, uma tarifa fixada em 30E e o 3.° dístico 120E.
No que respeita à possibilidade de emissão de dísticos de residente provisório (superiores a trinta dias e inferiores a 12 meses), informa-se que os dísticos de residente são válidos por um período máximo de um ano, sem prejuízo de a sua validade cessar sempre que os pressupostos que determinaram a sua atribuição se alterem. No que respeita à isenção de os veículos ao serviço da EMEL, devidamente identificados, pagarem tarifa de estacionamento, a mesma está prevista no artigo 12? (isenções) do RGPVP e não foi invocada razão que justifique alterar esta situação. A EMEL esclareceu, ainda, que, no âmbito de ações de fiscalização de estacionamento, designadamente de operações de bloqueamento e desbloqueamento de veículos em infracção, existe, por vezes, a necessidade de estacionamento dos veículos da EMEL, devidamente identificados, em 2.a fila, em paralelo com o veiculo que está a ser intervencionado, por razões de proteção e segurança dos agentes e por forma a salvaguardar a sua integridade física.
Por último, esclarece-se que artigo 419 do RGEPVP já permite ao titular de dístico de residente requer a sua troca por outro dístico, que diga respeito a um outro veículo ou a urna outra morada integrada numa ZEOL, desde que dentro da validade do dístico inicial, sem a exigéncia do pagamento de nova tarifa”

Velocidades excessivas nas vias da freguesia do Areeiro: Propostas à CML

screen-shot-01-31-17-at-01-26-pm

As velocidades dos automóveis nas vias estruturantes do Areeiro (João XXI, Roma, Almirante Gago Coutinho e Afonso Costa) ultrapassam, frequentemente, os 50 Km/h.
Esta falta de respeito para com os limites de velocidade leva a um aumento da poluição sonora e ambiental e a um risco de sinistralidade que pode ser combatida por várias vias:
1) aumento da fiscalização por parte da Polícia Municipal (agora com competências neste sector)
2) instalação de radares fixos de controlo de velocidade
3) instalação de lombas nas rectas de maior extensão, junto a passadeiras de peões e pela colocação de semáforos onde estes não existem (Av. de Roma, Av. Almirante Gago Coutinho. Av. México e Manuel da Maia junto a INE e Av. João XXI)
4) instalar um sistema de testes de “Geração de Energia Elétrica nos Pavimentos Rodoviários ” como o testado pela Waynergy Vehicles na Covilhã numa destas vias do Areeiro o qual, além de gerar energia serve também como redutor de velocidade:
http://www.crp.pt/docs/A48S167-8_CRP_T7_137.pdf

(enviada ao Plano Pedonal de Lisboa (CML))

Subscrevem:
Rui Martins
João J Martins
Margarida Braz Pinto Coimbra
Cristina Azambuja
Luis Seguro
José Vieira Mesquita
Maria Cortez Caetano
Jacinto Manuel Apostolo
Isabel Tomas Rodrigo
Clara Ribeiro
Zé Pedro Leitão
Célia Cardoso Franco
Vasco Ribeiro
Teresa Raposo
Ines Domingos
José João Leiria-Ralha
Manuela Melo
Joao Filipe Rodrigues
Cátia Mendes
Filipe Ruivo
Joao Miranda
Sue M Pinto
Alexandre Montenegro
Fátima Mayor
Joao Rodrigues
Pedro Machado
Carlos Conceicao
Isabel Primoroso
John Burney
Pedro Costa Pinto
Pilates Pascal
Marta Campos

Semáforos em situação ilegal na Freguesia do Areeiro [Actualização]

screen-shot-01-23-17-at-01-19-pm

Tendo em conta que o ponto 1.6.4.2 do Anexo ao Decreto-Lei nº 163/2006 prescreve que, em todos os semáforos, o sinal verde para peões deve estar aberto o tempo suficiente para permitir o atravessamento a uma velocidade de 0,4 metros por segundo e que várias vias da freguesia do Areeiro não respeitam esta regra os moradores apelam à Junta de Freguesia do Areeiro que identifique junto da Câmara Municipal de Lisboa todos os semáforos que estão ilegais e que proceda por forma a garantir uma resposta eficaz e em tempo útil por parte desta autarquia.

Em particular, identificamos nesta situação:
Avenida de Roma junto à Av São João de Deus
Avenida de Roma junto a Rua João Villaret
Primeiro semáforo da Av. de Roma quem vem da Praça de Londres, junto ao Ministério da Solidariedade Social
Rua Augusto Gil para a Av. João XXI
Avenida João XXI junto ao cruzamento com a Avenida de Roma
Avenida Manuel da Maia junto à Alameda Afonso Henriques
Avenida Almirante Reis junto à Avenida de Paris
Avenida Afonso Costa junto à DGA
Avenida Almirante Gago Coutinho junto à BP

Numa faixa de rodagem com 10 metros de largura a luz verde para peões tem que estar aberta pelo menos durante 25 segundos. Ora, a regra, nestes locais de atravessamento (e sem contar com as ilhas nos separadores centrais!) é de 15 segundos, ou seja 10 segundos a menos que – num atropelamento – podem fazer a diferença entre a vida e a morte!

Subscrevem:
Rui Martins
Luis Seguro
Maria Cortez Caetano
Carmosinda Veloso
Luz Cano Pinto Santos
Mónica Janelas
Fernanda Cunha
Gabriel Osório de Barros
Pedro Gomez
Filipa Ramalho Rickens
Maria Julieta Mendes Martins
Pedro Pinto
Raquel Leite
Clara Ribeiro
Elisabete Carvalho
Anabela Nunes
Vasco Ribeiro
Hugo Fiuza
José João Leiria-Ralha
José Vieira Mesquita
Teresa Raposo
Qju Nunes
Joao Miranda
Cátia Mendes
Nitucha Jacques
Rui M. Sousa
Isabel Tomas Rodrigo
Jacinto Manuel Apostolo
Manuela Melo
Belicha Geraldes
Dina Correia
Maria Georgina Carreira Reis
Margarida Braz Pinto Coimbra
Carlos Augusto
Maria João Morgado
Renata Chaleira
Clara Melo
Mafalda Antunes
Maria Palma
Teresa Silva
André Carvalho
Rosa Branca Graça
Susana De Brito Dias
Pedro André
Rahyara De Sousa
John Burney
Isabel Barreto
Nelson Guimarães
Lucilia Guimaraes
Margarida Paiva
Dina Lopes

 

Actualização de 27.04.2017:

A 23 de janeiro 2017 questionámos a Junta de Freguesia do Areeiro se poderia pressionar a CML sobre os semáforos com temporizações aparentemente ilegais na Av. de Roma
A 27 de abril a Junta respondeu que “foi avisada na altura a CML. Atualmente apresentámos uma reclamação sobre os semáforos da praça Francisco Sá Carneiro”

Actualização de 07.03.2019:

“A CDU enviou a proposta que entregou em agosto do ano passado sobre este tema:

“MOÇÃO, Semáforos para peões, Assembleia Freguesia Areeiro, Eleito CDU, Setembro 2018. Página 1 de 2
Proposta pelo Eleito da CDU na Assembleia de Freguesia do Areeiro, Lisboa
MOÇÃO
Semáforos para peões na Freguesia do Areeiro.
Considerando:
1. Que a instalação, manutenção e programação dos semáforos luminosos na cidade de
Lisboa compete à Câmara Municipal (CML);
2. Que o funcionamento dos semáforos luminosos afectam em grande medida a qualidade de
vida dos habitantes e visitantes das freguesias da cidade porque modela a rapidez e
comodidade da circulação pedonal e a velocidade do tráfego automóvel;
3. Que compete às Juntas de Freguesia a promoção e salvaguarda dos interesses próprios
das respetivas populações, em articulação com o município, sem discriminar directa ou
indirectamente as pessoas com deficiências, como exige a Lei 46/2006;
4. Que o Decreto-lei nº 163/2006 (DL163/2006) definiu as Normas Técnicas para Melhoria da
Acessibilidade das Pessoas com Mobilidade Condicionada;
5. Que o DL163/2006 determina que, nos semáforos, o sinal verde de travessia de peões deve
estar aberto o tempo suficiente para permitir a travessia, a uma velocidade de 0,4 m/s, de
toda a largura da via ou até ao separador central, quando ele exista;
6. Que a CML considera que existe separador central quando a ilha tem uma profundidade
igual ou superior a 1,20m;
7. Que na freguesia do Areeiro existe cerca de 25 cruzamentos com sinalização luminosa e
um número muito maior de travessias de peões equipadas com semáforos;
8. Que muitas das travessias de peões com semáforos existentes dentro da freguesia do
Areeiro aparentam ter uma temporização do sinal verde que exige a travessia a uma
velocidade de 1 a 1,2m/s, como era prática corrente antes de 2006;
9. Que a população da freguesia do Areeiro tem um índice de envelhecimento de 208 (quando
o valor médio das freguesias de Lisboa é de 182 e o da AML é de 117, fonte: Census 2011);
10. Que o Plano de Acessibilidade Pedonal de Lisboa (CML, 2013), depois de analisar o efeito
do aumento da temporização do sinal verde para peões sobre o congestionamento
automóvel e mobilidade geral dentro da cidade, recomenda o aumento efectivo da
temporização para a tornar conforme o DL163/2006;
11. Que o DL163/2006 determina que os semáforos que sinalizam a travessia de peões
instalados em vias com grande volume de tráfego de veículos ou intensidade de uso por
pessoas com deficiência visual devem ser equipados com mecanismos complementares
que emitam um sinal sonoro quando o sinal estiver verde para os peões;
12. Que o Plano de Acessibilidade Pedonal de Lisboa prevê que se instalem, nos semáforos
para peões, dispositivos que emitam sinais vibratórios naqueles locais onde os sinais
sonoros possam ser incomodativos para os moradores;
13. Que a CML anunciou em 10/05/2017 que “Gradualmente todas as passadeiras de Lisboa
com semáforos vão ter equipamento sonoro”;
14. Que não se conhece qual é o plano da CML para equipar os semáforos situados no Areeiro
com os tais equipamentos sonoros ou vibratórios;
15. Que a Junta de Freguesia do Areeiro (JFA) deve zelar pela mobilidade pedonal da
população idosa, da população com mobilidade reduzida, da população com deficiência
visual ou cega e, ao mesmo tempo, pela diminuição das fontes poluição sonora diurna e
nocturna dentro da freguesia;
Atento ao atrás exposto, o eleito da CDU propõe que a Assembleia de Freguesia do Areeiro
reunida a 27/09/2018 delibere:
MOÇÃO, Semáforos para peões, Assembleia Freguesia Areeiro, Eleito CDU, Setembro 2018. Página 2 de 2
I. Solicitar à JFA que esta requeira formalmente à CML a adaptação de todos os
semáforos para peões localizados no Areeiro, no prazo de 24 meses, para a
velocidade atravessamento de 0,4m/s determinada pelo DL163/2006;
II. Solicitar à JFA que esta requeira formalmente à CML o fornecimento do plano e o
calendário de adaptação dos semáforos dos atravessamentos de peões do Areeiro
para modelos sonoros e/ou vibratórios (se tal plano existir) e, logo que recepcione a
resposta, a dê a conhecer à Assembleia de Freguesia do Areeiro;
III. Solicitar à JFA que esta requeira formalmente à CML que, nos semáforos dos
atravessamentos de peões dotados de accionamento manual a instalar dentro da
freguesia do Areeiro, sejam somente instalados equipamentos sinalizadores
vibratórios.
Lisboa, 24/09/2018″”